UAI

2

Eduardo, do América, fala sobre tumor: 'Achei que iria perder a perna'

Em entrevista ao Superesportes, lateral-direito do Coelho revela como foi o processo de recuperação e comenta o futuro no clube

23/06/2022 19:21 / atualizado em 23/06/2022 19:21
compartilhe
Eduardo não entra em campo pelo América desde julho do ano passado
foto: Marina Almeida/América

Eduardo não entra em campo pelo América desde julho do ano passado


Lateral-direito do América, Eduardo falou pela primeira vez sobre a recuperação de um tumor ósseo recidivo na região da tíbia esquerda. O jogador de 35 anos revelou que estava com a doença em setembro do ano passado, por meio de suas redes sociais. 



Esta foi a segunda vez em que o atleta se deparou com um momento de dificuldade na carreira. Em maio de 2019, o lateral precisou passar por cirurgia para a retirada de um osteoma osteóide na canela esquerda.

Em entrevista ao Superesportes, Eduardo contou como foi receber a notícia. Ele pensou que poderia perder a perna e ter a carreira encerrada. 

"Foi difícil, pela segunda vez. Já tinha tido em 2019. Fui operado com sucesso, voltei a jogar. Sai da Chapecoense e fui para o Ceará. Não esperava por isso. 'Engraçado' é que eu só descobri o tumor porque tive uma fratura. Comecei a sentir muita dor, além do que tinha sentido pela primeira vez", disse. 

"Olhei com especialistas, e veio o diagnóstico. Foi um baque, achei que minha carreira iria acabar, que iria perder a perna, fiquei com muito medo. O exame da biópsia deu inconclusiva a princípio, e a agonia só aumentava", completou. 

O jogador conta como isso o impactou psicologicamente, influenciando em sua vida pessoal e nas noites de sono. Ele revela que ficou com medo até mesmo de como seria sua participação na vida dos filhos.

"Perdi noites de sono, não conseguia dormir de jeito nenhum. Foi muito difícil essa parte. A incerteza de se recuperar de novo, sem a certeza de que iria jogar novamente, ter uma vida normal, jogar futebol com o meu filho, brincar com a minha filha, era o que mais pesava no momento. Foi uma parte muito difícil", revelou. 

A recuperação


Eduardo realizou a cirurgia para retirada do tumor em setembro do ano passado. A partir disso, os tratamentos foram feitos com profissionais do clube e pessoal do atleta. 

"Às vezes fazia três, quatro períodos por dia, para recuperar o processo. Hoje, faço fisioterapia sim, preventiva. Ainda faço fisioterapia. Talvez porque eu precise, porque não sei como vai ser quando eu parar. Mas eu amo atividade física, minha profissão, odeio ficar parado", explicou.

O lateral-direito voltou a treinar em campo em fevereiro, mas ficou três meses retomando a força física. Ele afirma que não sente mais dores, mas ainda não está 100% fisicamente porque precisa atuar mais vezes.

"Fisicamente não (estou 100%), porque ainda não me colocaram para jogar. Me considero pronto para jogar, ajudar. Não sinto mais dor no osso, mais nada. Estou curado do tumor e da fratura. A cirurgia foi fantástica, um sucesso tudo que os médicos fizeram. Eles foram de suma importância para essa minha recuperação", afirmou.

Futuro no América


Eduardo não atua desde 19 de julho de 2021, quando foi substituído por Diego Ferreira no intervalo da partida contra o Sport, no Independência, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Antes disso, participou bem de outros 10 jogos pelo Coelho.



Com contrato até o fim deste ano, o lateral vê como improvável sua permanência no clube. Apesar do desejo em ficar, ele revela que não conta com a confiança de outras pessoas. 

"Eu queria ficar aqui, mas não é o desejo de todos, para ser sincero. A vida segue. Têm pessoas que não confiam. Infelizmente, no futebol, temos que conviver com isso. Nem todo mundo vai confiar, por outros motivos que, no momento certo, eu vou falar", afirmou.

Apesar de já estar à disposição do técnico Vagner Mancini, Eduardo ainda não foi relacionado desde que voltou aos treinamentos. Ele enfrenta dura concorrência na posição: Raúl Cáceres, Patric e Arthur são as outras opções no grupo.

"Enquanto isso, vou continuar trabalhando. Se surgir uma oportunidade para sair daqui e ir para outro clube, eu irei. Não por vontade minha, mas pela situação que estou vivendo no clube. No momento certo isso virá à tona", afirmou.

Mesmo ainda sem ter recebido oportunidades, o jogador ressalta a confiança do treinador. "A confiança da principal pessoa, que é do treinador, me deixa feliz. Me dá esperança de continuar, porque o treinador fala que você está pronto, que pode jogar em qualquer clube. A confiança que ele vem me passando é muito importante na minha vida, para eu me dedicar, para minha cabeça."

Compartilhe