Cruzeiro: Ramon comenta detalhes da reunião com diretoria sobre salários

Zagueiro também mantém as esperanças quanto à briga pelo acesso

20/10/2021 16:30 / atualizado em 20/10/2021 19:39
compartilhe
Ramon disse que jogadores tiveram boa reunião com a diretoria
foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Ramon disse que jogadores tiveram boa reunião com a diretoria


O zagueiro Ramon comentou detalhes da reunião dos jogadores do Cruzeiro com a direção para tratar sobre salários atrasados. Segundo ele, os dirigentes afirmaram que estão correndo “o mais rápido possível” atrás de recursos que viabilizem o pagamento ainda esta semana. O presidente Sérgio Santos Rodrigues buscou socorro financeiro junto a empresários como Pedro Lourenço, do Supermercados BH, Régis Campos, da construtora Emccamp, e Paulo Henrique Pentagna Guimarães, do banco BS2. O objetivo era captar R$9 milhões e regularizar as principais pendências nas Tocas da Raposa I e II.


“A gente teve uma reunião com a diretoria. Foi uma reunião muito boa por sinal. Eles passaram que estão correndo atrás o mais rápido possível para resolver as questões salariais de todo mundo. Acredito que esta semana deve aparecer alguma coisa pela conversa que tivemos. Foi uma conversa muito boa”.

Ao mesmo tempo em que aguarda novidades quanto ao pagamento das remunerações pendentes, o elenco cruzeirense foca no confronto com o Avaí, às 21h30 de sexta-feira, no estádio da Ressacada, em Florianópolis, pela 31ª rodada da Série B. Ramon confia na vitória para manter viva a chance de acesso à elite do Campeonato Brasileiro.

“A gente tem que estar focado também no nosso trabalho aqui. Sexta-feira tem um jogo muito importante no qual teremos que estar ligados e concentrados. Temos uma pequena chance ainda e vamos lutar para conseguir (o acesso)”, disse.

“A gente acredita sim no objetivo que foi traçado desde o início. Existe uma pequena chance e é nela que a gente se apega para lutar jogo a jogo, ponto a ponto, para que a gente consiga chegar lá na frente com chances de buscar o objetivo final”, complementou o camisa 4, que formará dupla com Eduardo Brock.

Em 12º na Série B, com 39 pontos, o Cruzeiro chegará pela primeira vez à metade de cima da classificação, em 10º, caso ganhe do Avaí em Florianópolis. Ainda assim, a probabilidade de acesso continuará reduzida, visto que o time catarinense, atual quarto colocado, soma 50 pontos.

A campanha celeste no campeonato é prejudicada principalmente pelo excesso de empates - 15 em 30 rodadas. Se tivesse vencido ao menos quatro dessas duelos, a Raposa estaria com 48 pontos, na sexta posição, e dependeria apenas de si para regressar à Primeira Divisão Nacional.

 

“É mais um ano que a gente passa na dificuldade. Pude estar no ano passado e neste ano, e vimos a dificuldade que é a Série B. Foi conversado antes do começo da Série B tudo que poderíamos passar dentro do campeonato”, analisou Ramon, ao ser questionado sobre as razões para a campanha abaixo das expectativas do time.

“Acredito que procuramos fazer nosso melhor dentro dos jogos, porém os resultados não estavam vindo. Estávamos fazendo bons jogos, mas sabemos que o futebol tem dessas, quando você joga bem e o resultado não vem. Prova disso foi o último jogo, em que a gente pôde ter aspectos defensivos e ofensivos muito bem contra o Botafogo, mas a vitória não veio”, complementou.

Sem jogar a toalha com relação à luta pela promoção à Série A, Ramon destacou que o Cruzeiro precisa trabalhar para começar 2022 com ótimo desempenho técnico e grandes resultados. Na opinião dele, só assim o clube tem condições de voltar a ser forte e honrar a tradição de tetracampeão brasileiro, hexa da Copa do Brasil e bi da Libertadores.

“A gente tem que acreditar que ainda temos chance. Se conseguirmos a vitória na sexta-feira, daremos um passo a mais para que o objetivo fique perto. Vamos lutar até o fim para que isso aconteça. No ano que vem, o professor Luxemburgo está conversando para que a gente comece bem. Quando começamos bem, tem tudo para terminar bem. Tenho certeza que o Cruzeiro vai voltar firme e forte para ser como era antes”.

Compartilhe