Futebol Nacional

SPORT

Intensidade, participação e indício de time: o treino comandado por Daniel no Sport

Leão se prepara para pegar o América-RN, sábado, em Natal, pelo Nordestão

postado em 18/02/2020 18:30 / atualizado em 18/02/2020 18:49

(Foto: Anderson Stevens/Sport)
Após a sua chegada, o técnico Daniel Paulista comandou o primeiro treinamento mais efetivo aqui no Sport. A movimentação para o elenco rubro-negro nesta terça-feira foi em apenas um período - o da tarde, diferentemente da última segunda. A atividade no CT José de Andrade Médicis foi dividida em três partes, mas em todas elas teve um Daniel participativo, atuando junto, cobrando intensidade. Na etapa, aliás, deu um indicativo do que pode vir a ser o time que pensa ser o ideal. 

Não participou da movimentação o volante Rithely, com dores no tornozelo, sendo poupado e fazendo tratamento com gelo, mas não preocupa e deve retornar normalmente nesta quarta. Além dele, o atacante Juninho, que finaliza os detalhes para ser emprestado ao Guarani. Confira, abaixo, o que rolou de mais importante na tarde leonina. 

Primeira parte - aquecimento e cobranças

Antes de começar a atividade, tradicionalmente, os jogadores fizeram o trabalho de aquecimento com bola, sendo divididos em três grupos (dois com oito jogadores e um com nove), com dois jogadores sendo o 'bobinho'. Apesar de ser uma movimentação de praxe, Daniel Paulista esteve a todo momento acompanhando de perto cada um deles, cobrando agilidade. "Vamos lá, intendo, rápido, toca", dizia o comandante. 

Segunda parte - grupos separados

Em seguida, dividiu o elenco em três grupos, distribuindo coletes, para uma movimentação cujo foco era a posse da bola, em espaço reduzido e sem goleiros. As equipes se alternavam durante a atividade. 

De colete verde, aliás, estiveram: Raul Prata, Adryelson, Rafael Thyere, Sander, Willian Farias, João Igor, Ewandro e Hernane. 

De colete branco: Ewerthon, Cleberson, Chico, Luciano, Ronaldo, Betinho, Marquinhos e Yan

De vermelho, formaram: Jean Patrick, Alê Santos, Matheusinho Pardal Lucas Mugni, Maxwell, Elton e Pedro Maranhão

Terceira parte e indício de time

Nesta última etapa, Daniel sugeriu o que pode ser um time do Sport. Isso porque comandou, em meio campo, uma atividade de ataque contra defesa, com seis e cinco atletas em cada setor, respectivamente. A ideia era que o grupo ofensivo tentasse marcar o gol e o grupo defensivo, claro, tentasse roubar a bola. 

O quinteto que defendia tinha: Raul Prata, Adryelson, Rafael Thyere, Sander e Willian Farias, formando, assim, a linha de defesa com um volante fixo à frente da área. No gol, o escolhido foi Luan Polli. 

Já o sexteto que atacava tinha: Betinho, João Igor, Lucas Mugni, Leandro Barcia, Ewandro e Hernane, formando com três meias de saída e um trio no ataque. Como a conta para formar uma possível escalação não bate, já que tem onze jogadores de linha, sugere-se uma dúvida sobre qual meio campo iria compor com Willian Farias.

Depois, Daniel Paulista promoveu algumas trocas, inserindo Chico, Cleberson e Ronaldo no grupo defensivo nos lugares de Adryelson, Thyere e Willian - mantendo, assim, os laterais Prata e Sander. 

O grupo que atacava também sofreu alterações, com Alê Santos, Jean Patrick, Pardal e Elton sendo acionado nos lugares de João Igor, Betinho, Mugni e Hernane - mantendo, assim, Ewandro e Barcia. Não houve troca na meta, seguindo Luan Polli.

Quem não era utilizado fazia uma atividade um coletivo em campo reduzido (cerca de um terço do campo) com equipes misturadas em movimentação sob os olhares e instruções do auxiliar Ricardo Henriques.