Futebol Nacional

SÉRIE C

Confira o que mudou em Náutico e Santa Cruz desde o Clássico das Emoções do 1º Turno

Depois de primeiro confronto, Náutico cresceu e assumiu a vice-liderança do Grupo A, já o Santa só venceu dois jogos e chega à rodada final sob ameaça

postado em 23/08/2019 08:45 / atualizado em 23/08/2019 08:53

<i>(Foto: Leandro de Santana/DP Foto)</i>
O dia era 22 de junho, o Estádio do Arruda recebia um clássico entre duas equipes do G4. Na oportunidade, o Santa Cruz venceu o Náutico por 1 a 0, e trocou de posição com o rival, indo para a segunda colocação e deixando o alvirrubro em quarto. Se a vitória era o último suspiro da boa fase coral, a derrota era o prelúdio da boa fase alvirrubra. De lá para cá, muita coisa mudou nas duas equipes, que voltam a se enfrentar neste sábado, na última rodada da Primeira Fase.

Àquela época, o Santa Cruz acumulava sete jogos de invencibilidade, com 87% de aproveitamento nos cinco jogos com Milton Mendes. Gilmar Dal Pozzo perdia ali sua invencibilidade no Náutico. Curiosamente, os dois treinadores perderam a invencibilidade no sexto jogo ao comando de suas equipes, porque logo após o clássico, o Tricolor foi derrotado e só conseguiu um ponto em quatro jogos.

Se depois do confronto, o Náutico só perdeu dois jogos, o Santa não ultrapassou esse número em vitórias. Assim, o Tricolor, com nove pontos em oito jogos, tem apenas 37,5% dos pontos disputados. O Timbu, por outro lado, pontuou 19 vezes em nove jogos, somando 70% de aproveitamento. A grande disparidade coloca o Santa com a terceira pior campanha do returno no Grupo A, enquanto o Náutico tem a segunda melhor.

Esses números opostos ajudaram a colocar os times em situações igualmente opostas na rodada final. O jogo da nona rodada tinha a mesma importância para ambos na busca da consolidação dentro do G4. Agora, na 18º, a partida é fundamental para o Santa Cruz tentar a classificação, já o Náutico chega tranquilo, poupando jogadores por causa da garantia matemática da vaga.

A comparação entre os times titulares no jogo da nona rodada mostra um Náutico com mais mudanças que o Santa. Em relação ao time que vem sendo montado por Milton Mendes para o clássico decisivo, os corais têm quatro mudanças, duas na linha de defesa e duas na de ataque. À época, Marcos Martins, William Alves, Allan Dias e Pipico atuaram nos lugares onde devem atuar Cesinha, Vitão, Augusto e Elias Carioca.

Já pelo Timbu, são seis mudanças em relação ao time que enfrentou o Botafogo-PB no último fim de semana. Fernando Lombardi, Wilian Simões, Danilo Pires, Luiz Henrique, Neto Pessôa e Wallace Pernambucano já deram espaço a Diego Silva, Jiménez, Matheus Carvalho, Álvaro e Rafael Oliveira. A equipe que volta a enfrentar o Santa Cruz na última rodada, porém, deve poupar alguns titulares, entre pendurados e preservados.

Dentro dessas mudanças, inclusive dois sequer defendem um clube recifense hoje. Marcos Martins foi para o São Bento-SP, enquanto Luiz Henrique está no Moreirense-POR. Além deles, Patrick Vieira, do Santa, e Fábio Matos, do Náutico, deixaram o banco de reservas durante o jogo e também não defendem mais os rivais. Também é importante destacar que, dentre essas mudanças, duas foram forçadas, uma vez que Pipico e Wilian Simões saíram dos times após sofrerem lesões.