Cruzeiro

Detalhes do contrato de fidelização entre Cruzeiro e Minas Arena vêm a público

Jornalista João Vitor Xavier, da Rádio Itatiaia, conseguiu documento com exclusividade

postado em 20/02/2013 20:58 / atualizado em 06/11/2014 19:06

EM/D.APress

O contrato de fidelização firmado entre Cruzeiro e Minas Arena para uso do Mineirão até dezembro de 2037 veio a público nesta quarta-feira. O jornalista João Vitor Xavier, da Rádio Itatiaia, teve acesso o documento com exclusividade.

Alguns detalhes do acordo foram revelados e outras dúvidas puderam ser esclarecidas. A Cláusula Quinta ratifica que o Cruzeiro não paga aluguel para utilizar o estádio.



Em contrapartida, o clube celeste arca com 70% dos custos operacionais de cada partida, enquanto a Minas Arena fica com 30% das despesas.



Conforme as partes noticiaram no ato da assinatura do contrato, em novembro do ano passado, o Cruzeiro tem direito a 100% de 54.201 ingressos, sem destinar nenhum percentual desta receita à Minas Arena. Já a concessionária comercializa cadeiras VIP, camarotes e cadeiras especiais.



Uma novidade é a participação do Cruzeiro na arrecadação de estacionamentos, bares e lanchonetes no estádio. O clube celeste tem direito a um terço da renda líquida desses setores comerciais da Arena.



Outra curiosidade é que o Cruzeiro receberá R$ 2 milhões da Minas Arena pela fidelização. O preço mínimo de ingresso praticado pelo clube em seus jogos no estádio será, por força de contrato, de R$ 20.




O contrato entre Cruzeiro e Minas Arena será suspenso automaticamente quando o estádio estiver a serviço da Fifa na Copa do Mundo e na Copa das Confederações. Isso significa que o clube celeste não pagará multa para jogar em outro estádio nessas datas, caso seja necessário.



Caso o Cruzeiro descumpra o contrato e decida arbitrariamente jogar em outro estádio, terá que pagar R$ 2,5 milhões à Minas Arena. Em contrapartida, se a concessionária não disponibilizar o Mineirão para o clube celeste em algum jogo oficial, por conta de shows ou outros eventos, terá que pagar o Cruzeiro o mesmo valor.



A multa rescisória do contrato de fidelização é de R$ 10 milhões.



Por fim, o acordo revela que outro clube pode assinar o mesmo tipo de contrato do Cruzeiro (de fidelização) e, caso a diretoria celeste entenda que as condições da outra equipe são melhores, poderá assumir os mesmos direitos dela.