Futebol Nacional

Série B

A situação do Rubro-negro "virou"

As derrotas seguidas do Sport abalaram a confiança que a torcida tinha em Martelotte

postado em 05/08/2013 09:12 / atualizado em 05/08/2013 09:16

Celso Ishigami /Diario de Pernambuco

Teresa Maia/DP/D.A Press
Fim da lua de mel. Depois de ver o time ser goleado pelo América-MG e sofrer uma virada nos minutos finais da Chapecoense, o técnico Marcelo Martelotte sentiu a pressão da torcida do Sport pela primeira vez. Apontado como um dos culpados pelos maus desempenhos do Leão nas últimas rodadas da Série B, o treinador tentou minimizar os xingamentos que ouviu no sábado. Os dirigentes leoninos garantem que o “prestígio” do treinador continua o mesmo. Mas é bom vencer neste semana. Caso contrário…

Boa parte dos 19.419 torcedores atribuíram a queda do rendimento do Sport no jogo com a Chapecoense às alterações promovidas pelo treinador. Antes mesmo do gol de empate da equipe catarinense, já era possível ouvir alguma chiadeira. Suficiente para incomodar o técnico, que chegou a se virar para as sociais e pedir paciência aos torcedores. Com a virada, as reações pontuais viraram xingamentos generalizados, direcionados a Martelotte.

Desta forma, os dois compromissos que o Sport tem longe da Ilha do Retiro podem ser encarados de duas maneiras diferentes. Por um lado, o time terá tempo para recuperar a confiança do torcedor, sem ter que encarar tanta pressão. Por outro, os rubro-negros terão de se virar para somar o máximo de pontos nessas partidas sem a força das arquibancadas. Novos tropeços podem inviabilizar a manutenção do treinador no cargo, como admite o diretor de futebol leonino Marcos Amaral. “No Brasil ninguém consegue segurar treinador com uma sequência muito ruim. A regra é simples: vencer”, destacou o dirigente.

ASA

Amanhã, às 19h30, em no estádio Municipal de Arapiraca

Os alagoanos entram no confronto em situação justamente oposta à do Sport. A virada sobre o Oeste, fora de casa, tirou o ASA da zona de rebaixamento e deu aos alvinegros a motivação que o time precisava para iniciar uma necessária reação na Série B para evitar a queda.

São Caetano

Sábado, às 16h20, no Anacleto Campanella


A situação do São Caetano na Segundona não é nada tranquila. Sem poder contar com seu principal jogador, o atacante Danielzinho, que rompeu o ligamento do joelho, o Azulão tem sofrido para encontrar um padrão de jogo. No sábado, a equipe paulista perdeu para o Icasa por 3 a 2, de virada, depois de abrir 2 a 0.