Tênis

Disputa escaldante

postado em 13/01/2013 08:33 / atualizado em 13/01/2013 16:20

AFP


O calor superior a 30 graus do verão de Melbourne promete esquentar ainda mais a disputa pelo título do primeiro – e mais imprevisível – Grand Slam da temporada do tênis profissional, o Aberto da Austrália, que começa hoje, com jogos a partir das 22h (de Brasília), avançando pela madrugada. Atual bicampeão do torneio e número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic chega como favorito no masculino, com o suíço Roger Federer e o escocês Andy Murray como principais ameaças.

Ao contrário dos outros três Grand Slams (Aberto da França, Wimbledon e U.S. Open), o Aberto da Austrália não permite hegemonias. Desde o início da era aberta, em 1969, nenhum tenista conseguiu vencer três vezes consecutivas. Djokovic, vencedor em 2007 e das duas últimas edições, pode se tornar o primeiro, além de igualar os recordistas Roger Federer e Andre Agassi, únicos que venceram quatro vezes em Melbourne Park.

Djokovic estreia na madrugada de amanhã, por volta da 1h, contra o francês Paul-Henri Mathieu. Sem o espanhol Rafael Nadal – com quem protagonizou a épica final do ano passado, que durou quase seis horas –, que está afastado do circuito há sete meses por lesão no joelho, Djoko terá uma chave mais tranquila, com um possível confronto com o tcheco Tomas Berdych nas quartas e com o espanhol David Ferrer nas semifinais. Do lado de cima dessa chave, a disputa mais equilibrada promete ser entre o veterano anfitrião Lleyton Hewitt com o sérvio Janko Tipsarevic, amanhã, às 6h.

Federer e Murray podem se enfrentar nas semifinais da parte de baixo da chave, que tem ainda o argentino Juan Martin Del Potro e o francês Jo-Wilfried Tsonga, outros top-10 especialistas em quadra rápida. Único brasileiro na chave principal, Thomaz Bellucci terá os quatro pelo caminho se avançar a partir da terceira rodada. Ele estreia na madrugada de terça-feira contra o eslovaco Blaz Kavcic. Os dois têm um único duelo no circuito profissional, com vitória de Bellucci no saibro de Gstaad, no passado, por duplo 6/1. “Ele (Kavcic) gosta de jogar pontos longos, não joga tão agressivo e é sólido”, analisou o brasileiro.

FEMININO

Entre as mulheres, a norte-americana Serena Williams, que perdeu apenas um jogo desde o início do segundo semestre do ano passado, é candidata a levantar o 16º troféu de slam de sua carreira, o quinto em Melbourne. A bielo-russa Victoria Azarenka, número 1 do mundo e atual campeã, e a russa Maria Sharapova, finalista do ano passado, também são candidatas. Sharapova estreia hoje, às 22h, contra a compatriota Olga Puchkova. A anfitriã Samantha Stosur, campeã do U.S. Open’2011, sonha quebrar o tabu de 35 anos sem título australiano em casa.

Maratona

5h53

foi a duração da final do ano passado, entre Djokovic e Nadal, vencida pelo sérvio por 3 a 2 – 5-7, 6-4, 6-2,
6-7(5-7) e 7-5. Foi a mais longa decisão de Grand Slam da história

CAMPEÕES

Era aberta (desde 1969)


4

Andre Agassi-EUA (1995, 2000, 2001 e 2003) e Roger Federer-SUI (2004, 2006, 2007 e 2010)

3

Mats Wilander-SUE (1983, 1984 e 1988) e Novak Djokovic-SER (2008, 2011 e 2012)

2

Ken Rosewall-AUS (1971 e 1972), Boris Becker-ALE (1991 e 1996), Jim Courier-EUA (1992 e 1993), Stefan Edberg-SUE (1985 e 1987), Johan Kriek-EUA (1981 e 1982), Ivan Lendl-TCH (1989 e 1990), John Newcombe-AUS (1973 e 1975), Pete Sampras-EUA (1994 e 1997) e Guillermo Vilas-ARG (1978 e 1979)

1

Rod Laver-AUS (1969), Arthur Ashe-EUA (1970), Jimmy Connors-EUA (1974), Mark Edmondson-AUS (1976), Rascoe Tanner-EUA (1977), Vitas Gerulaitis-EUA (1977), Brian Teacher-EUA (1980), Petr Korda-TCH (1998), Yevgeny Kafelnikov-RUS (1999), Thomas Johansson-SUE (2002), Marat Safin-RUS (2005) Rafael Nadal-ESP (2009)