CAMPEONATO MINEIRO

Cruzeiro x América: clássico pelo Mineiro pode servir de teste para Série B do Brasileiro

Raposa e Coelho usam estadual como laboratório visando à segunda divisão

postado em 06/02/2020 07:30 / atualizado em 06/02/2020 02:48

(Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro e Daniel Hott/América)
Invictos no Campeonato Mineiro, Cruzeiro e América se enfrentam neste domingo, às 16h, no Mineirão, pela quinta rodada da competição. Com nove pontos, o time celeste é líder isolado, enquanto o Coelho, que soma sete, aparece em terceiro lugar. Além de interferir na classificação do estadual, o clássico servirá de teste visando à Série B do Campeonato Brasileiro, na qual ambos lutarão, de maio a novembro, pelo acesso à primeira divisão nacional.

Neste início de temporada, os clubes têm aproveitado jovens formados nas categorias de base. No Cruzeiro, quem vem se destacando é o meia Maurício, de 18 anos, autor de um gol e duas assistências nas três primeiras partidas do ano. No América, a principal referência é Matheusinho, de 21, já com a experiência de 119 jogos e 14 gols como profissional.

Com relação aos veteranos, o grupo azul tem o goleiro Fábio, de 39 anos, o lateral-direito Edilson, 33, e o zagueiro Leo, 32. O elenco alviverde é liderado pelo volante Juninho, de 32 anos, o lateral-direito Leandro Silva, 31, e o lateral-esquerdo João Paulo, 33.

Até na busca por reforços os rivais tiveram movimentações semelhantes. O Cruzeiro contratou cinco jogadores: o lateral-esquerdo João Lucas, o volante Filipe Machado, os meias Everton Felipe e Jhonata Robert e o atacante Roberson. O América se reforçou com sete: os zagueiros Eduardo Bauermann e Joseph, o volante Rickson, o meia Alê e os atacantes Léo Passos, Rodolfo e Felipe Augusto.

No comando, dois treinadores motivadores. Adilson Batista tem história no Cruzeiro graças à primeira passagem, de 2008 a 2010, quando foi bicampeão consecutivo do Mineiro, vice da Libertadores e fez boas campanhas no Brasileiro. Por sua vez, Lisca chegou recentemente ao América respaldado pelo presidente Marcus Salum e com a promessa de dar sequência ao bom trabalho de Felipe Conceição, que foi para o Red Bull Bragantino.

Adilson, aliás, trabalhou no América, em parte do Campeonato Brasileiro de 2018 - contabilizou quatro vitórias, oito empates e sete derrotas em 19 partidas. Depois da vitória do Cruzeiro sobre o Tupynambás, no último domingo, o treinador ressaltou o respeito tanto ao Coelho quanto por Marcus Salum.

“O América eu tenho um grande respeito. Trabalhei lá recentemente. Tem uma pessoa que eu admiro demais, o Marcus Salum, presidente. Uma pessoa séria que aprendi a admirar porque esse defende o treinador, compra briga do treinador e vai firme nos jogadores. Um cara muito sério. Dei recentemente um abraço nele na entrega do Troféu Guará. É uma pessoa que tenho carinho, tenho respeito pelo clube, trabalhei com alguns jogadores. Vamos nos preparar adequadamente para tentar vencê-los”.

Já o americano Lisca falou da admiração por Batista. “É um cara muito tático, que faz um trabalho por merecimento. Ele teve a coragem e a fibra de tentar (salvar o Cruzeiro do rebaixamento), e agora o Cruzeiro está dando oportunidade a ele. Ele já está renovando a equipe, com uma meninada interessante em um trabalho que começou muito bem no Campeonato Mineiro. Vai ser um jogo dificílimo. Vamos nos preparar bem, recuperar os jogadores que estão jogando mais e treinar pouco. É um jogo gostoso de jogar, que todo profissional sonha em estar”.

Ainda que sofra com dificuldades financeiras proporcionadas pela gestão do ex-presidente Wagner Pires de Sá, o Cruzeiro trabalha com orçamento de R$ 80 milhões para 2020, cifras bastante superiores aos R$ 30 milhões projetados pelo América. Durante a Série B, a folha salarial celeste poderá alcançar R$ 5 milhões, ao passo que a do alviverde dificilmente superará R$ 1,5 milhão. Certo é que os rivais vão pleitear atletas que se destacarem principalmente no Campeonato Paulista.

Tags: clássico serieb americamg cruzeiroec futnacional Mineirão