F-1 confirma GP do Catar em novembro e acordo de 10 anos a partir de 2023

Prova será realizada no dia 21 de novembro e chega para ficar como a 20.ª e antepenúltima etapa do Mundial

30/09/2021 08:33
compartilhe
Prova do Catar é oficializada em acordo de dez anos
foto: Divulgação / Fórmula 1

Prova do Catar é oficializada em acordo de dez anos

A Fórmula 1 terá uma estreia na parte final da temporada 2021. A categoria encerrou o mistério das últimas semanas e confirmou a corrida substituta do cancelado GP da Austrália. Trata-se do GP do Catar, no circuito de Losail, que será realizado no dia 21 de novembro e chega para ficar como a 20.ª e antepenúltima etapa do Mundial deste ano 2021, antecedendo as provas na Arábia Saudita e em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, que encerram o campeonato.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira e o acordo anunciado pela Fórmula 1 diz também que o Catar, que já recebe provas de motovelocidade (MotoGP, Moto2 e Moto3) fará parte do grid de forma regular a partir de 2023 e por 10 anos.

Circuito de 5.380 km e 16 curvas, Losail é mais conhecida por sediar etapas da MotoGP desde 2004, tradicionalmente abrindo o calendário do Mundial. O complexo também já recebeu provas do Mundial de Superbike e do WTCC. O que o comunicado da Fórmula 1 informa, entretanto, é que a prova no Catar é um paliativo para esta temporada. As discussões sobre a casa da F-1 no país a partir do novo acordo, em 2023, ainda é um mistério.

"Há um desejo forte do Catar em estender a mão à Fórmula 1 e, no curso deste processo, a visão para uma parceria longa foi discutida e acordada por um período de 10 anos", disse a categoria em um comunicado oficial. "O passo dado de ajudar a F-1 em 2021 para uma estratégia de longo prazo foi curta e simples e a visão da F-1 em ser uma demonstração para o Catar após a Copa do Mundo de 2022 foi a força motriz por trás deste longo acordo", afirmou.

"Como parte deste acordo de longa duração, as discussões continuarão em relação à sede do GP a partir de 2023, com detalhes a serem informados em outro momento", finalizou a nota oficial da Fórmula 1.

O GP da Austrália teve o cancelamento anunciado em julho por conta das dificuldades de entrada no país e a obrigação de uma quarentena de 14 dias para todo passageiro que desembarcar no país. A Fórmula 1 chegou a analisar a possibilidade de realizar uma segunda corrida nos Estados Unidos para deixar o campeonato com 22 etapas, mas o circuito do Catar virou a melhor opção por motivos logísticos, já que as etapas seguintes também vão acontecer no Oriente Médio.

"Estamos muito felizes em receber o Catar no calendário da Fórmula 1 nesta temporada e no longo prazo a partir de 2023", falou Stefano Domenicali, o diretor-executivo da F-1. "A Federação de Automobilismo e Motociclismo do Catar e as autoridades locais foram incríveis e se mexeram com enorme velocidade para garantir a corrida nesta temporada em Losail, famosa por receber a MotoGP", seguiu.

"Mostramos que continuamos a nos adaptar e há grande interesse em nosso esporte, além do desejo de vários lugares em ter um GP. O esforço enorme de todas as equipes, da Fórmula 1 e da FIA fez possível entregar um calendário de 22 corridas, algo do qual podemos nos orgulhar e muito impressionante durante um ano desafiador", completou Domenicali.

Presidente da federação local, promotora da corrida, Abdulrahman Al-Mannai foi quem deu a palavra catariana ao anúncio. "É um dia muito especial para o esporte a motor do Catar e a ambição nacional de receber grandes eventos. Estou muito orgulhoso de poder receber a Fórmula 1 desta maneira, assumindo uma posição e sediando o evento com uma janela tão curta de tempo e também fechando um acordo de longo prazo com a F1", falou.

"O acordo nos anima e mostra que o Catar será casa da Fórmula 1 e da MotoGP durante a próxima década, os dois maiores eventos do mundo do esporte a motor. Temos uma história no esporte a motor que nos orgulha, e este é o próximo passo. O Catar será grande passo da F-1 e estamos ansiosos para recepcionar pilotos, equipes, imprensa e fãs logo", encerrou.

Compartilhe