Justiça cita Cruzeiro a pagar R$ 330 milhões a investidores de Dedé

Clube tem prazo de 15 dias para quitar débito, mas ainda pode recorrer da decisão

01/09/2021 11:15 / atualizado em 01/09/2021 15:02
compartilhe
Sem jogar há quase dois anos, Dedé encerrou disputa judicial com Cruzeiro em julho
foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Sem jogar há quase dois anos, Dedé encerrou disputa judicial com Cruzeiro em julho


O Cruzeiro recebeu um mandado judicial para o pagamento de R$ 330 milhões a um grupo de empresários que investiram na contratação do zagueiro Dedé, em 2013. O valor é referente à cláusula indenizatória do contrato do jogador, que se desligou do clube em julho deste ano. Expedida nessa terça-feira (31/8), a decisão da juíza Lílian Bastos de Paula, da 22ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte , determina o prazo de 15 dias para a quitação do débito. 

Para evitar o pagamento no prazo determinado pela Justiça, o Cruzeiro pode oferecer embargos. Em caso de depósito de 30% do valor em execução, o clube teria o direito de parcelar o restante do débito em até seis meses, com juros e correções.  A Raposa ainda pode recorrer da decisão. 

Em contato com o Superesportes , o Cruzeiro alegou que ainda não foi notificado da citação judicial e descartou o pagamento imediato do valor da causa. "O Cruzeiro aguardará sua citação no caso, que faz parte de um fluxo natural nesse tipo de processo. Em se tratando de uma ação monitória, o clube apresentará posteriormente a defesa cabível, que são os embargos monitórios. Em hipótese alguma haverá o pagamento do valor neste momento". 

A cobrança dos R$ 330 milhões foi realizada pelas empresas Grupo DIS e GT Sports e pelos empresários Marcus Vinícius Sanchez Secundino e Giscard Salton , que participaram da aquisição dos direitos econômicos do atleta em 2013, quando a Fifa ainda permitia a participação de terceiros (a proibição foi instaurada em 2015). 

Os direitos econômicos de Dedé estavam divididos da seguinte forma: Grupo DIS - 51,91%; GT Sports - 6,5%; Marcus Vinícius - 30,5%; e Giscard Salton - 11,09%

Se fechasse uma negociação no período em que manteve vínculo com Dedé, o Cruzeiro embolsaria uma taxa de vitrine. Em várias entrevistas, o próprio jogador revelou ter recebido propostas de clubes da Europa, casos de Lyon , da França (2018), e Juventus , da Itália (2014).

Com base no valor de R$330 milhões, a quantia pleiteada pelos empresários seria assim repartida: Grupo DIS - R$171,3 milhões; GT Sports - R$21,45 milhões; Marcus Vinicius - R$100,6 milhões; Giscard Salton - R$36,6 milhões. 

Em 1º de julho de 2021, Dedé chegou a um acordo para rescindir o  contrato com o Cruzeiro . Com o acerto, o zagueiro receberá R$16,6 milhões parcelados em 60 vezes de R$276.666,66 a partir de janeiro de 2022. O valor inicial da causa superava R$35 milhões. 

Leia mais sobre o tema no Blog do Victão


Dedé no Cruzeiro 


Contratado por R$14 milhões ao Vasco , em abril de 2013, Dedé conquistou sete títulos pelo Cruzeiro: dois Campeonatos Brasileiros (2013 e 2014), duas Copas do Brasil (2017 e 2018) e três Campeonatos Mineiros (2014, 2018 e 2019). Em oito anos no clube, o zagueiro esteve em campo em 188 oportunidades e marcou 15 gols. Sua sequência foi prejudicada por lesões nos dois joelhos, a ponto de atuar em apenas 12 ocasiões de 2015 a 2017. 

Ainda sem clube após encerrar litígio com o Cruzeiro, Dedé não disputa uma partida oficial desde 19 de outubro de 2019, quando o Cruzeiro venceu o Corinthians por 2 a 1, em São Paulo, pela 27ª rodada do Brasileirão. Na ocasião, ele machucou o joelho e precisou ser substituído por Cacá. Posteriormente, tentou tanto o tratamento conservador quanto o cirúrgico, porém não alcançou as condições ideais para voltar a jogar.

Top 20 clubes da América do Sul no ranking de vendas internacionais da Fifa


Compartilhe