UAI

2

Cuca é o maior treinador da história do Atlético? Personalidades opinam

Campeão da Libertadores em 2013, técnico voltou ao Galo em 2021 para encerrar jejum de 50 anos sem título no Campeonato Brasileiro

06/12/2021 06:00 / atualizado em 05/12/2021 23:39
compartilhe
Campeão da Libertadores e do Campeonato Brasileiro, Cuca já é considerado por muitos o maior técnico da história do Atlético
foto: Ramon Lisboa/EM/D. A Press

Campeão da Libertadores e do Campeonato Brasileiro, Cuca já é considerado por muitos o maior técnico da história do Atlético

 
 
Ao longo dos últimos dez anos, Cuca se firmou entre os grandes nomes da história do Atlético. De salvador da pátria em 2011, quando livrou o time de um novo rebaixamento, ao título da Libertadores em 2013, o técnico escreveu diversos capítulos em sua primeira passagem. Em 2021, voltou ao Galo para reafirmar sua hierarquia e encerrar o jejum de 50 anos sem título do Campeonato Brasileiro.

Diante do feito histórico, o Superesportes levantou o questionamento: Cuca é o maior treinador da história do Atlético? Personalidades do esporte e do jornalismo respondem.

O bi na voz da Massa: torcedores do Galo falam sobre a emoção da conquista


 
Humberto Ramos foi campeão brasileiro pelo Atlético em 1971, atuando ao lado de nomes como Dadá Maravilha, Oldair e Vanderlei
foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press

Humberto Ramos foi campeão brasileiro pelo Atlético em 1971, atuando ao lado de nomes como Dadá Maravilha, Oldair e Vanderlei

 

Humberto Ramos


Ex-jogador e ex-treinador do Atlético; campeão brasileiro em 1971

"Eu ainda acho que o Telê foi o maior treinador que o Atlético teve. Não comparando a importância de títulos, porque isso aí não se compara - todos são importantes -, mas naquela ocasião, aquele título com o Telê e o trabalho que o Telê fez no Atlético colocaram o Atlético no cenário nacional. Até então, o Atlético estava fora, totalmente fora. Quem predominava ali era Rio e São Paulo.

O Cuca está fazendo um trabalho brilhante, mas hoje o Atlético tem todas as condições. Sem tirar o mérito dele, é lógico, mas olha a estrutura que o Atlético tem hoje, né? Até em nível de contratação, uma série de coisas. Você compara com a estrutura da época do Telê. Então, eu ainda acho que o Telê foi o maior treinador que o Atlético teve - ou o melhor. Um dos melhores treinadores do Brasil".
 
Fred Melo Paiva é colunista do Estado de Minas e um dos responsáveis pelo documentário
foto: Arquivo pessoal

Fred Melo Paiva é colunista do Estado de Minas e um dos responsáveis pelo documentário "Lutar, Lutar, Lutar - O Filme do Galo"

 
 

Fred Melo Paiva


Colunista do Estado de Minas


"É incontornável o fato de que o Cuca se tornou o maior treinador da nossa história, afinal, ele é o cara que ganhou a Libertadores e o Brasileiro depois de cinquenta anos. Eu só faço uma ressalva: esses são dois dos times de maior investimento do clube, enquanto que o time de 1971, do Telê - eu acho que ele é o único que rivaliza com o Cuca, era um time desacreditado e que tinha dois craques inquestionáveis, que eram Humberto Ramos e Oldair. Talvez o trabalho do técnico, no caso do Telê, tenha mais brilho nesse sentido. 

É difícil você apontar tanto o time de 1971 como o de 1987, que disputou a Copa União, e falar: 'Esse é o melhor time do Brasil'. E o time de 1971 foi campeão, e em 1987 o Atlético foi, sem dúvidas, o melhor time do Brasil. Então, eu faço essa ressalva. Agora, dadas as circunstâncias, a qualidade do título conquistado e a simbologia que tem esse Brasileiro, o Cuca é o maior treinador do Atlético sim. Mas, como eu disse, acho que é importante que se façam essas ressalvas". 

 
Como jogador do Atlético, Renaldo foi artilheiro do Brasileirão de 1996. Na campanha do bi, compareceu como torcedor à vitória do Galo por 1 a 0 diante do Athletico-PR, na Arena da Baixada
foto: Reprodução/Premiere

Como jogador do Atlético, Renaldo foi artilheiro do Brasileirão de 1996. Na campanha do bi, compareceu como torcedor à vitória do Galo por 1 a 0 diante do Athletico-PR, na Arena da Baixada

 
 

Renaldo


Ex-atacante do Atlético


"O Cuca já foi campeão da Libertadores e do Campeonato Brasileiro com o Atlético. Ele é o responsável pelos dois títulos mais importantes da história do clube. Cinquenta anos esperando um Campeonato Brasileiro. Demorou muitos anos para ganhar a Libertadores, e o Cuca conquistou. Ao meu ver, o Cuca hoje é o maior treinador da história do Atlético. Com certeza".
 
Fael Lima é representante do Atlético na bancada do Alterosa Esporte e responsável pelo portal atleticano Camisa Doze
foto: Reprodução/Camisa Doze

Fael Lima é representante do Atlético na bancada do Alterosa Esporte e responsável pelo portal atleticano Camisa Doze

 
 

Fael Lima


Representante do Atlético na bancada do Alterosa Esporte

 
"É difícil analisar o trabalho de quem a gente não viu. Alguns, como eu, não puderam ver o trabalho do Telê Santana, alguns não viram o trabalho do Yustrich, alguns não viram treinadores das décadas de 30 e 40 e por aí vai. Então, a gente faz um comparativo mais ou menos de 1971 para cá, da época do Campeonato Brasileiro. Eu costumo fazer um graficozinho do que mede o maior de todos os tempos, seja um atleta ou treinador.

Pode ser número de jogos, número de títulos, identificação com o clube... Se trabalhou na fase boa, mas trabalhou na fase ruim também, de repente evitou alguma catástrofe. E o Cuca atende vários desses parâmetros, além de ser um cara muito identificado com o clube. Quando ele deixou o Atlético, a torcida demonstrava muito carinho quando ele visitava o estádio. É um cara que sempre falou muito da torcida e a torcida falou muito dele. 

Ele chegou aqui evitando a tragédia que seria o segundo rebaixamento do Atlético, em 2011, que estava garantido. O Cuca montou um time em 2012 que foi campeão mineiro e vice-campeão brasileiro, e que levou a gente para a Libertadores; montou aquele time que foi campeão da Libertadores e campeão mineiro em 2013; e montou a base do time que foi campeão da Copa Brasil de 2014. 

Aqui a gente já falou de um treinador que evitou o rebaixamento, foi campeão estadual mais de uma vez e agora tem três conquistas, foi campeão da Copa Libertadores da América, montou a base do time campeão da Recopa e da Copa do Brasil e que tem uma identificação grande com o clube. Aí ele volta depois, dessa vez com um grande time já formado, que não precisa que ele pince tantas peças no mercado, mas traz o Nathan Silva, faz algumas peças que não vinham bem com o Sampaoli jogarem bem, controla um vestiário recheado de estrelas, segura a ansiedade do elenco pra entender que cada jogo é um jogo, segura a ansiedade da torcida, apanha pra caramba da torcida na volta ao clube, de movimentos que não queriam ele aqui, e mesmo assim ele supera tudo isso. 

O Cuca é sim um gigante enorme e está no patamar de Telê Santana, Procópio Cardoso, Levir Culpi, Yustrich, entre outros. Mas, para mim, eu que não vi Telê Santana e outros treinadores, o Cuca já é o maior treinador da história. Ele é campeão brasileiro e tem chance de conquistar mais uma Copa do Brasil, e tenho certeza que ele será o treinador do Galo por muito tempo, inclusive na Arena MRV. O maior treinador de todos os tempos do Atlético estará na Arena MRV". 

 
Belmiro é o funcionário mais antigo do Atlético, onde trabalha como massagista há 53 anos
foto: Bruno Cantini/Atlético

Belmiro é o funcionário mais antigo do Atlético, onde trabalha como massagista há 53 anos

 
 

Belmiro


Massagista do Atlético e bicampeão brasileiro em 1971 e 2021


"Olha, tem o Telê, que foi o primeiro, mas o Cuca ganhou a Libertadores e o Campeonato Brasileiro. Ele vai se tornar o maior. Mas acho que o Telê ainda fica perto, já que ele ganhou um Campeonato Brasileiro e o Cuca ganhou outro".  

 

Elenco do Atlético no Brasileiro 2021

 
 
Mário Marra é jornalista esportivo e trabalha como comentarista nos canais do Grupo Disney
foto: Reprodução

Mário Marra é jornalista esportivo e trabalha como comentarista nos canais do Grupo Disney

 
 

Mário Marra


Comentarista do Grupo Disney


"Eu acho muito difícil esse tipo de comparação, porque são tempos completamente diferentes. Se a gente olha no universo do futebol, o Telê é maior.  Mesmo não tendo vencido a Copa de 1982, o Telê voltou à Copa do Mundo de 1986 e construiu uma legião de fãs do seu futebol. O Guardiola e outros grandes técnicos já falaram sobre o que foi aquela seleção. E eu ainda não falei do Atlético. Olha o que era o futebol brasileiro em 1971, no ano da conquista. Os caras tinham sido campeões do mundo jogando o que jogaram em 1970 e estavam todos aqui no Brasil. Pelé, Jairzinho, Gerson, Tostão, Piazza, Paulo César, Clodoaldo... Esses caras jogavam no futebol brasileiro e o Atlético foi campeão brasileiro de 1971. 

Então, eu fico incomodado apenas assim de tirar o mérito do que aconteceu no passado. Agora, quando a gente olha para uma conquista de Libertadores e uma conquista de Campeonato Brasileiro na era econômica, aí é fantástico. É uma era que, sim, os principais jogadores do Brasil não estão jogando aqui, mas o futebol brasileiro tem alguns clubes com muito poder econômico e que conseguem fazer grandes contratações. Hoje o Atlético está nesse páreo, mas chegou atrasado em relação a Palmeiras e Flamengo. É fantástico entrar nessa disputa, é fantástico estar junto deles, é fantástico campeão com calendário insano pós pandemia. É incrível, mas eu confesso que fico incomodado. 

Se eu fosse não construir cenário eu te responderia seco: Cuca é o principal técnico da história do Atlético. Construindo cenário, eu repito: o Cuca é. Mas eu confesso que fico incomodado e acho que o Telê está muito perto disso também".
 
Danival realizou 300 jogos com a camisa do Atlético, por onde atuou em diversas temporadas ao longo dos anos 70
foto: Arquivo pessoal

Danival realizou 300 jogos com a camisa do Atlético, por onde atuou em diversas temporadas ao longo dos anos 70

 

Danival 


Ex-jogador do Atlético 

"Cuca é um baita treinador, e tive oportunidade de jogar contra ele no Sul. É um técnico muito inteligente e, além de ter jogado, tem o grupo na mão. Vemos a capacidade dele dentro e fora de campo com os atletas, mas Barbatana e Telê Santana, no meu ponto de vista, deixaram um legado muito grande dentro do Atlético.

Barbatana, na minha época, promoveu 12 jogadores ao profissional. Aí, no ano seguinte, na época de Cerezo e Paulo Isidoro, conseguiu promover mais 14. Quando fomos promovidos, o treinador era o Telê, que pegou a base praticamente formada. Hoje, é difícil pegar jogadores da base com bom domínio de bola e bom cabeceio. Com Barbatana, aprendemos tudo isso. Chegamos (ao profissional) prontos. Telê só colocou a gente para jogar. 

Ele não tinha medo. Telê não olhava a idade. Reinaldo jogou com ele de 16 para 17 anos. Fico com o Telê, por causa da disciplina. Ele se preocupava muito com os jogadores da base que estavam no profissional, e cobrava muito da gente".
 
Jornalista esportiva, Kelen Cristina é editora no jornal Estado de Minas e no portal Superesportes
foto: Arquivo pessoal

Jornalista esportiva, Kelen Cristina é editora no jornal Estado de Minas e no portal Superesportes

 

Kelen Cristina


Colunista e subeditora no Superesportes/Estado de Minas


"Na memória afetiva do torcedor atleticano, o Telê Santana tem um lugar muito especial, porque ele comandou um time que deu o primeiro título brasileiro do Atlético. E depois ainda teve 1987, com aquela Copa União em que o Atlético encantou. Aí veio o Cuca e, de alguma forma, é ele quem apaga algumas das maiores frustrações da torcida. Primeiro com aquela conquista da Libertadores, que projetou o Atlético internacionalmente, principalmente, mas que mudou o clube de patamar inclusive no cenário nacional. Aquele time foi também a base da equipe campeã da Copa do Brasil com o Levir Culpi. Era uma herança muito presente do Cuca em um título que significou uma afirmação para o Atlético, enquanto clube, e também para a torcida. 

Isso tudo já influencia algumas análises. Aí, o Cuca retorna em 2021 e é ele o comandante do Atlético na conquista do Campeonato Brasileiro, que era a obsessão da torcida. Nesse contexto, é muito difícil tirar dele esse posto, de maior técnico do Galo. Há uma questão muito forte, que é o peso de um título expressivo como carimbo da carreira de um técnico. 

Nenhum treinatdor conseguiu o que o Cuca conseguiu, mas, ao mesmo tempo, existe uma parcela da torcida que ainda tem esse lado sentimental aflorado, que deixa o Telê numa prateleira no alto também. Talvez, seja um duelo entre a razão e a emoção. Fato é que o Atlético está muito bem servido com esses dois no topo. 

 
foto: Eduardo Murta é editor do jornal Estado de Minas

 

Eduardo Murta


Subeditor no Estado de Minas


"Vamos falar de Cuca e Telê. Não é uma discussão muito fácil não. A gente tem que ver tudo isso sob várias perspectivas. Se você pensa numa perspectiva, por exemplo, de comparar o trabalho do Telê com o trabalho do Cuca no Atlético, é possível a gente dizer que o Cuca foi um técnico mais bem-sucedido. Por causa disso, ele pode sim ser considerado o maior técnico da história do Atlético. É bom a gente fazer esse recorte.

Mas mesmo fazendo esse recorte, acho que existe uma coisa importantíssima para a gente frisar, que são os contextos históricos. Quando você pega a maior conquista do Telê no Atlético, você percebe que o Atlético, comparado com os outros times da época, teve que fazer mágica, porque enfrentava verdadeiras academias. Enfrentava o Cruzeiro de Tostão e Dirceu Lopes, o Palmeiras de Ademir da Guia, o Santos de Pelé, o Botafogo de Jairzinho, o São Paulo de Gerson. Então, era preciso de fato fazer mágica para você conseguir ser vitorioso num período desses com o time como o que o Atlético montou em 1971 - comparado com as outras equipes, você pode literalmente dizer que era um time sem estrelas. Embora você tivesse jogadores excepcionais.

Uma outra avaliação, pegando a perspectiva de conquistas do Telê com o Atlético e conquistas do Cuca - também considerando contextos -, o Cuca, incomparavelmente, tem títulos mais representativos e até mais do que o Telê. O Telê tem o Mineiro de 70 e o de 88, mais o Brasileiro. O Cuca vai ter o Mineiro de 2012, 2013, 2021. Soma-se a isso Libertadores, Campeonato Brasileiro e pode chegar também a conquistar a Copa do Brasil. É bom frisar isso sempre dentro de uma perspectiva se tratando de Atlético.

Em se tratando de carreira, o Telê Santana é um treinador infinitamente superior ao Cuca. Porque poxa, o Telê tem duas Libertadores, dois Mundiais, duas Recopas, ainda que tenha, além do Brasileiro de 71, o Brasileiro de 91 com o São Paulo. O Cuca chega também ao seu segundo Brasileiro.

Agora, é importante no caso do Cuca a gente lembrar como ele evoluiu. O Cuca de 2013, comparado ao Cuca de 2021 - embora com times completamente distintos -, é possível perceber a capacidade dele de leitura tática e, sobretudo, a capacidade de mudança de esquema durante o jogo, no intervalo. Mudanças de peças que acabam transformando um jogo muito difícil em uma vitória do Atlético. Como se viu várias vezes ao longo desse Campeonato Brasileiro.

Respondendo, mais uma vez: entre Cuca e Telê, o Cuca pode sim ser considerado o maior treinador do Atlético. Mas, do ponto de vista de comparação de carreiras, Telê sim era um técnico superior ao Cuca por todas as suas conquistas e também pela forma como encantou o mundo com seus times e com a Seleção Brasileira".
 

Léo Bertozzi é jornalista esportivo e comentarista nos canais do Grupo Disney
foto: Reprodução/Twitter

Léo Bertozzi é jornalista esportivo e comentarista nos canais do Grupo Disney

 

Léo Bertozzi


Comentarista do Grupo Disney


"Sobre o Cuca: indiscutivelmente, o mais vitorioso, porque duas das maiores conquistas do clube têm a assinatura dele. Duas ou três, né? A Copa do Brasil também como uma possibilidade. Em duas passagens diferentes, então isso coloca nessa questão de mais vitorioso, sem dúvida.

O maior em absoluto, eu acho que a gente tem que olhar diferentes contextos históricos. O Atlético tem outros grandes treinadores que devem ser reverenciados e respeitados também como os maiores. A gente não pode não falar de Telê Santana, não só por 71, mas o outro trabalho que ele fez ali em 87, 88 - principalmente 87. Eu acho brilhante! Um time sem grandes estrelas e é um dos maiores times da história do Atlético. Isso tem que ser lembrado também.

Assim como o Barbatana, que a gente tem que lembrar também, como técnico de um time histórico, que talvez pode não ter ganhado as conquistas nacionais e internacionais que até mereceria, mas é um dos times mais importantes da história do Atlético - revelou Reinaldo, não podemos esquecer também.

E Levir, para mim. Múltiplas passagens, quase sempre com muita dedicação, muita entrega, muita identificação, muito carinho também pelo clube. Acho que isso não pode ser esquecido. Mas, certamente, o mais vitorioso é o Cuca. Isso é indiscutível".


Todos os jogos da campanha de 2021






Compartilhe
DEPLOY_APP_TESTE [an error occurred while processing this directive] 2 2