'Temos 15 investidores que estão interessados no Cruzeiro', diz head da XP

Pedro Mesquita contou detalhes das negociações em entrevista ao jornalista Jaeci Carvalho, colunista do Superesportes e do Estado de Minas

26/10/2021 19:07 / atualizado em 26/10/2021 19:54
compartilhe
Diretor da XP afirmou ao jornalista Jaeci Carvalho que Cruzeiro deve ser adquirido por um investidor no primeiro trimestre de 2022
foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Diretor da XP afirmou ao jornalista Jaeci Carvalho que Cruzeiro deve ser adquirido por um investidor no primeiro trimestre de 2022


Existem 15 investidores no páreo para administrar o Cruzeiro . É o que garantiu Pedro Mesquita, head do banco de investimentos da XP, em entrevista ao jornalista Jaeci Carvalho , colunista do Estado de Minas e do Superesportes . A tendência é que o clube crie a Sociedade Anônima do Futebol (SAF) em dezembro de 2021 e negocie 49% de suas ações no primeiro trimestre de 2022. Os interessados na compra são dos Estados Unidos, da Europa e do Oriente Médio.

“Temos 15 investidores que estão em processo de análise, interessados no Cruzeiro. Vamos escolher um deles no primeiro trimestre do ano que vem. Ainda não há proposta financeira, porque não chegamos nessa etapa. Será entre novembro e dezembro. Aí, vamos analisar e escolher a melhor delas. Vamos escolher não só em termos quantitativos, melhor proposta em dinheiro, como também, qualitativo. O Cruzeiro estará em grandes mãos”, afirmou Mesquita.

CLIQUE E LEIA A COLUNA DE JAECI CARVALHO NO ESTADO DE MINAS

Segundo o diretor da XP, dificilmente um grupo do país participaria da SAF do Cruzeiro, principalmente em razão da desvalorização do real em comparação às moedas estrangeiras. “O dólar está muito alto, ruim para o brasileiro investir. Portanto, todos os 15 investidores com quem já conversamos e assinamos o contrato de confidencialidade, são de fora, da Europa, Oriente Médio e Estados Unidos, como eu disse acima. Eles têm moeda forte e muita capacidade de investimento”.

Vale lembrar que nas últimas semanas a diretoria buscou socorro financeiro junto a empresários cruzeirenses, casos de Pedro Lourenço, do Supermercados BH; Régis Campos, da construtora Emccamp; e Paulo Henrique Pentagna Guimarães, do banco BS2 e do grupo Carbel. Depois de várias reuniões, eles concordaram em emprestar R$9 milhões para que o clube acerte pendências salariais com atletas e funcionários.

A quantia é apenas um paliativo, pois não chega perto da dívida de R$962 milhões divulgada no último dia 19. Como não subirá à Primeira Divisão - 0,013% de chance, segundo o Departamento de Matemática da UFMG -, o Cruzeiro continuará vivendo o cenário de despesa superior à arrecadação. A esperança é que a SAF garanta um respiro financeiro à instituição e possibilite a montagem de uma equipe que brigue pelo acesso em 2022.

Empresários milionários que torcem pelo Cruzeiro



Compartilhe