Cruzeiro

CRUZEIRO

Em protesto, torcedores do Cruzeiro fecham trânsito no Barro Preto, exigem renúncia de Wagner e vices e fazem homenagem a Salomé

Torcedores comuns levaram cerveja e pinga para ironizar Wagner Pires de Sá, até pouco tempo chamado de presidente-raiz por suas farras no clube

postado em 13/12/2019 16:05 / atualizado em 13/12/2019 19:16

(Foto: Leandro Couri/EM/D. A Press)
Organizadas e torcedores comuns do Cruzeiro se uniram nesta sexta-feira e foram em peso à porta da sede do clube, no Barro Preto, em Belo Horizonte, para exigir a renúncia do presidente Wagner Pires de Sá e dos vices Hermínio Lemos e Ronaldo Granata. Cerca de 300 cruzeirenses levaram faixas, cartazes e fecharam a Rua Timbiras durante a manifestação, que teve forte presença de policiais militares.



Durante o movimento, os torcedores ironizaram Wagner Pires de Sá e colocaram garrafas de pinga e latas de cerveja em frente à sede. Isso porque ele era chamado até pouco tempo de presidente-raiz pelas constantes aparições em festas e farras, algumas delas embriagado. O nome de Zezé Perrella, ex-presidente do Conselho Deliberativo e ex-gestor do futebol, foi tapado em letreiro diante do prédio e trocado pelo de Salomé, torcedora-símbolo, de 86 anos, que faleceu dois dias após o rebaixamento à Série B.

(Foto: Leandro Couri/EM/D. A Press)






Embora o clube esteja longe de achar um nome de consenso para assumir a presidência em caso de renúncia da atual cúpula, os torcedores presentes pediram Pedro Lourenço, empresário que é sócio majoritário da rede de Supermercados BH. “Olha que maneiro, Pedrinho BH para assumir o meu Cruzeiro".

Bolão, ex-presidente da torcida organizada Máfia Azul, fez um discurso acalorado, destacou a péssima gestão de Wagner Pires de Sá e o estado de ruína em que o Cruzeiro se encontra. Não bastasse estar rebaixado, o clube deve salários e direitos trabalhistas a funcionários comuns, deve dois meses de vencimentos aos jogadores e não tem recursos para pagar dívidas milionárias. O rombo pode chegar a R$ 700 milhões em 2020.

“Achei importante a iniciativa do torcedor comum, sempre cobrei isso. Nas manifestações, só iam as organizadas. Sempre disse para o torcedor comum que eles saíssem detrás da tela do computador, detrás da tela do celular, que saíssem da zona de conforto. Hoje eles vieram para a rua. Tem muita gente aqui hoje aqui, o torcedor comum está aqui. Aquele que paga o sustenta esse time, que paga o salário do jogador, que paga os salários da diretoria, que paga tudo de errado que está aí. Que essa diretoria reflita, que tome a decisão mais sábia, que faça esse favor para a torcida, que é a renúncia”, disse.





“Estou aqui pedindo em nome de 9 milhões de cruzeirenses. Peço licença a nove milhões de cruzeirenses para falar em nome deles. O meu sentimento de tristeza, de dor, por essa queda, é enorme. Mas o meu sentimento de revolta de ver no que se transformou o Cruzeiro, o que fizeram com o Cruzeiro, é muito maior. Não vamos recuar, vamos estar vigilantes. Estaremos aqui o tempo que for. Se for necessário fazer mais 300 protestos, até que essa diretoria entenda a verdadeira responsabilidade dela no caos que enfiou o Cruzeiro, nós estaremos cobrando. A diretoria deveria ter dignidade de renunciar, e convocar novas eleições, encontrarem a oposição e a situação um nome de consenso pra acabar com essa zorra”, agregou o integrante da organizada.

Segundo ele, o torcedor não aceitará outra posição que não a renúncia de Wagner e de seus dois vices. “A torcida do Cruzeiro não aceita (nada além da renúncia), porque não tem como confiar na atual diretoria. Existem investigações em curso que a gente não sabe no que vai dar, não vou ser leviano de acusar ninguém, falar nome de ninguém, a gente espera o término das investigações para ver o que vai dar nisso. Mas é uma administração horrível, irresponsável, inconsequente, e não tem como acreditar que com essas pessoas o Cruzeiro vai mudar. Não vai mudar. Não vai mudar, tem que haver reestruturação completa, mudança no Estatuto, quadro de funcionários, tudo que está fazendo o Cruzeiro submergir. A gente espera que o Cruzeiro volte fortalecido no seu centenário, em 2021”.

Tags: cruzeiro sede protesto renúncia Barro Preto Wagner Pires de Sá