UAI

2

Palmeiras: Messinho, ex-Cruzeiro, marca golaço em vitória sobre o Atlético

Garoto de 15 anos saiu do banco e fez um belo gol na partida de volta das quartas de final da Copa do Brasil Sub-17

25/05/2022 09:37 / atualizado em 25/05/2022 10:10
compartilhe
Messinho já está brilhando com a camisa do Palmeiras
foto: Fábio Menotti/Ag.Palmeira

Messinho já está brilhando com a camisa do Palmeiras


Ex-Cruzeiro, o atacante Estevão Willian, o 'Messinho', agora está brilhando com a camisa do Palmeiras. O garoto de 15 anos marcou um golaço na vitória do Verdão sobre o Atlético, por 3 a 1, nessa terça-feira, no jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil Sub-17.

Atlético, que havia perdido o primeiro jogo por 5 a 0, abriu o placar na Arena Barueri, com gol de Igor Araújo, ainda no primeiro tempo.

No segundo tempo, o Palmeiras construiu de forma tranquila a vitória. Grande joia do Verdão, o atacante Endrick empatou, com gol de pênalti. Thalys fez o segundo após escorar cruzamento.

Messinho entrou no fim do jogo e marcou um golaço. Ele tabelou com Endrick, limpou a marcação e chutou de fora da área, no ângulo de Robert.



Considerado uma das maiores promessas da base celeste, Messinho deixou o Cruzeiro em maio do ano passado. Ele assinou um contrato de formação com o Palmeiras, já que não tinha vínculo profissional com a Raposa.

Pai de Messinho, Ivo Gonçalves recebia remuneração de R$10 mil mensais no Cruzeiro. Depois, o salário aumentou. Entre junho de 2018 e abril de 2019, o pai de Messinho embolsou R$102 mil. Ele processa o Cruzeiro na Justiça do Trabalho.

Por outro lado, Ivo é réu em processo criminal que envolve supostas irregularidades no Cruzeiro. O pai de Estevão foi indiciado por crime de falsidade ideológica. 


Foco de denúncias


Estevão foi um dos temas de reportagem exibida pelo Fantástico, da TV Globo, em maio de 2019. Na ocasião, a emissora revelou que o Cruzeiro, então administrado por Wagner Pires de Sá, cedeu 20% dos direitos econômicos da criança como garantia de empréstimo feito com o empresário Cristiano Richard dos Santos Machado.

A comercialização dos direitos econômicos da criança não poderia ter acontecido. Inicialmente, porque a Fifa determinou, em 2015, que apenas clubes e jogadores podem ter partes de direitos econômicos. Depois, porque revelações só podem assinar contratos profissionais com os clubes a partir dos 16 anos. Até lá, só existe o contrato de formação, sem direitos federativos ou econômicos.

Mesmo após a repercussão extremamente negativa sobre a comercialização desses 'direitos', o Cruzeiro voltou a negociar, em 1º de junho de 2019, outros 15% do 'passe' da criança. A transação foi feita com o Estrela Sports Ltda, do então conselheiro Fernando Ribeiro de Morais. Em maio do ano passado, o atleta saiu do clube.


Compartilhe