UAI


Felipe Melo exalta Abel e diz: 'Para muitos, o Palmeiras é o patinho feio'

Jogador do Verdão falou sobre a classificação do time para a final da Copa Libertadores

29/09/2021 13:46 / atualizado em 29/09/2021 13:54
compartilhe
No meio de campo, o jogador fez um jogo muito seguro, ganhando divididas e ocupando espaços com inteligência
foto: Cesar Greco/Palmeiras

No meio de campo, o jogador fez um jogo muito seguro, ganhando divididas e ocupando espaços com inteligência


O Palmeiras encaminhou vaga para a final na Libertadores na noite desta terça-feira e segue em busca do tricampeonato. Após o empate por 1 a 1 com o Atlético, a equipe de Abel Ferreira "deu uma aula tática" de acordo com Felipe Melo. No meio de campo, o jogador fez um jogo muito seguro, ganhando divididas e ocupando espaços com inteligência.

"O Palmeiras foi eficiente naquilo que fez. Taticamente fomos superiores ao Atlético. Quando tivemos nossa oportunidade matamos o jogo. Demos uma aula tática", disse Felipe em entrevista ao Seleção SporTV. "O Palmeiras pode melhorar em tudo, mas a grande maioria tem que dar o devido respeito ao atual campeão da Libertadores. Para muitas pessoas nós somos o patinho feio e isso é a mais pura realidade. Nós somos o atual campeão", declarou.

Quando questionado se Abel é retranqueiro, Melo anulou qualquer crítica ao treinador, tanto defensivamente, quanto ofensivamente. "Abel é um vencedor. A gente precisa traçar estratégias jogo a jogo. Eu não concordo com o que falam não. Pouco acompanho programa esportivo, principalmente à véspera de jogos importantes, como esses dois contra o Atlético. O que será que é retranca? O que é futebol bonito? Vai da visão de cada um, a estratégia é para vencer. Toda estratégia, de todo treinador, passa por anular o adversário", relatou o camisa 30.

Hulk foi a vítima de marcação de Felipe Melo nos dois jogos da semifinal da Libertadores. Muito disso é parte da estratégia do treinador, mas Felipe afirmou que também tem sua preparação individual e às vezes necessita ir contra as ideias do comandante.

"Esse tipo de jogo eleva sua confiança. A comissão técnica vê vídeos, jogos e trabalham para nós melhorarmos. Quando o atleta entra em campo, de repente ele entra com o manual do treinador. Em determinadas ocasiões, precisamos tomar decisões rápidas, contrárias ao do técnico", comentou.

"Ontem era para eu ficar no meio do campo e poucas vezes sair dali. O Abel não queria que o Atlético atacasse pelo meio e nós tínhamos que ficar naquela zona. Teve uma hora que eu entendi que era melhor eles atacarem pelo meio. Então eu saí em uma linha mais alta, eles jogaram a bola mais nas minhas costas, o Luan antecipou e tivemos um contra-ataque", completou.
 

Da euforia ao choro: fotos da torcida do Atlético em bares de BH

 

Compartilhe