UAI

2

NBA: Gui Santos fala de experiências pós-Draft e encontro com Curry

Jogador de 20 anos foi lançado como profissional pelo Minas e está no Golden State Warriors desde julho deste ano, quando foi escolhido no Draft

28/07/2022 11:30 / atualizado em 28/07/2022 19:20
compartilhe
Escolhido pelo Golden State Warriors na 55ª escolha do Draft deste ano da NBA, o ala-armador Gui Santos foi entrevistado pelo Superesportes e abordou as primeiras experiências no basquete dos Estados Unidos. Após o recrutamento, o jovem de 20 anos atuou em dez jogos pelo Warriors na Summer League - torneio entre temporadas para recém-draftados e atletas que buscam espaço na liga.

Ao SuperesportesGui Santos também comentou o encontro com estrelas como o armador Stephen Curry e o futuro no Warriors - ainda incerto.

Por fim, o ala-armador abordou um pouco sobre carreira, Minas (clube que o lançou como profissional) e Seleção Brasileira.

Leia, abaixo, a íntegra da entrevista


Como foi esta primeira experiência na NBA? Summer League, ginásios...

Esta primeira Summer League, esse primeiro contato, meu primeiro contato com o jogo da NBA foi da hora. Foi uma experiência muito legal, porque é um basquete totalmente diferente. Eu era acostumado a jogar o basquetebol da Fiba, você chega para jogar o basquete da NBA é totalmente diferente. É um basquetebol muito mais rápido, os jogadores são muito mais atléticos, tem que tomar decisão muito mais rápido. É outro mundo, é absurdo. Até questão de estrutura, eu cheguei lá e tinha um tênis porque não cabia na mala. Falei com os caras e me deram dois tênis novos, é outro mundo, é outro mundo mesmo. Nem se compara.

Como você vê seu desempenho? Agradou o pessoal?

É difícil para o próprio jogador falar dele mesmo. Mas acho que fiz um bom trabalho, consegui mostrar, não 100% assim, mas consegui mostrar boa parte do meu jogo. Eles gostaram, até pelos feedbacks que tive, deles falando próprio nas transmissões falando de mim, falavam muito bem e tudo mais. Acho que fiz um bom trabalho sim na Summer League. Mas isso não tira o fato de que eu ainda tenho que trabalhar muito e muito mais para alcançar meu objetivo.

É muito diferente do que esperava e do que vivia no Brasil?

É muito diferente do que esperava e completamente diferente do Brasil. Sempre ouvi falar que tem muitos técnicos, muita gente para trabalhar, e é coisa de outro mundo mesmo. Começava a arremessar para aquecer, quando via tinha um técnico pegando rebote, outro passando a bola, outro fazendo bloqueio, defendendo. Isso só para um atleta, é diferente, diferente mesmo. Aqui é um só e olhe lá, isso quando não pega o juvenil para ir lá pegar rebote para você.

Como foi o contato com outros novatos, tendo que entrosar em poucos dias?

Eu gostei bastante, porque são uns caras que tinham passagem pela NBA, como (Jonathan) Kuminga, (Moses) Moody, James Wiseman, estavam comigo dando dicas, falando algumas coisas do jogo. Eram caras que sempre queriam falar, mostrar liderança por já estarem integrando a principal. A experiência foi legal, foram de boa, pessoas tranquilas, sempre tentaram ajudar.

Como se organizou com os companheiros nessa primeira experiência em quadra?

A Summer League é um lugar que todos querem mostrar, todo mundo quer mostrar que é bom jogador. Mas nem sempre você mostrar que é bom jogador é fazer 30 pontos por jogo. Eu não precisava fazer 30 pontos por jogo, jogava o basquete certo, tomava decisões certas. Às vezes tinha cara que tinha três, quatro marcando e queria fazer uma boa espírita, inventar coisa, mas os caras gostam do simples. Tem todo aquele show, mas o simples bem feito encanta qualquer um. Juntava e falava para fazer o simples, mover a bola, jogar coletivo, jogar todo mundo junto que o jogo vai fluir.

Gui Santos fez dez jogos na Summer League - três no torneio em San Francisco e sete no de Las Vegas
foto: Divulgação/Golden State Warriors

Gui Santos fez dez jogos na Summer League - três no torneio em San Francisco e sete no de Las Vegas

E qual seu futuro? Há alguma questão encaminhada?

Por enquanto eu vou continuar treinando, vou continuar lá desenvolvendo, meu físico principalmente. Mas até então estou deixando, acabou a Summer League agora, deram duas semanas de folga, agora eles estão resolvendo as coisas, estou com minha família, descansando um pouco, e volto para lá dia 30 (sábado). No dia 30 vejo como vai ser, o que meu agente vai conversar comigo, o que a gente vai decidir lá juntos.

Você tem consciência em fazer o que te pedem?

Com certeza. É o que falava nas entrevistas lá, o que eu iria entregar para o Warriors. Velho, eles têm o Stephen Curry. Têm o Klay Thompson, Jordan Poole, (Andrew) Wiggins. Não precisam de alguém que faça 30 pontos por jogo, precisa de um cara que defenda bem, faça papel certinho. Tiver que dar passe extra vai dar, finalizar, cortar, jogar pick and roll, vai conseguir finalizar ou achar o passe, esse é meu papel. Eu tenho que ser um companheiro, um cara, lógico estou chegando agora, mas de rotação que consiga ajudar o time de várias maneiras.

Como foi seu primeiro encontro com o Stephen Curry? A sensação de estar com um ídolo de perto...

Foi loucura. Eu cheguei, acabou o jogo lá, tinha feito um bom jogo, foi meu primeiro jogo. Aí cheguei lá, sentei no vestiário, aí eu vi ele lá na quadra arremessando, estava numa videochamada com minha mãe. Aí eu falei: 'Caraca, o Curry tá ali, o Curry tá ali na minha frente, que loucura'. Aí ela: 'O que você tá fazendo na videochamada ainda, vai lá tirar uma foto com ele'. Aí eu falei: 'Ô louco, o cara vai ser meu companheiro de time agora, você é louco, não, deixa fluir, deixa alguém tirar foto nossa junto, aí tenho a foto'. Aí ela: 'Não, não perde oportunidade não, vai lá'. Aí eu tirei a foto com ele, cumprimentei ele lá, conversei um pouco com ele. Eu achei da hora porque, tipo assim, ele sabia meu nome. Cheguei lá e falei: 'Sou um grande fã seu, não sei o quê'. Ele falou: 'Pô, Gui, parabéns, jogou bem hoje, não sei o quê, vai ter bom ter você na nossa equipe e tal'. Aí eu falei pode crer, é nós.

Stephen Curry e Gui Santos no Chase Center, ginásio do Golden State Warriors
foto: Reprodução/Instagram Gui Santos

Stephen Curry e Gui Santos no Chase Center, ginásio do Golden State Warriors

O que você está pensando agora nesse período de duas semanas no Brasil, que logo acaba?

Estou treinando, faço treino em quadra, vou na academia, mas não é aquela coisa pesada. Teve aquela carga pré-Draft, treinos pesados, viagem de um lado, treina com um time, viaja, não dorme direito, teve Summer League. Agora estou em casa dando aquela descansada, de boa, e mais para frente, voltando para lá, volto a pegar firme de novo.

O Oscar Schmidt não jogou na NBA pois tinha uma cláusula que não permitia atuar na NBA. O que você acha disso, sabia?

Sabia, foi até o motivo de ele não ir para a NBA, mas acho que é tudo acertado. Você conversa com o time direitinho, servir a seleção para mim sempre vai ser uma coisa que quero muito, que prezo muito, sonho de moleque meu poder ir para seleção. Não vejo tanto problema, é tudo questão de sentar com o time, falar que tal convocação tem que ir. É só questão de acertar com o time.

Você não é convocado desde meados do ano passado, desde o início da era Gustavo De Conti. Há alguma reaproximação? Você espera?

É uma situação, eu estou pronto. Não foi por mim, não veio de mim a questão da convocação, mas estou pronto, estou trabalhando aqui, sigo trabalhando. Quando acharem que é o momento para me convocar e tudo mais vou estar disposto, à disposição, e é isso.

Gui Santos em ação pela Seleção Brasileira, em novembro de 2020
foto: Thierry Gozzer/Confederação Brasileira de Basketball

Gui Santos em ação pela Seleção Brasileira, em novembro de 2020

Onde você começou a jogar?

Meu primeiro time 5 x 5 foi em São José dos Campos, quando meu pai jogava lá, eu tinha 10 anos e jogava no sub-12. Aí vim para Brasília, joguei um pouco na GG12, a escola do Giovannoni, na CEUB, Lance-Livre, juntava tudo para viajar para jogar, fazia mutirão e jogava os nacionais. Fui para o Minas em 2018. Eu joguei um Brasileiro pelo Vizinhança, numa dessas aí desses juntados. O Minas me viu, gostou, me levou e o resto é história.

Você tem uma história diferente, como sul-americanos e europeus, dos norte-americanos da NBA. O que você acha que isso ajudou para estar na NBA?

Sinceramente, me ajudou muito. Eu jogava com jogadores mais experiente, porque os caras do College são fisicamente sinistros, mas taticamente não muito inteligente dentro de quadra. E essa foi minha principal vantagem, jogava com caras experientes, com passagens pela NBA, como Leandrinho, Alex, treinava com esses caras e via um lado muito melhor. Estou treinando com caras que sabem como funciona, estou um passo à frente, é o que pensava. Força amadurecer mais rápido, e no NBB na primeira temporada os caras não vão te dar tantas faltas fáceis, isso é em qualquer basquete profissional. Na NBA, um novato não ganha faltas fáceis, isso me fez amadurecer, jogar mais firme, ter outra visão de quadra.

Gui Santos em ação com o Warriors na Summer League da NBA
foto: Divulgação/Golden State Warriors

Gui Santos em ação com o Warriors na Summer League da NBA

Você teve esse conversa com o Leandrinho no Minas então?

Com certeza. Ele quem me falou para estudar inglês. Em 2018 eu não falava, aí falei que queria ir para a NBA, uma dica. Ele falou para treinar muito, só chega quem treina muito e quem é muito bom, e para a gente tem que aprender inglês. Se não aprender inglês, vai ser difícil, vai passar sufoco muito maior que não precisa. Eu era novo, 15 para 16 anos. Aí nunca fiz cursinho, comecei a assistir série, filme, monte de coisa em inglês para ir aprendendo, música, e no time tinha três, quatro americanos, só ficava lá, às vezes entendia não nada, mas só para ir desenvolvendo.

O Leandrinho estava como assistente do Warriors, deu dica para a franquia te draftar, e deixou a equipe para ter um cargo de auxiliar no Sacramento Kings. Como você espera a adaptação sem ele no Warriors e como foi a chegada na Califórnia?

O Leandrinho não está mais, mas aproveitei uns dias com ele, perguntei um monte de dúvida, como fazia as coisas. Se tivesse seria mais fácil, mas como não está sou brasileiro, vou dar meu jeito, se os caras que estavam conseguiram eu também consigo. Mas de boa, vou continuar trabalhando para seguir evoluindo. A adaptação é meio complicada, porque o povo americano não é igual Brasil, não é igual brasileiro. Brasileiro é festa, brincadeira toda hora, os caras no vestiário festejando o tempo todo, zoando um com o outro, lá os caras são mais quietões, mais na sua, os caras de fone o tempo todo. Tenho que me adaptar, chego lá de fone, estou sempre em chamada com minha família, pois onde eu me sinto mais confortável, ligo para eles. Chego no treino, faço o que tenho que fazer, janto no Chase Center, faço recuperação, aí vou para casa, hotel onde estou ficando, aí é hotel, treino, ainda não conheci muito a cidade. Mas voltando para lá a gente vai ver, que aí vai ser como vai pegar mesmo.

Você quando chegou lá notou muita diferença do armador, do pivô que estava? Muito diferente do Brasil?

Sim, lá era molecada. Aqui o armador mais novo era o Alexey, não é novinho, já é pai. Lá eram moleques novos, você tem que mudar até a linguagem, mudar a cabeça pela idioma. O comando de troca é troca, já está automático. Lá é automático, mas lá blue é não sei o quê, green não sei o quê. Aqui era mais fácil. Além do idioma, tem essa questão do jogador ser mais experiente e entender mais o jogo.

Na G-League há a mescla de novatos, mais parecido como você viveu.

É, exatamente. Na G-League tem jogadores jovens, mais velhos querendo entrar, então já passei por esse cenário. Já passei por esse cenário, sei bem como funciona, sei o que fazer, por questão do jogo ser diferente. Mas já sei mais ou menos como funciona, para adaptar é mais fácil.

Estar numa franquia que trata bem o jogador draftado te deixa mais tranquilo?

Com certeza, sem dúvida. Curry foi draftado, Thompson, Green, Poole, eles pegaram e desenvolveram. Eu fico tranquilo, estou em boas mãos. Todo mundo que conversei e falei eles falaram que estou no melhor time em desenvolvimento na NBA.

Campeão: fotos do jogo que deu ao Warriors o título da NBA

O Green é até de segundo round, isso também contribui.

Essa questão de round é só entrada, tem muitos que foram lottery que não fizeram metade que o Manu Ginóbili, escolha 57 e vai ter camisa aposentada, multicampeão da NBA, craque, joga demais. Tudo depende de mim, se eu fosse primeira escolha e não treinasse, aí não ia adiantar de nada. Agora acho que é motivo para continuar treinando, não ficar confortável. Cheguei onde queria, agora tem outro patamar, um degrau de cada vez, sem tempo para acomodar.

Sua geração pode ser o diferencial para fazer que o Brasil retome o patamar para pensar em medalha novamente?

Sem dúvida. Tem geração de garotos novos boa, eu, Yago, Didi, Caboclo, Lucas Dias, Georginho, Lucas Mariano, são ótimos. É uma questão de entrosamento, a geração que ficou Leandrinho e Nenê jogaram muito tempo juntos, é isso que vamos fazer, já está passando pelo processo de renovação, a gente vai se adaptando e assim cada vez vai elevando o Brasil, o nível cada vez mais alto.

Você tem acompanhado as movimentações do mercado brasileiro? Quais os times mais fortes no Brasil para você?

Eu estou acompanhando, principalmente do Minas, quem trouxeram no meu lugar, do Gui Deodato. O Franca se manteve, equipe forte, mas é difícil cravar, ninguém falava que a gente ia ser campeão da Super 8, e fomos. Difícil falar, mas os favoritos são Minas, São Paulo, Flamengo, Franca, Bauru, esses times são os que estão vindo forte pelo que estou vendo nas contratações.
 
 

Compartilhe