Copa América

COPA AMÉRICA

Messi marca no segundo tempo, mas Argentina só empata com Paraguai no Mineirão pela Copa América

Argentina somou primeiro ponto, mas segue em situação complicada na Copa América

postado em 19/06/2019 23:29 / atualizado em 20/06/2019 02:24

Não foi um grande jogo, mas o torcedor que pagou caro no ingresso para assistir à Copa América no Mineirão guardará na memória as imagens de um gol de pênalti de Lionel Messi. O único da Seleção Argentina no empate por 1 a 1 com o Paraguai, pelo Grupo B do torneio de seleções. Richard Sánchez, atacante do Santos, foi responsável por abrir o placar do Gigante da Pampulha para os paraguaios.

Como perdeu na estreia por 2 a 0 para a Colômbia, a Argentina ainda precisará lutar pela classificação às quartas de final da Copa América. O time de Lionel Scaloni torcerá contra o Paraguai na última rodada (em duelo contra os reservas da Colômbia) e tentará confirmar um resultado positivo diante do Catar, no próximo domingo, às 16h, na Arena do Grêmio. Caso a combinação de resultados não aconteça, os hermanos ainda poderão chegar às quartas como uma das duas melhores campanhas entre os terceiros colocados. 

Arquibancada com mais gente (e mais quente)

Nas arquibancadas do Mineirão, brasileiros e argentinos fizeram um duelo à parte nesta noite. As músicas que ganharam o mundo durante a Copa do Mundo de 2014 voltaram a ser entoadas com vontade no Mineirão. De um lado, os fãs de Maradona cantavam a tradicional ‘decime qué se siente’. Os mil gols de Pelé serviam como resposta. 

Não só na animação, mas também nos números os torcedores superaram, e muito, o último jogo do torneio de seleções no Mineirão. Se no duelo entre Uruguai e Equador apenas 13.611 pessoas pagaram para entrar no Gigante da Pampulha, a partida entre Argentina e Paraguai registrou 35.265 pagantes. A renda desta quarta-feira também cresceu: de R$ 1.534.535,00 para R.718.370,00.

O jogo

Até os 30’, o quadro de scouts do jogo ilustrava bem a partida entre Argentina e Paraguai no Mineirão: nenhuma finalização, nenhum escanteio. Até esse momento, a disputa acontecia mesmo nas arquibancadas, onde brasileiros e argentinos disputavam quem cantava mais alto. Enquanto os mineiros defendiam Pelé, os fãs de Messi exaltavam Maradona.


Dentro das quatro linhas, o primeiro a assustar foi o Paraguai, que se mostrou muito bem organizado defensivamente, impedindo qualquer infiltração dos adversários. Aos 31’, Derlis Gonzáles  recebeu a bola e partiu para a grande área em velocidade. O atacante do Santos conseguiu finalizar, mas a bola saiu pela linha de fundo. A primeira finalização argentina foi em cobrança de falta. Aos 33, Messi tentou, mas Gatito Fernández defendeu sem muita dificuldade. 

A disciplina tática paraguaia acabou recompensada antes do fim do primeiro tempo. Aos 36’, Almirón partiu em arrancada pelo lado esquerdo, fintou Casco e cruzou para trás, da linha de fundo. Richard Sánchez, sozinho, da risca da grande área, finalizou sem chances para Andrada. 1 a 0. O gol levou o público brasileiro ao delírio. No instante seguinte ao tento, o técnico argentino Lionel Scaloni mandou Di María e Agüero, preteridos da escalação inicial, para o aquecimento.


E foi justamente com o talento do atacante do Manchester City, que voltou na vaga de Pereyra no segundo tempo, que a Argentina ensaiou uma reação mais consistente dentro do jogo. Aos 6’, Aguëro de uma aula de domínio de bola, já na linha de fundo, e tocou para Messi no meio da área. O camisa 10 finalizou, mas Gatito Fernandéz fez importante defesa. Na jogada, porém, a bola desviou no braço do lateral Ivan Píris. Após consulta ao VAR, o árbitro brasileiro Wilton Pereira Sampaio marcou o pênalti aos 11’. Na cobrança, Messi deslocou o goleiro do Botafogo e não decepcionou. 1 a 1. Seis minutos depois, Otamendi quase pôs o bom momento argentino a perder. O ex-zagueiro do Atlético cometeu pênalti para o Paraguai, desperdiçado por Derlis após ótima intervenção de Armani.

Nesse momento, a Argentina já dominava as ações do jogo e conseguia ser mais agressiva diante do um Paraguai retraído. Com linha de marcação avançada, o time de Scaloni dominava a posse de bola e criava chances com a bola passando, especialmente, pelos pés de Aguëro. Assim como a equipe, a torcida cresceu nas arquibancadas e comemorou muito a entrada de Dí María, aos 22’. O ímpeto ofensivo, no entanto, não seguiu o mesmo e o placar acabou inalterado. O resultado complica os hermanos, que precisarão de uma combinação de resultados para garantir o segundo lugar do Grupo B. 




ARGENTINA 1X1 PARAGUAI

Argentina
Andrada, Casco, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, Lo Celso e De Paul (Suárez); Messi, Pereyra (Agüero) e Lautaro Martínez (Di María). Técnico: Lionel Scaloni

Paraguai
Gatito Fernández; Piris, Alonso, Gustavo Gómez e Arzamendia; Richard Sanchez, Rodrigo Rojas, Almirón (Ortiz) e Matías Rojas; Santander (Óscar Romero) e Derlis González (Escobar). Técnico: Eduardo Berizzo

Gols: Richard Sánchez (aos 36’1T) e Messi (aos 11’2T)
Cartões amarelos: Gustavo Gómez, Rodrigo Rojas e Piris (Paraguai); Armani e Tagliafico (Argentina)

Público pagante: 35.265
Público não pagante: 2.753
Renda: R.718.370,00

Motivo: segunda rodada do Grupo B da Copa América
Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data e horário: 19 de junho (quarta-feira), às 21h30
Árbitro: Wilton Sampaio (BRA)
Assistentes: Marcelo Van Gasse (BRA) e Rodrigo Corrêa (BRA)
VAR: Leodán Gonzales (URU)

Tags: argentina paraguai copaamerica messi