UAI

2

Daniel Carvalho relembra Cruzeiro 6x1 Atlético e polemiza sobre Cuca

Ex-meia-atacante, que defendeu o Galo nos anos de 2010 e 2011, opinou que Cuca "tinha carinho" pela Raposa e não gostaria de ver o rival na Série B

30/06/2022 17:20 / atualizado em 01/07/2022 12:12
compartilhe
Daniel Carvalho (dir.) em lance com Leandro Guerreiro durante Cruzeiro 6x1 Atlético, em 2011
foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press

Daniel Carvalho (dir.) em lance com Leandro Guerreiro durante Cruzeiro 6x1 Atlético, em 2011


O ex-meia atacante Daniel Carvalho, que defendeu as cores do Atlético nos anos de 2010 e 2011, relembrou, em entrevista à Rede 98, a goleada sofrida diante do Cruzeiro, por 6 a 1, pelo Campeonato Brasileiro de 2011. O ex-atleta recordou a sua indignação com o resultado e polemizou ao falar sobre o técnico Cuca, que comandava o Galo àquela altura.
 

Imagens da goleada histórica por 6 a 1 do Cruzeiro sobre o Atlético

 

No fim das contas, bastava um empate na 38ª rodada para que o Atlético rebaixasse - de forma inédita até então - o rival Cruzeiro em clássico disputado na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Mas o que se viu naquele 4 de dezembro de 2011 foi um tanto quanto inesperado: a Raposa "sobrou" diante de um apático Galo e aplicou um sonoro 6 a 1, livrando-se do descenso e escrevendo uma das memoráveis páginas da principal rivalidade mineira.

Daniel Carvalho enfatizou que, até os dias atuais, não entende a goleada. O ex-jogador do Atlético acredita, inclusive, que sua postura de indignação foi o fator propulsor de sua saída do Galo - aquela seria sua última partida com a camisa preta e branca.

"Até hoje, eu fico sem entender. Eu acho que a minha 'demissão' foi naquele jogo, porque eu entrei no intervalo chutando o negócio de Gatorade, gritando, brigando, e todo mundo quieto, fechado, de cabeça baixa. E eu sou assim. Sempre fui aquela pessoa de achar que quando algo está errado, dar minha opinião. Acabo expondo. Naquele momento, eu fui o único que gritou no intervalo do jogo: 'Gente, me desculpa, não podemos tomar seis'", relembrou.

"Eu fui acostumado aqui no Sul de jogar Grenal, ser criado no Internacional, e se eu tenho oportunidade de derrubar o Grêmio, eu vou com força. Se eu tiver que concentrar cinco dias seguidos para derrubar o Grêmio, eu vou concentrar cinco dias seguidos e vou derrubar o Grêmio. E naquela época, nós tínhamos a faca e o queijo para derrubar o Cruzeiro.(...) A gente acabou tomando os gols ali que eu, sinceramente, não consigo entender até hoje. Acho que se eu tivesse calado minha boca e ficado quieto, daqui a pouco eu teria ficado no Atlético no ano seguinte.", completou.
 

Jogadores do Cruzeiro comemoram goleada sobre o Atlético

 

Carvalho ainda brincou com um dos gols do Cruzeiro, marcado por Roger, ao opinar que o atacante não tinha a velocidade necessária para atravessar todo o campo sem ser desarmado. "Teve um gol que me chamou atenção, que foi o do Roger. O Roger Flores atravessou o campo numa cobrança de escanteio nossa, de área a área, e fez o gol. Aí eu falei: 'Não, não, não'. Parei um pouquinho. 'Algo está errado, não pode ser normal!'. Agora, se pegasse um jogador de velocidade, que atravessasse de área a área, beleza. Mas o Roger era mais 'inhaca' que eu (risos). Algo estava errado", opinou.

Polêmica ao falar sobre Cuca


O ex-meia-atacante do Atlético ainda polemizou ao falar sobre Cuca, que comandava o Atlético naquela época após deixar o Cruzeiro. Na avaliação de Daniel Carvalho, o treinador que viria a se tornar ídolo do Galo "tinha um carinho" pela Raposa e "não gostaria de ver o Cruzeiro na Segunda Divisão".

"O Cuca, querendo ou não, tinha muito vínculo com o Cruzeiro naquela época, porque tinha saído do Cruzeiro e assumido o Atlético. Ele tinha um carinho, um respeito pelo Cruzeiro também. Acho que, para o Cuca, foi o melhor resultado. De repente, o Cuca queria que a gente perdesse. Pode ser que sim, mas não de seis, né? Acredito que o Cuca não gostaria de ver o Cruzeiro na Segunda Divisão", opinou.

"Enfim, são situações que até hoje eu paro para pensar. Não consigo entender. É que nem eu falo: infelizmente, eu acabei participando do maior fiasco da história do Atlético e vou ter que levar pelo resto da vida", encerrou.

Daniel Carvalho deixou o Atlético no início de 2012, com 43 jogos disputados e seis gols marcados. Ele não conquistou títulos pelo Galo. Por sua vez, Cuca viria a se tornar um dos maiores nomes da história do clube, conquistando três Campeonatos Mineiros, um Campeonato Brasileiro, uma Copa Libertadores da América e uma Copa do Brasil.

O Superesportes tentou contato com Cuca, mas o treinador preferiu não responder às declarações de Daniel Carvalho.

Coleção do Atlético em parceria com a Adidas



Compartilhe