Cruzeiro

CRUZEIRO

Torcida do Cruzeiro protesta em frente à sede do Ministério Público e pede: 'Prendam estes criminosos'

Manifestação foi realizada nesta quarta-feira, em Belo Horizonte

postado em 25/09/2019 12:02 / atualizado em 25/09/2019 13:25

<i>(Foto: Leandro Couri/EM/DA Press)</i>
A crise administrativa e esportiva do Cruzeiro levou a torcida a realizar mais um protesto. Torcedores se reuniram na tarde desta quarta-feira em frente à sede do Ministério Público, no Bairro Santo Agostinho, em Belo Horizonte, para pedir ao órgão que investigue as denúncias de irregularidades no clube.

Pelas redes sociais, o "Movimento Pró-Cruzeiro Transparente" organizou o protesto, convocando os cruzeirenses. "Todos juntos para resgatar o nosso Cruzeiro. Você que também está indignado com o estado de total descalabro da atual 'gestão' ora à frente do nosso querido clube, venha participar conosco de uma manifestação pacífica e ordeira (...) Venha com sua camisa e bandeira. O Cruzeiro precisa de nós", são os dizeres dos panfletos distribuídos pela internet.

Aproximadamente 30 pessoas enfrentaram a chuva para cobrar do Ministério Público a conclusão das investigações instauradas no clube no dia 26 de junho. Por meio do Twitter, o órgão anunciou, naquela data, o início de um "procedimento investigatório criminal para apurar possíveis irregularidades praticadas por dirigentes do Cruzeiro".

Em contato com o Superesportes, a assessoria do MP informou que o procedimento corre sob sigilo e não tem previsão para ser concluído. O órgão também não informou quem são os promotores resposáveis pelo caso.

Vídeo: Leandro Couri

Giovanni Baroni, um dos conselheiros presentes ao protesto - candidato a vice-presidente do Cruzeiro na última eleição, na chapa de Sérgio Santos Rodrigues, disse que espera a conclusão rápida dos trabalhos por parte do Ministério Público.

"Somos um grupo de conselheiros e estamos vindo aqui ao Ministério Público pedir para agilizar o processo de investigação das denúncias que foram feitas e que estão sendo feitas constantemente. O Cruzeiro está passando por um momento difícil  e é importante para nós que essas investigações corram em uma velocidade diferente. Tem um fim social do time e a gente acredita que o Ministério Público possa acelerar as investigações", disse o membro do Conselho Deliberativo.

Os manifestantes carregavam faixas declarando apoio ao MP e direcionando palavras fortes à atual diretoria celeste. "Prendam esses criminosos. Estão destruindo o Cruzeiro", "Ministério Público, confiamos em vocês, não deixem o Cruzeiro acabar", "Assalto ao patrimônio do Cruzeiro", entre outras mensagens foram exibidas durante o protesto.

A crise no Cruzeiro

Os escândalos no clube vieram à tona após matéria exibida no programa Fantástico, da TV Globo, em 26 de maio. À época, foram divulgadas supostas irregularidades praticadas pela gestão do presidente Wagner Pires de Sá em transações e valores superfaturados pagos a empresas prestadoras de serviço.

Em paralelo ao procedimento instaurado pelo Ministério Público, corre também uma investigação realizada pela Polícia Civil, que apura a eventual prática de crimes como lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e falsidade ideológica, além de possíveis quebras de regra da Fifa e da CBF.

A Polícia analisa, ainda, os aumentos substanciais nos salários de dirigentes - casos do vice-presidente de futebol Itair Machado e do diretor-geral Sérgio Nonato -, a contratação de conselheiros para prestação de serviços (pessoa física e pessoa jurídica) e o pagamento a torcidas organizadas.

 

Vale lembrar que o Cruzeiro aumentou a dívida geral de R$ 384 milhões para R$ 520 milhões de 2017 para 2018 e ainda não teve o balanço financeiro aprovado pelo Conselho Fiscal.

 

Após as denúncias, presidente Wagner e o diretor jurídico Fabiano de Oliveira Costa foram intimados para prestar depoimento na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte, no Bairro Gutierrez, Região Oeste do município. A ação fez parte da Operação Escobar, que investiga vazamento de documentos sigilosos da PF.


Márcio Antônio Camillozzi Marra e Paulo de Oliveira Bessa, escrivães da corporação, foram presos no dia 5 de junho, bem como os advogados Carlos Alberto Arges Júnior e Ildeu da Cunha Pereira.

 

Curiosamente, Márcio Antônio Camillozzi havia sido nomeado por Zezé Perrella para fazer parte da comissão de sindicância que averiguou denúncias de corrupção da diretoria do Cruzeiro. Ildeu da Cunha Pereira, por sua vez, já ocupou cargo de superintendente jurídico do clube. Já Carlos Alberto Arges Júnior representou o vice-presidente de futebol Itair Machado em um processo contra o ex-dirigente Bruno Vicintin.

 

Tags: Ministério Público mp protesto cruzeiroec interiormg futnacional seriea