Atlético

ATLÉTICO

Atlético: diretor quer busca silenciosa e diz que ainda não procurou Renato

Rodrigo Caetano preferiu não falar em nomes de possíveis substitutos de Jorge Sampaoli e justificou nota do clube que desmente interesse em Guto Ferreira

postado em 23/02/2021 11:10 / atualizado em 23/02/2021 13:08

(Foto: Lucas Uebel/Grêmio)
Só após a saída de Jorge Sampaoli ser confirmada é que o Atlético, publicamente, admitiu a procura por um novo treinador. Internamente, porém, os responsáveis por administrar o clube já previam a ida do argentino ao Olympique de Marseille, da França. Por isso, iniciaram um debate sobre quem deve ser o próximo comandante alvinegro. E o nome mais cotado é o de Renato Gaúcho, que está em fim de contrato com o Grêmio.

Em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira - dia seguinte ao anúncio de que Sampaoli não permaneceria na Cidade do Galo -, o diretor de futebol Rodrigo Caetano manteve a já tradicional postura de não falar publicamente sobre possíveis contratações. Questionado se já houve contato com o comandante gremista, o dirigente do Atlético negou.

“Não seria nem ético. A partir de ontem (segunda-feira) à noite, nós estamos discutindo internamente com as pessoas que já citei aqui tantas vezes - o presidente e os integrantes do órgão colegiado - para traçar um perfil, possibilidades. E aí, sim, é o meu papel ir ao mercado e conversar com as pessoas, com os representantes dos técnicos. Mas eu posso dizer que vou intensificar isso a partir de hoje (terça)”, garantiu.


Renato Gaúcho tem contrato com o Grêmio até o dia 7 de março, data do jogo de volta da final da Copa do Brasil contra o Palmeiras, no Allianz Parque. A diretoria tricolor pretende mantê-lo por mais uma temporada, mas as negociações ainda não tiveram um desfecho.

A princípio, não é um problema para o Atlético esperar Renato até a decisão do torneio mata-mata. Como a participação na fase de grupos da Copa Libertadores só começa na segunda quinzena de abril, o clube entende que não precisa de pressa na definição do novo comandante.

“Nós vamos ter a calma, sem ser lentos, dentro de uma rapidez, sem ser de forma apressada, para a escolha do novo comandante”, pontuou Rodrigo Caetano.

Outros nomes


(Foto: Pedro Souza/Atlético)

Antes mesmo da saída de Sampaoli, outros possíveis substitutos foram especulados. Porém, apenas o de Guto Ferreira, do Ceará, foi desmentido publicamente pelo Atlético. Na noite dessa quinta-feira, o clube publicou uma nota em que nega ter entrado em contato com o treinador (leia ao fim desta matéria) por meio de representantes do órgão colegiado.

Nomes como os de Cuca (de saída do Santos), do português Leonardo Jardim (sem clube) e do próprio Renato Gaúcho não foram desmentidos da mesma forma pelo Atlético. Significa dizer, então, que eles estão entre os cotados pela diretoria? Questionado, Rodrigo Caetano não confirmou e nem negou, mas explicou os motivos de a nota sobre Guto Ferreira ter sido publicada.

“É porque teve uma questão de timing, tá? Somente por isso. [A reportagem] Disse que houve um contato com o estafe do treinador, o representante do treinador, e que houve um contato por representantes do órgão colegiado. Então, a nota explicativa foi nesse sentido. Naquele momento, nós temos treinador. E quando você acaba definindo como algum outro representante que não seja oficial, seja do órgão colegiado ou do presidente do clube, Sérgio Coelho, esse ruído nós não podemos permitir”, iniciou.


“Enquanto eu aqui estiver como profissional do clube, que representa o presidente, a instituição no mercado - seja para atletas ou nesse caso específico, desde ontem no final da tarde, para treinadores também... E foi nesse sentido. Absolutamente em relação a treinador A, B ou C. O Guto Ferreira é uma pessoa que conheço, um grande técnico, mas o fato foi esse. O fato é que foi afirmado que houve uma procura - e uma procura por alguém que não tem essa legitimidade. A intenção foi só esclarecer nesse sentido. Nada mais do que isso”, prosseguiu.

Sobre Leonardo Jardim, Cuca e Renato Gaúcho, o dirigente adotou o silêncio. Assim como faz na busca por jogadores, Caetano disse que só falará publicamente a respeito do novo treinador quando ele efetivamente estiver contratado.

“Os nomes vão surgir dos mais diversos. Volto a dizer - e aproveito até a pergunta - para deixar muito claro e até pedir a compreensão de vocês (jornalistas). Nós não vamos, a partir de agora, ficar negando ou excluindo, ‘quem sabe’, ‘talvez’, ‘pode ser’, porque senão a gente não vai conseguir ter foco naquilo que é o mais importante, que é a discussão sobre quem virá”, pontuou.

“Sei que existe o trabalho de vocês (jornalistas). Vocês são comunicadores do nosso torcedor. Então, é importante que o nosso torcedor saiba o que vem acontecendo. Mas não adianta de nada ficar falando sobre algo que não temos ainda. Assim como é com os jogadores, queremos fazer com o treinador: no momento em que tivermos algo concreto, realmente definido, vamos ter o imenso prazer de comunicar ao nosso torcedor, através de vocês. Podem ter certeza disso”, finalizou.


Nota do Atlético sobre Guto Ferreira


O Clube Atlético Mineiro informa que não procedem as informações veiculadas nesta segunda-feira, pelo site Globoesporte.com, dando conta de suposto interesse do clube pelo técnico Guto Ferreira.

Segundo a reportagem, um empresário do mercado da bola teria sido contactado por representantes do colegiado que participa da administração do Atlético. A informação não é verdadeira e se presta a atender outros interesses, que não o de informar corretamente à torcida atleticana e à sociedade em geral.

O Clube Atlético Mineiro aproveita o ensejo para ratificar que a única pessoa autorizada pela instituição a tratar de assuntos profissionais com jogadores, técnicos e empresários é o diretor de futebol, Rodrigo Caetano.

Por fim, a diretoria do Galo afirma que vai responder com firmeza informações inverídicas, em respeito à transparência e ao nosso torcedor.

Tags: galo atleticomg interiormg futnacional rodrigo caetano seriea mercadobola