Cruzeiro

CRUZEIRO

Análise: cinco pontos que escancaram as falhas de planejamento e a falta de convicção do departamento de futebol do Cruzeiro

Ex-jogador e treinador do clube, Deivid é o atual chefe da pasta

postado em 16/10/2020 08:00 / atualizado em 15/10/2020 21:28

(Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)
Além das derrotas dentro de campo, o Cruzeiro tem acumulado vexames fora das quatro linhas. Se administrativamente mostra uma equipe engajada na tentativa de solucionar o rombo nos cofres deixado pelo ex-presidente Wagner Pires de Sá, que levou o nome do clube para o noticiário policial, no departamento de futebol a gestão Sérgio Santos Rodrigues coleciona falhas de planejamento e deixa escancarada a falta de convicção nas tomadas de decisões.

Prova de que o caminho trilhado estava longe do ideal foi a recente reformulação do organograma, que resultou na demissão do então diretor de futebol, Ricardo Drubscky. Principal membro do grupo desde junho, o ex-jogador Deivid acabou deslocado para o cargo de chefe do departamento. 

O Superesportes listou cinco pontos que evidenciam os problemas do Cruzeiro na gestão do futebol. Leia abaixo:

1. Trocas de treinadores 


Apesar de encampar um discurso de mudança, a nova gestão repete erros cometidos pelo Cruzeiro no ano passado. A troca constante de treinadores é um deles. Se em 2019 passaram pelo clube Mano Menezes, Rogério Ceni, Abel Braga e Adilson Batista, nesta temporada já foram três comandantes em 10 meses.

Substituto de Adilson Batista, Enderson Moreira foi demitido com 44 dias de trabalho em campo (aproveitamento de 58%)- ele foi anunciado durante a paralisação pelo coronavírus -, enquanto Ney Franco (aproveitamento de 33,3%) teve apenas 32 dias para tentar mudar a realidade celeste.

(Foto: Montagem com fotos de Gustavo Aleixo/Cruzeiro)
Nessa quinta-feira, o Cruzeiro anunciou o início da 'era Felipão'. Caberá ao treinador a missão de dar um fim no momento desastroso vivido pelo time dentro das quatro linhas. A ideia é que, diferentemente de Enderson e Ney Franco, o treinador gaúcho tenha tempo de trabalho. Ele assinou contrato até dezembro de 2022. 

2. Contratações em excesso e sem a data para o registro


Desde junho, o Cruzeiro já anunciou sete reforços: os laterais Daniel Guedes, Rafael Luiz, Raúl Cáceres e Giovanni; o meia Claudinho, além dos atacantes Airton e Arthur Caíke. 

Outras três contratações, no entanto, foram realizadas sem que os jogadores pudessem sequer ser registrados em função de uma punição aplicada pela Fifa no início de setembro. Os meias Giovanni, ex-Coritiba, e Matheus Índio, ex-Estoril-POR, e o atacante Angulo, ex-Palmeiras, treinam, mas não podem atuar.

Para além desses 10 nomes, quatro jogadores que participaram da campanha de 2019, ano do rebaixamento à Série B, ganharam novas oportunidades na Toca II. São eles os volantes Jadson e Henrique, o meia Marquinhos Gabriel e o atacante Sassá. O zagueiro Manoel, emprestado ao Corinthians no ano passado, também retornou. Ou seja, 15 jogadores foram inseridos no elenco pelo departamento de futebol nos últimos quatro meses. 

3. Elenco inchado


Todos esses jogadores, contratados ou que retornaram ao clube, deixaram o grupo inchado. A página do site oficial do Cruzeiro, que mostra as informações de todos os atletas, reúne 35 nomes - Popó, devolvido à base, ainda consta nesta relação. Zé Eduardo e Jadson, por outro lado, ainda não. Com os três que ainda não estão registrados, esse número alcança, portanto, 39 atletas.

(Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)
Em junho, quando trabalhava o planejamento, o então chefe do departamento de futebol, Ricardo Drubscky, revelou que o desejo inicial era de ter, no máximo, 30 atletas no grupo. Depois, admitiu aumentar o número para até 32. Hoje, são quase 40. 

Vale lembrar que, de acordo com Ney Franco, que acabou demitido na última semana, o Cruzeiro ainda busca um primeiro volante, já que Jean deverá passar por cirurgia, e um atacante de beirada.

4. ‘Ioiô’ dos jogadores


Indicando a falta absoluta de convicção, o departamento de futebol do Cruzeiro realizou verdadeiro ‘ioiô’ com vários jogadores, especialmente das categorias de base. O atacante Caio Rosa, por exemplo, foi promovido e devolvido à Toca I em cinco oportunidades até ser negociado com o Sharjah FC por R$ 3,3 milhões.

O zagueiro Paulo Eduardo, os laterais Danilo e Matheus Pereira - que quase deixou o clube -, e os atacantes Riquelmo e Alejandro foram outros que enfrentaram esse desgaste.

Casos parecidos também viveram Giovanni e Welinton. O lateral-esquerdo foi afastado pelo Cruzeiro - em decisão que até hoje pairam dúvidas - em 7 de setembro e reintegrado duas semanas depois. O atacante Welinton chegou a se despedir do clube nas redes sociais, dizendo que havia sido informado de seu desligamento, mas voltou aos planos na semana seguinte.  

5. Salários atrasados


Embora tenha garantido reiteradas vezes que os salários dos jogadores seriam pagos em dia, o Cruzeiro não conseguiu cumprir esse dever. Atrasou duas folhas seguidas do elenco e também teve dificuldades para acertar os vencimentos dos colaboradores.

Apesar dos atrasos, que se tornaram constantes nos últimos meses, o departamento de futebol acertou, mesmo assim, retornos de jogadores que aumentaram ainda mais a folha de pagamento do grupo de atletas. 

(Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)

Tags: Cruzeiro serieb interiormg futnacional Deivid