UAI

2

Galo diz ser contrário à possibilidade de restrição de público no Estadual

Uma das medidas para conter o avanço da Ômicron seria a redução de público nos estádios, com liberação de apenas 30% da capacidade total

19/01/2022 09:20 / atualizado em 19/01/2022 09:46
compartilhe
Galo quer estádio com 100% da capacidade no Campeonato Mineiro
foto: Pedro Souza / Atlético

Galo quer estádio com 100% da capacidade no Campeonato Mineiro



O Atlético divulgou nota, nesta quarta-feira (19), informando ser contrário à possibilidade de restrição de público em jogos do Campeonato Mineiro, medida essa estudada pelos órgãos de saúde pública para conter o avanço da variante Ômicron da COVID-19 no estado.

Uma reunião entre o governo estadual e a Federação Mineira de Futebol (FMF) está agendada para esta quarta, quando será discutido protocolo de segurança para conter a propagação do novo vírus. Segundo apurou o Superesportes, uma das intenções é a redução de público nos estádios, com liberação de apenas 30% da capacidade total. 

Para o Atlético, "iniciativa nessa linha seria completamente injustificada porque o futebol não pode ser tratado de forma diferente das demais atividades. O momento exige cuidado, o que não pode ser confundido com atitudes demagógicas".

"O acesso aos estádios é permitido somente para pessoas plenamente vacinadas ou com teste negativo para Covid, realizado no período de 72 horas que antecede as partidas. Portanto, o ambiente do futebol é muito mais controlado que outros que funcionam normalmente, como transporte público, feiras, shoppings, transporte aéreo, restaurantes, cinemas, hotéis e eventos, entre outros", completou o clube, em nota.

Desde o fim do ano passado, estádios como Mineirão e Independência podem receber 100% da capacidade total. Com o agravamento da pandemia, para evitar grandes aglomerações, o governo estadual deverá propor a redução em 70%. Assim, o Mineiro teria início com liberação de 30% da carga máxima de torcedores.

Veja todos os jogadores que iniciam a pré-temporada do Atlético



A reunião desta quarta-feira, na sede do governo, na Cidade Administrativa, terá a presença do secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, e do presidente da FMF, Adriano Aro. As partes não confirmaram à reportagem eventual redução de público, mas adiantaram que serão discutidas medidas de segurança em meio ao avanço da Ômicron no estado.

Na semana passada, o próprio chefe da pasta da Saúde em Minas adiantou que se reuniria com a cúpula da FMF para definir novas medidas de segurança. O Estadual começa na terça-feira, dia 25, com o confronto entre Caldense e América, às 17h, no Ronaldão, em Poços de Caldas. Na quarta-feira, 26, cinco partidas completarão a primeira rodada. Até então, a presença de público é permitida conforme protocolos de cada cidade que recebe o jogo, mas o governo monitora a situação e pode recomendar a liberação de no máximo 30% da capacidade total das arenas.

Confira a nota do Atlético


Sobre as notícias veiculadas na mídia, a respeito de eventual restrição de público nos estádios de nosso estado, durante os jogos do Campeonato Mineiro, o Atlético afirma ser absolutamente contrário a qualquer medida nesse sentido.

Iniciativa nessa linha seria completamente injustificada porque o futebol não pode ser tratado de forma diferente das demais atividades. O momento exige cuidado, o que não pode ser confundido com atitudes demagógicas.

O acesso aos estádios é permitido somente para pessoas plenamente vacinadas ou com teste negativo para Covid, realizado no período de 72 horas que antecede as partidas. Portanto, o ambiente do futebol é muito mais controlado que outros que funcionam normalmente, como transporte público, feiras, shoppings, transporte aéreo, restaurantes, cinemas, hotéis e eventos, entre outros.

Além disso, o aumento momentâneo do número de casos de Covid refere-se a uma variante mais branda do vírus, que ocasiona, na quase totalidade dos casos, somente sintomas leves de gripe.

É preciso considerar que eventual restrição de público nos estádios de Minas Gerais seria um desrespeito aos torcedores e causaria sério impacto para os clubes mineiros, que iniciam, na próxima semana, a disputa do campeonato estadual.

Compartilhe