UAI

2

Salum fala sobre dificuldades do América no mercado e rechaça crise

Dirigente afirmou que ainda busca qualificar o elenco, mas pretende ser certeiro nas contratações

15/06/2021 09:43 / atualizado em 15/06/2021 10:15
compartilhe
Salum disse que sequência negativa de resultados 'não é o fim de mundo'
foto: Mourão Panda/América

Salum disse que sequência negativa de resultados 'não é o fim de mundo'

O coordenador de futebol clube-empresa do América, Marcus Salum, falou sobre a dificuldade do clube no mercado da bola e rechaçou uma possível crise pela sequência negativa de resultados. Segundo o dirigente, o Coelho está tentando contratar jogadores de mais ‘peso’, mas depende de outros fatores. 

Após o pedido de demissão do técnico Lisca nessa segunda-feira, se tornou ainda mais importante para a equipe contratar reforços que cheguem para jogar. Salum afirma que está trabalhando para isso e explicou o por quê da demora nesse aspecto. 

“O América qualificou o grupo com muitos jogadores, e esses jogadores já vieram para reforçar nosso plantel. O que eu tenho dito reiteradamente - e não é por falta de vontade, e sim por dificuldade de mercado - é que ainda temos de qualificar o grupo com dois ou três jogadores em um nível que a gente considera necessário. O próprio Lisca sabe disso, temos reuniões quase que semanais sobre isso, mas o mercado está difícil e nós não queremos trazer jogadores que não venham para ser titulares, que não possam contribuir e que tenham que disputar posição. Por esse motivo, esses nomes ainda não vieram. Não tem nada a ver com a questão financeira. Nós temos a vontade de trazer e estamos prospectando o mercado para trazer bons jogadores”, disse em entrevista coletiva da saída de Lisca. 

Na atual temporada, o América contratou 12 jogadores: os zagueiros Ricardo Silva e Lucas Kal, os laterais Eduardo, Marlon e Alan Ruschel, os meio-campistas Juninho Valoura e Ramon, e os atacantes Luiz Fernando, Yan Sasse, Leandro Carvalho, Bruno Nazário e Ribamar. No entanto, com exceção de Marlon, Nazário e Ribamar, nenhum deles teve muito tempo de jogo. 

O dirigente citou a vontade dos jogadores e os salários como fatores importantes para reforçar o elenco. Ele ainda ressaltou a dificuldade de clubes que sobem para a elite nacional.

“Todo time que vem da Série B tem essa dificuldade. O time vem com orçamento menor, ele vem com o plantel que subiu o time e a gente vai qualificando. Às vezes tem um sonho assim que vai trazer esse ou aquele. Não é assim. Não é fácil, tem que ser condizente (com a realidade do clube) o salário, ele tem que querer vir. Então, a gente está trabalhando essas soluções para que a gente possa dar essa grande notícia ao América”, explicou Salum. 

O América está sem técnico, vem de sete jogos sem vencer, sendo três pelo Campeonato Brasileiro, além de uma eliminação precoce para o Criciúma na terceira fase da Copa do Brasil. No entanto, Salum descarta uma possível crise e afirma que ‘não é o fim do mundo’. 

“Gente, não esqueça que só tem três rodadas. E nós jogamos contra Flamengo, Corinthians e Athletico do Paraná na Baixada. Então, não é o fim do mundo não. Logicamente que nós estamos com um problema. Mas não é assim também não”, finalizou.

O Coelho tenta a primeira vitória na Série A na quinta-feira, às 16h, contra o Cuiabá, no Independência.


Compartilhe