Chape

CHAPECOENSE

Sobreviventes da tragédia da Chapecoense, Follmann e Ruschel se despedem de Rafael Henzel

Jornalista morreu na noite desta terça-feira, enquanto jogava futebol

postado em 27/03/2019 12:18 / atualizado em 27/03/2019 12:23

Dois dos seis sobreviventes da tragédia aérea da Chapecoense em novembro de 2016 prestaram homenagem e se despediram do jornalista Rafael Henzel, que morreu na noite de terça-feira após sofrer um enfarte fulminante enquanto jogava futebol com amigos em Chapecó (SC). Em suas redes sociais, o ex-goleiro Jakson Follmann postou uma foto com todos - os dois, mais o lateral-esquerdo Alan Ruschel e o zagueiro Neto - que escaparam do acidente na Colômbia.

Follmann deixou no Instagram uma mensagem evitando procurar explicações para o acontecimento. "A gente tenta encontrar respostas, compreender o que está acontecendo. Mas, DEUS é o único ser que sabe o que acontece e o que está por vir. Que Deus lhe receba e conforte o coração de toda sua família. Deixará saudades do profissional, do pai, esposo e amigo que eras #luto", escreveu o ex-goleiro.

Henzel foi uma das seis vítimas que sobreviveram no acidente aéreo que causou a morte de 71 pessoas no voo da LaMia que levava a delegação da Chapecoense para a Colômbia para a disputa da final da Copa Sul-Americana, no final de novembro de 2016.

Outro sobrevivente da tragédia aérea, o lateral Alan Ruschel, se manifestou, lamentando muito a perda do narrador, que esteve com a delegação no acidente na Colômbia. Em sua conta no Instagram, Ruschel se despediu de Henzel e ressaltou a nova oportunidade dada após a queda do avião. Depois, enfatizou para o momento de tristeza, mas cima de tudo de reflexão por conta da “peça que a vida pregou”. No fim, desejou os sentimentos ao filho, a esposa e aos demais familiares do jornalista.

“Às vezes, parece que o destino brinca com a gente. A sensação que eu tinha sobre nós, sobreviventes de uma tragédia tão grande, era de que, com a oportunidade cedida por Deus, tínhamos começado nossa história do zero, como se fôssemos crianças, tendo uma vida inteira ainda para experimentar. Que peça a vida nos pregou, Rafael. Que momento triste e reflexivo. Vá em paz e que Deus conforte com muito amor e esperança a vida do teu pequeno da tua esposa e demais familiares”, escreveu.
Aos 45 anos, Rafael Henzel passou mal enquanto jogava futebol na última terça-feira e foi levado para o Hospital Regional de Chapecó de helicóptero, mas não resistiu e veio a óbito. Por meio de nota oficial, a Chapecoense lamentou a morte do jornalista.

Único jornalista a sobreviver à tragédia, ele trabalhava na Rádio Oeste Capital e havia retomado as suas atividades normalmente no veículo de comunicação um ano após sobreviver à tragédia que abalou o futebol mundial.

O velório de Henzel está sendo realizado desde as 2h30 desta quarta-feira no Centro de Cultura e Eventos de Chapecó. O cortejo até o cemitério irá começar às 16 horas. O corpo será levado pelo caminhão do Corpo de Bombeiros. O sepultamento será às 17 horas.

Mais tarde, às 19h15, a Chapecoense enfrentará o Criciúma, na Arena Condá, em Chapecó, pela rodada de ida da terceira fase da Copa do Brasil. O clube já pediu o adiamento da partida, mas até o momento a CBF não se pronunciou sobre o assunto.

Um ano depois da tragédia que vitimou 71 pessoas na Colômbia, local em que a Chapecoense disputaria a decisão da Copa Sul-Americana diante do Atlético Nacional-COL, Henzel voltou aos trabalhos e à cobertura normal dos jogos da equipe catarinense. Atualmente, ele trabalhava na rádio Oeste Capital.

Tags: chapecoensesc seriea nacional