1

COLUNA JOGO RÁPIDO

Na volta ao futebol do Cruzeiro, Perrella muda tom e troca ataques a Wagner e Itair por palavras amenas

Zezé deu o recado: 'O que queremos agora é paz'

postado em 12/10/2019 07:00 / atualizado em 12/10/2019 01:43

<i>(Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)</i>
Em seu retorno à Toca da Raposa II na função de gestor do futebol do Cruzeiro, Zezé Perrella se sentou ao lado do desafeto Wagner Pires de Sá e se dirigiu ao presidente com palavras amenas. 

A cena era inimaginável há alguns dias, haja vista os seguidos ataques de Perrella ao mandatário e ao vice-presidente de futebol Itair Machado, que acabou deixando o clube na quinta-feira (10/10).

Vamos voltar no tempo?

5/9 - Rainha da Inglaterra

Em entrevista ao Globo Esporte, Zezé Perrella fez duras críticas a Wagner Pires de Sá e Itair Machado. Na ocasião, o presidente foi chamado de “Rainha da Inglaterra” por se subordinar às ordem do vice de futebol.

"Eles estão acabando com o Cruzeiro. São irresponsáveis. E o Wagner é uma 'rainha da Inglaterra'. O presidente do Cruzeiro chama-se Itair Machado. O Wagner não manda nada, não é respeitado por ninguém lá dentro".

Perrella chegou a acusar Wagner e Itair de terem comprado conselheiros. "Infelizmente eles compraram parte do conselho. Vejo com muita preocupação. Eles vão acabar com o Cruzeiro. Eu não tenho nenhuma dúvida disso! Nenhuma, se essa turma continuar.

26/9 - Esquema de poder

Em entrevista ao Superesportes, Perrella voltou a insinuar “compra de conselheiros” por parte da atual gestão e lamentou não ter como pedir o impeachment de Wagner devido à falta de votos suficientes no Conselho Deliberativo.

"É complicado porque eles (Wagner e aliados) têm 30 conselheiros que recebem dinheiro do clube, 30 que a gente sabe, e têm 130 conselheiros que os defendem, mesmo sabendo dessa bagunça toda. Para pedir o impedimento do presidente hoje, precisaríamos de dois terços do Conselho. Fico de mãos atadas"

(...)

"Eles colocaram lá mais de 1000 sócios novos, para controlar também a Assembleia Geral. Eles montaram um esquema de poder para passar 20 anos no Cruzeiro".

(...) 

"Hoje, eu te diria que é uma gestão extremamente temerária. Não posso acusar ninguém de roubo, mas espero que a Polícia Civil faça sua parte o mais rápido possível e nos dê uma solução disso."

(...) 

Eles não querem largar o osso. Um trabalho horroroso desse, torcida inteira pedindo para sair, e eles lá. É de assustar isso. De assustar. Eu penso que o que eles estão fazendo com o Cruzeiro não é coisa de cruzeirense. 

Na ocasião, Wagner rebateu, em nota enviada ao Superesportes: “Vou fazer um estágio com o Perrella para ver como se faz para ficar 20 anos como ele ficou. Se ele pensa que boa parte do Conselho se vende com essa facilidade, por que ele continua como presidente do órgão? Como ele coloca temas em votação se a votação  está direcionada, na opinião dele? Não sei com explicar tanta bravata do Perrella. Pena que ainda não inventaram um anestésico eficaz contra “dor de cotovelo!”.

30/9 - Lixo do lixo

Ao rebater declaração de Wagner Pires de Sá, de que seus antecessores assumiram a presidência para enriquecer, Zezé Perrella cobrou provas e chamou o mandatário de “lixo do lixo”.

"Ele tinha que ter coragem de dar o nome (dos presidentes que enriqueceram no clube) e apresentar as provas. Ele deixou todos os ex-presidentes mal. Se ele for homem, ele tem a obrigação de dar o nome ou os nomes. Eu tenho é vergonha de ter um presidente desse. A mesma vergonha que todo cruzeirense está sentindo hoje. Bagaço da laranja? Um cara que nem foi a estádio de futebol até ser presidente, rapaz. É o lixo do lixo!”.

03/10 - Irresponsável, disse Perrella sobre Itair

Em nova entrevista ao Superesportes, Zezé Perrella dessa vez dirigiu ataques a Itair Machado, parceiro nos tempos de Ipatinga, mas um “irresponsável” na gestão do futebol do Cruzeiro:

"Ele é o pivô desta crise toda. Tem uma participação dentro do Cruzeiro maior que o presidente".

A gente não consegue entender como o Wagner deixa uma situação desta. Eu, particularmente, não tenho nada contra ele (Itair Machado). Mas acho ele um péssimo de um gestor, completamente irresponsável. O que fizeram no episódio do Rogério Ceni, o Cruzeiro gastou quase R$ 4 milhões nesta operação para o cara vir e depois sair. Isso é gestão? Nada pessoal contra ele (Itair). Eu gosto do Cruzeiro e acho que ele (Itair) é uma pessoa que faz mal ao clube. Ele e toda a diretoria. Óbvio que se a gente assumir temporariamente a possibilidade de ele ficar é zero”.

9/10 - Compra de votos, abusos e comparação com Portuguesa

Em entrevista à TV Alterosa, Perrella expõe dados apurados pela Comissão de Sindicância sobre Wagner Pires de Sá e Itair Machado. O presidente do Conselho Deliberativo detalha compra de votos, revela valores de comissões a empresários e cita salários abusivos no clube.

"Quando das eleições, 51 conselheiros do Cruzeiro tiveram suas mensalidades pagas por esse grupo que venceu as eleições. Eu não posso afirmar que foram todos os 51, mas essas mensalidades foram quitadas, de conselheiros que deviam dois, três anos. Pra mim, isso caracteriza compra de votos”.

(...) 

O clube pagou R$ 24 milhões de intermediação de jogadores e outras coisas mais durante esse um ano apenas (2018), e o Cruzeiro contratou diretores com salários absolutamente fora da realidade de qualquer empresa brasileira. Para se ter uma ideia, tem funcionário do Cruzeiro, o Gaúcho (Alexandre Comoretto, um dos diretores da Sede Campestre), esse conselheiro que fica buzinando na cabeça dos outros, ganhava R$ 2,5 mil e passou a ter o seu salário aumentado para R$ 25 mil por mês (reajuste de 900%). Qual a função que esse cara tem dentro do Cruzeiro? Ficar ligando para conselheiros, aliciando conselheiros?”

(...) 

"O Cruzeiro está caminhando a passos largos para virar, com todo respeito, para virar um Vasco da Gama, uma Portuguesa e por aí vai. Porque está faltando responsabilidade”.

11/10 - Apresentação como gestor do futebol

Antes mesmo da entrevista coletiva, Toca da Raposa II, Perrella apareceu em clima amistoso ao lado de Wagner Pires de Sá. Em suas respostas, o novo ‘homem forte do futebol’ foi ameno com o até então desafeto e deixou de lado as acusações.

<i>(Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)</i>


Em dado momento, Perrella chegou a admitir que Wagner assumiu o Cruzeiro muito endividado em 2018 e, naquele cenário, seria difícil escapar de uma administração fracassada.

O Wagner teve um gesto de humildade. Ele disputou eleição contra meu candidato (Sérgio Santos Rodrigues), fomos derrotados, e foi muito ruim para o clube, pois o Cruzeiro se transformou em duas correntes. O Wagner, como cruzeirense que é, me fez esse apelo para ajudar o Cruzeiro a sair dessa. Eu, como ex-presidente do Cruzeiro, me senti na obrigação de ajudar. Nesse momento, é deixar as divergências políticas para trás e pensar no Cruzeiro”.

(...)

“Desde o primeiro momento procurei o Wagner e disse que estava disposto a ajudar, mas a diretoria de futebol nunca me consultou. Cometeram alguns equívocos que vez o Cruzeiro chegar à condição de brigar para não cair. Agora, vou fazer tudo que estiver ao meu alcance para que o Cruzeiro não caia”.

(...)

O Wagner demonstrou humildade ao concordar com essa eleição em meados de dezembro (deste ano). Isso mostra a preocupação que ele tem com o Cruzeiro. Qualquer pessoa que entrar para administração do Cruzeiro vai ter dificuldade. Eram R$ 450 milhões de dívida, e na época da eleição disse a ele que havia arrumado um inferno. O que me fez desistir (de ser candidato a presidente) foi a situação financeira do Cruzeiro. Não tive coragem de ser candidato por isso.

(...) 

O problema maior do Cruzeiro é o financeiro. Tenho de reconhecer que o Wagner pegou o Cruzeiro em situação de calamidade financeira. E deu no que deu”.

(...)

“O presidente me disse que ele (Itair Machado) foi demitido. Existe uma multa sim (R$ 2 milhões), mas tenho certeza que o Itair tem condição de abrir mão. É o que a gente vai tentar. Vou procurá-lo para buscar um acordo e acabar de vez com essa conversa. Todo mundo sabe da relação que tive no passado com o Itair, ajudamos o Ipatinga, não sou inimigo dele, mas não concordo com a maneira centralizadora com a qual ele dirigia o Cruzeiro. Ele teve experiência vitoriosa no Ipatinga, mas o Cruzeiro é outra situação, a cobrança é outra. Mas enfim, já passou, ele entendeu que era melhor sair e fez a melhor coisa possível para o Cruzeiro. A cobrança em cima dele era grande demais. Certamente causou instabilidade na equipe. O que queremos agora é paz".

<i>(Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)</i>

Tags: itair wagner perrella brasileiro seriea cruzeiroec