Time feminino do Cruzeiro cobra reunião com diretoria e não descarta greve

Jogadoras reclamam de 'falta de interesse' e 'tratamento diferenciado'

15/10/2021 23:56 / atualizado em 16/10/2021 15:21
compartilhe
Em carta aberta, Cabulosas descartam paralisação, mas cobram reunião com a diretoria
foto: Bianca Crispim/Cruzeiro

Em carta aberta, Cabulosas descartam paralisação, mas cobram reunião com a diretoria



O time feminino do Cruzeiro se manifestou sobre a delicada situação financeira do clube, que vive momento de insatisfação de atletas e funcionários em decorrência de atrasos no pagamento de salários. Em carta publicada nas redes sociais, as jogadoras se posicionaram sobre o caso, cobraram uma reunião com a diretoria e ameaçaram entrar de greve. 

Em carta aberta publicada nas redes sociais, as jogadoras criticaram a diretoria pelo que consideram 'falta de interesse' com o futebol feminino, além de 'tratamento diferenciado' em relação ao time masculino. Elas cobram 'respeito' e um 'olhar sem preconceitos' da alta cúpula celeste.

Em carta aberta dirigida à 'Nação Azul', jogadoras reclamam de desinteresse e tratamento diferenciado
foto: Reprodução

Em carta aberta dirigida à 'Nação Azul', jogadoras reclamam de desinteresse e tratamento diferenciado

 

As jogadoras demonstraram apoio à greve dos jogadores e do time sub-20 masculino, mas descartaram paralisação, ao menos até um posicionamento oficial da diretoria. As Cabulosas garantiram que entrarão em campo diante do Funorte, neste domingo, às 10h, na Arena Vera Cruz, em Betim, pela quarta rodada do Campeonato Mineiro Feminino. 

O Cruzeiro lidera o Mineiro Feminino com nove pontos em três partidas, aproveitamento de 100%. As Cabulosas bateram Ipatinga (2 a 1), Social (2 a 1) e o rival Atlético (3 a 0). A duas rodadas para o fim da competição, que é disputada em turno único, a equipe celeste prometeu foco total nos jogos diante de Funorte e América, em 23 de outubro, para conquistar a taça. 



Íntegra da carta das jogadoras do Cruzeiro:


Em razão do não pronunciamento da diretoria celeste a nós, jogadoras profissionais da modalidade de futebol feminino do Cruzeiro Esporte Clube, viemos por meio desta carta aberta à Nação Azul também comunicar de forma oficial o nosso descontentamento, destacar a crise por nós vivida no clube, e informar a decisão tomada em comum acordo pelo elenco:

Confessamos que não é de hoje que percebemos a indiferença e a falta de interesse por parte da diretoria do Cruzeiro em serem ativos no que diz respeito à modalidade feminina de futebol. Por esse motivo, após a repercussão e visibilidade que tomou a greve anunciada pelos atletas do profissional masculino, estamos aqui para pedir voz e alcançarmos também os nossos direitos como atletas profissionais e colaboradoras da instituição.

É frustrante para a gente ver que tantas pessoas nos apoiam e querem nos acompanhar quando conseguimos, por méritos próprios e trabalho árduo, chegar a uma final de campeonato. Porém, estas mesmas pessoas se fazem ausentes em tudo que diz respeito ao nosso dia a dia e necessidades ao decorrer da temporada.

A preocupação sempre foi atender ao elenco profissional masculino, aliás este sim acompanhado diariamente por vários dirigentes que não só prestigiam os treinamentos e a evolução individual dos atletas, como buscam solucionar sempre problemas e contratempos que os impeçam de sofrer qualquer desgaste. Contudo, neste ato ressaltamos que nós, as Cabulosas, não só passamos por todas as dificuldades financeiras impostas pela delicada situação do clube, como pelo desinteresse geral da diretoria com a modalidade, que nunca sequer teve um membro representante visitando nosso centro de treinamento de 2021, em Betim, além de desconhecerem as condições de estrutura que nos é oferecida.

Salientamos que o nosso descontentamento não é questão estrutural, já que graças à diretoria responsável pelo departamento sempre nos foi oferecido o melhor. Mas sim ao tratamento diferenciado que a gestão atual do clube dá à modalidade feminina. Apesar de sermos vistas como “profissionais’ pela Confederação Brasileira de Futebol, sentimos que não somos levadas à sério, nem valorizadas nas devidas proporções.

Infelizmente, ficou intolerável e injustificável a forma como estamos sendo geridas, e queremos não só respeito, como um olhar sem preconceitos no intuito de enxergar que o futebol também pode ser praticado por mulheres.

Não basta nos acompanhar e falar que estão do nosso lado apenas quando ganhamos um título importante para o futebol feminino. Queremos respeito diário!

Por isso, informamos que a presente carta se faz necessária não só em apoio aos nossos colegas na paralisação do futebol profissional masculino em prol dos atrasos salariais, como também para salientar nossa insatisfação pela absoluta ausência de um efetivo posicionamento direcionado ao nosso departamento.

Então, assim como foi de preocupação e emprenho da diretoria se reunir com o elenco profissional masculino, solicitamos a presença dos mesmos também em nosso centro de treinamentos. Não aceitaremos mais essa negligência conosco.

Visto isso, Informamos à gestão do Cruzeiro Esporte clube que cumpriremos nossos compromissos do final de semana no Campeonato Mineiro Feminino, e a partir de disso aguardaremos o cumprimento das obrigações no prazo mais breve possível, paralisando os trabalhos caso não haja retorno.

Reiteramos que, como profissionais, é o nosso objetivo sempre servir essa instituição. Por isso, é com muito suor e dedicação que, apesar da situação, até o momento, viemos trabalhando firmes e nos dedicando a honrar a camisa que vestimos. Não é à toa que somos líderes invictas do Mineiro, com vitória sobre o rival e classificação antecipada. Porém, ficou insustentável o não reconhecimento de tamanha dedicação.

Compartilhe