UAI

2

Atlético contrata empresas para conduzir negociação sobre a SAF

A presidência do Galo destacou que, quando estiver em posse de eventuais propostas, elas serão submetidas ao Conselho Deliberativo para aprovação

30/06/2022 11:44 / atualizado em 30/06/2022 12:32
compartilhe
Atlético pretende migrar para o modelo SAF
foto: Atlético / Divulgação

Atlético pretende migrar para o modelo SAF

O Atlético contratou as empresas EY e BTG Pactual para conduzir as tratativas relacionadas à Sociedade Anônima do Futebol (SAF). Em documento assinado pelo presidente Sérgio Coelho e pelo vice José Murilo Procópio, o Galo diz que há interesse de investidores no negócio.
"A referida contratação se fez necessária devido à relevância e ao tamanho do Galo e, também, ao crescente interesse de investidores nacionais e internacionais", disse o clube no documento divulgado pelo portal 'Fala Galo' e confirmado pelo Superesportes.

"Caberá aos assessores conduzirem as conversas com todos os interessados, a fim de selecionar àquelas que sejam mais interessantes economicamente e que tragam maior ganho estratégico para a instituição", destacou.

No documento, a presidência do Atlético ainda destaca que, quando estiver em posse de eventuais propostas, elas serão submetidas ao Conselho Deliberativo para aprovação.

A informação da contratação das empresas foi divulgada pela rádio Itatiaia e confirmada pela reportagem.

Em abril deste ano, a diretoria executiva apresentou aos conselheiros o modelo SAF. A migração para o clube-empresa deve passar por votação no Conselho Deliberativo.

Ofício no qual a diretoria confirma a contratação das empresas

Ofício no qual a diretoria confirma a contratação das empresas


Modelo diferente do adotado pelo Cruzeiro


A SAF alvinegra é defendida pelo principal mecenas do Atlético, o empresário Rubens Menin. Em entrevista à ESPN em maio deste ano, ele disse que o modelo seguido seria diferente do que o Cruzeiro adotou.

Uniformes do Atlético feitos pela Le Coq



"Nós estamos estudando um caminho de vender só o elenco, a marca, e deixar fora da SAF o patrimônio, que seria a Arena MRV e o centro de treinamento. Tem um modelo. Evidente que a SAF vale menos, mas ficamos com o patrimônio do outro lado. Também acho que não venderíamos - igual a outros clubes - 80%, 90%. O Atlético não quer fazer isso, quer preservar a associação. Isso está sendo modelado, não está definido", explicou. 

"O Atlético tem uma arena que vai ficar pronta, que vale R$ 1 bilhão no mínimo, 50% de um shopping, que vale R$ 300 milhões, um centro de treinamento, o melhor do Brasil, que vale R$ 300 milhões. Só aí já falei de R$ 1,6 milhão, nenhum clube tem isso. Esse é o primeiro momento. O Atlético tem um plantel que, na nossa avaliação, vale de R$ 800 milhões a R$ 1 bilhão", avaliou o mecenas.

Compartilhe