Cruzeiro

Crise

Com salários atrasados, elenco entrega carta de repúdio às ironias de Gilvan

Jogadores não gostaram nem um pouco das declarações do presidente celeste

postado em 31/01/2012 11:43 / atualizado em 31/01/2012 13:04

Jorge Gontijo/EM/D.A Press
O goleiro e capitão Fábio, junto com outros jogadores do elenco atual do Cruzeiro, distribuíram, nesta terça-feira, uma carta aberta à imprensa, repudiando as declarações do presidente do clube Gilvan de Pinho Tavares, no último dia 19, a respeito do atraso de salário do clube.

A carta, assinada por todos os atletas, rechaçou a atitude irônica do mandatário celeste, quando comentou a situação dos jogadores: “essa miséria que os jogadores ganham, se atrasar três dias, faz muita falta”.

Apesar da insatisfação pelas declarações de Gilvan, os atletas ressaltaram que continuarão cumprindo com as obrigações no Cruzeiro, independentemente da crise financeira pela qual passa o clube.

Leia a reportagem do Superesportes sobre a ironia de Gilvan de Pinho Tavares


Confira, na íntegra, a carta distribuída pelos jogadores:

Estamos indignados com a declaração irônica do presidente (Gilvan de Pinho Tavares) sobre o atraso de salários.

Fomos completamente surpreendidos com a matéria publicada na página do Cruzeiro no globoesporte.com, principalmente porque até o presente momento nenhum atleta do elenco comentou sobre esse assunto publicamente, nem tampouco deixou de realizar os trabalhos propostos pela equipe técnica nesta pré-temporada, muito pelo contrário!

Estamos há mais de 15 dias concentrados realizando todas as nossas obrigações, focados em nosso objetivo para 2012 e entendemos a complicada situação que o Clube se encontra.

Sendo muito ou pouco, o salário é um direito de todo o trabalhador. Gostaríamos de deixar claro que independente da nossa insatisfação perante tal declaração, continuaremos cumprindo com nossas obrigações - com ou sem quitação de salário na data prometida.

Ass: Atletas


O Superesportes procurou o presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares, o diretor de futebol, Dimas Fonseca, e o diretor de comunicação, Guilherme Mendes, para ouvir uma posição do Cruzeiro sobre o assunto, mas eles não foram encontrados.