UAI

2

Salum admite erros, mas vê o América capaz de buscar reação no Brasileiro

Em conversa com jogadores e comissão técnica, dirigente passa confiança e disse que é preciso apostar no trabalho para melhorar rendimento

29/06/2022 19:44 / atualizado em 29/06/2022 21:21
compartilhe
Marcus Salum esteve no CT para conversar com o grupo e a comissão técnica
foto: Mourão Panda/América

Marcus Salum esteve no CT para conversar com o grupo e a comissão técnica


O momento do América é de alerta, mas longe de representar desespero pela má fase no Campeonato Brasileiro. Com o time na zona de rebaixamento e há cinco rodadas sem vencer, o presidente do América SAF, Marcus Salum, teve uma conversa com o grupo, nesta quarta-feira, para debater sobre os resultados ruins em sequência e passar tranquilidade para os jogadores buscarem a reação na próxima rodada.
 
Neste sábado, o América terá confronto direto para fugir do Z4, diante do Goiás, às 18h, no Independência. Com uma vitória, o Coelho deixará a zona de rebaixamento e mandará de volta ao grupo dos quatro últimos o Esmeraldino.

Marcus Salum admite que o time vive um momento negativo, com muitos erros nos compromissos anteriores, mas considera que o quadro pode ser revertido com muito foco no trabalho. 

O dirigente disse que outros times viveram situação semelhante em um campeonato muito disputado e equlibrado como o Brasileiro. Ele ressaltou, porém, que o América tem um grupo de qualidade para buscar a volta por cima e voltar a somar pontos a partir da partida contra o Goiás. 

"Saímos de uma reunião com jogadores, reúno quase que semanalmente com o treinador, com a comissão técnica. Nós estamos atentos e não é um passe de mágica que melhora, é uma série de ações que tem que refletir nos resultados. Temos jogado mal algumas partidas, sendo prejudicados em outras, dando azar em outras, mas não estamos passando pano em cima dos nossos erros, não. Nós estamos errando muito", afirmou o dirigente em coletiva virtual depois do treino.

Antes do Goiás, o América terá pela frente o Botafogo, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O objetivo do Coelho na partida desta quinta-feira, às 19h, no Independência, é vencer para sair em vantagem no confronto - a volta será na próxima semana no Estádio Nilton Santos - e também erguer o moral do grupo para reagir no Brasileirão, no fim de semana.

"Momento difícil é um pleonasmo para o América na Série A. Nós sempre passamos por esses momentos, porque o campeonato é duríssimo e o América passa por momento difícil, o Avaí passa, o Fluminense passa, o São Paulo passa, o Santos passa, pois o campeonato é duro. Realmente o nosso momento é ruim, quem conhece sabe que ganhando nós estamos atentos, perdendo então, nem se fala", ponderou.

"Futebol é trabalho"


Marcus Salum vê o América com plena capacidade para inverter a situação e deixar o time em uma zona mais confortável na classificação. Na conversa com o grupo, ele passou confiança e disse que os próprios jogadores precisam focar no trabalho diário para corrigir as falhas e melhorar o rendimento no Brasileiro. Na coletiva, o dirigente garantiu que o problema não passa pelo planejamento traçado. 

"Acabei de falar com os jogadores que nós estávamos vivendo um momento de céu de brigadeiro, e os nossos erros, as nossas distrações, nos levaram onde a gente está. Só nós podemos sair. Não é planejamento, não é isso não. O campeonato é o seguinte: nós contratamos, na minha visão dentro das nossas possibilidades, investimos bastante, fizemos um bom time, tanto que o nosso desempenho na maioria das partidas é bom", declarou.

"O planejamento desse ano foi um investimento muito maior e o plantel é muito mais competente que do ano passado. Temos tido alguns problemas, não estamos conseguindo fazer gols, temos tido alguns outros problemas, e têm que ser solucionados no campeonato. Futebol é trabalho. Até três rodadas atrás tem três times na nossa situação. Passam três rodadas e mudam o time. A gente vai chorar? Não. Tem que contar com o compromisso de cada um pelos resultados", acrescentou o dirigente.

Compartilhe