Cruzeiro

CRUZEIRO

Cruzeiro refaz balanço de 2018 e revela débito de R$ 32,9 milhões com salários e FGTS

Clube apresenta dívida muito maior que a calculada anteriormente

postado em 04/02/2020 00:06 / atualizado em 04/02/2020 00:23

(Foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
O Cruzeiro refez os cálculos e atualizou os números das demonstrações contábeis de 2018. O primeiro documento foi aprovado pelos conselheiros em abril do ano passado, mas não chegou a ser apreciado pelo Conselho Fiscal, já que os integrantes renunciaram, assim como os suplentes. Os substitutos, escolhidos em eleição, não apontaram irregularidades. O novo balanço, a ser votado pelo conselho deliberativo nesta quinta-feira, apresentou uma dívida bem maior que a anterior, incluindo débito de quase R$ 33 milhões com FGTS e salários de atletas e funcionários.

O novo balanço que será analisado pelos conselheiros mostra que a déficit do Cruzeiro, até dezembro de 2018, foi de R$ 73.816,626. O valor é nada menos que 170% a mais que o calculado no documento anterior, que era de R$ 27.236.795. Contando com a depreciação de bens ajustados pela avaliação patrimonial, o prejuízo nas contas da Raposa totalizou R$ 75.410.766 naquele período. No exercício anterior, até dezembro de 2017, o 'rombo' chegou a 18.436.201. 

O documento contábil do exercício de 2018 no Cruzeiro tem assinatura dos seis integrantes do conselho fiscal. O demonstrativo foi feito em auditoria independente de uma empresa contratada pelo clube, a Oliveira Mendes, por meio do auditor Eduardo Amaral Neves. 

No parecer dos membros do conselho fiscal, alguns aspectos precisam ser observados como 'as elevadas despesas com pessoal no futebol profissional e também com as intemerdiações (participações de empresários). O relatório alerta para o aumento do endividamento, descumprimento das exigências do PROFUT e ainda sugere a verificação de ingressos distribuídos para os jogos da equipe até o fim daquela temporada. 



DÍVIDA

Com a atualização dos números, a dívida total do clube, durante o exercício de 2018, aumentou significativamente. O cálculo mostra que o valor subiu para R$ 534 milhões, 38,7% a mais que o período referente a 2017, que foi de R$ 385 milhões. O documento traz como justificativa para o número exorbitante o fato de o Cruzeiro ter buscado 'recursos em instituições financeiras e terceiros através de empréstimos e financiamentos, além do aumento da sua dívida fiscal, social e trabalhista.'

VENDA DE ARRASCAETA

Apesar de ter negociado o uruguaio De Arrascaeta com o Flamengo em janeiro do ano passado, a venda foi incluída no balanço de 2018, o que provocou polêmica no clube. No documento aprovado em abril de 2019, havia essa ressalva sobre a transação entre os clubes. No novo demonstrativo contábil, não há mais a quantia de R$ 44.390.000 referente à compra da parte dos direitos econômicos do meio-campista pertencentes ao Cruzeiro pelo rubro-negro.


Tags: cruzeiro dívida auditoria balanço FGTS interiormg conselho fiscal