Cruzeiro

CRUZEIRO

Sobre sonho do Cruzeiro de gerir Mineirão, Minas Arena dá recado: 'Colocamos R$666 milhões e queremos o retorno'

Diretor comercial da concessionária se posicionou depois que o clube celeste enviou ofício ao Governo de Minas solicitando administração do estádio

postado em 09/04/2019 20:44

<i>(Foto: Secopa MG/Divulgação)</i>
Depois de o Cruzeiro revelar que enviou um ofício ao Governo de Minas Gerais manifestando desejo de administrar o Mineirão, o diretor comercial da Minas Arena, concessionária responsável pela gestão do estádio até 2037, respondeu. Em entrevista à Rádio Itatiaia, Samuel Lloyd lembrou que o consórcio assumiu empréstimo de R$ 666 milhões para realizar a reforma do estádio, entre 2010 e 2012, e não abrirá mão do retorno financeiro.

“Eu acredito que tudo é possível, basta querer. Não é assim na vida? Acho que tem que pegar ônus e bônus. Não pode só pegar o estádio pronto, sem arcar com todo investimento que foi feito lá atrás. A Minas Arena colocou R$666 milhões na construção do estádio e espera que esse dinheiro retorne. Se o Cruzeiro quiser, estamos à disposição para negociar”, disse o diretor.

Em entrevista à Rádio 98FM, de Belo Horizonte, também nesta terça-feira, o vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Itair Machado, afirmou que se reuniu com o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) para tratar da possibilidade de o clube gerir o Mineirão. 

“Estivemos com o governador, há 15, 20 dias, entregamos ofício, explicando toda a situação, explicando que o Cruzeiro quer administrar o Mineirão. Pra ele levantar os erros que tem lá, acabar com o contrato dessas empresas, inclusive uma delas é da Lava-Jato, não sei falar qual”, afirmou o dirigente.

Na entrevista que concedeu ao Superesportes em 11 de novembro, Itair já havia manifestado o interesse do Cruzeiro de administrar o estádio. Na ocasião, ele revelou, pela primeira vez, um encontro com o então governador Fernando Pimentel (PT) para fazer a mesma solicitação de gerir o Mineirão. “Nada mais justo que, em vez de construir um estádio, o Cruzeiro administrar e fazer um comodato com o Mineirão. É disso que estamos atrás”, afirmou o vice de futebol na oportunidade. 

O contrato do projeto de Parceria Público Privada do Mineirão foi assinado em 21 de dezembro de 2010, celebrado entre o Núcleo Gestor das Copas, a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG) e a Minas Arena. O valor do contrato é de R$ 677.353.021,85, sendo que a concessionária financiou R$666 milhões. O prazo de vigência da concessionária é de 27 anos, finalizando no ano de 2037, com a previsão de prorrogação contratual até 2045.

Briga judicial

No dia 3 de abril, a Minas Arena notificou o Cruzeiro com prazo de 30 dias para pagamentos de débitos referentes aos custos operacionais do Mineirão. A administradora do estádio diz que já chegou ao seu limite, uma vez que a dívida do clube celeste já atinge R$ 26 milhões. 

Entre 2013 e 2015, são R$ 12 milhões em dívidas. Em 2016 e 2017, R$ 12 milhões e 400 mil. Só na administração Wagner Pires de Sá, o clube deixou de pagar quase R$ 2 milhões.

A briga judicial entre Minas Arena e Cruzeiro começou em março de 2016. Na época, o valor exigido pela concessionária era de R$ 9 milhões.

Em 2013 e 2014, balanço financeiro da administradora do estádio já indicava dívidas de R$1,64 milhão e R$3,89 milhões, respectivamente. A antiga administração do clube, responsável pela dívida milionária, justificava o não pagamento da taxa de operação porque a operadora concedeu a isenção dessa taxa ao Atlético na decisão da Copa Libertadores contra o Olimpia-PAR, em 2013.

Desde junho de 2016, o Cruzeiro é obrigado a depositar em juízo 25% da renda líquida dos jogos realizados no Mineirão. 

Pagamento das taxas

De acordo com Samuel Lloyd, Cruzeiro e Atlético arcam com percentuais diferentes da taxa de operação do Mineirão na atualidade. Por ter um contrato de fidelidade de 25 anos com a Minas Arena, o clube celeste assume, por contrato, 70% dos custos operacionais. O Atlético, por sua vez, banca a totalidade das taxas por não ser um parceiro permanente da concessionária. 

“Existem relações comerciais diferentes. Então, o contrato do Cruzeiro, como é um contrato longo, de fidelidade por 25 anos, dá ao Cruzeiro alguns benefícios que o Atlético, por exemplo, não tem. Então, no caso do Cruzeiro, e essa cobrança é relativa a isso, o Cruzeiro paga 70% dos custos da partida no Mineirão. O que da aí uma média de R$ 140 mil por partida. Se você comparar com qualquer outra grande arena no Brasil, o nosso custo é muito baixo. É uma excelente negociação comercial com o Cruzeiro em função do longo período e da garantia de todos esses jogos. No caso do Atlético, ele paga 100% dos custos da partida e mesmo assim é extremamente positivo para o clube porque ele tem um excelente resultado dentro da arena”, disse Lloyd à Itatiaia. 

Tags: Minas Arena mineirão futnacional cruzeiro interiormg