MMA

UFC

Mineira de Muriaé, Poliana Botelho luta no UFC em busca de nova fase

Atleta vai ao octógono neste sábado e conversou com o Superesportes

postado em 29/04/2021 09:03 / atualizado em 30/04/2021 21:21

(Foto: UFC/Divulgação)
Representante de Minas Gerais no card principal do UFC deste sábado, em Las Vegas, Poliana Botelho terá duelo brasileiro contra Luana 'Dread', pelo peso mosca (até 57kg), no card principal. A mineira nascida em Muriaé, na Zona da Mata, que reside e treina no Rio de Janeiro, sobe ao octógono pela reação e projeta afirmação na divisão até 57kg. 

Poliana, de 32 anos, vem de derrota para a canadense Gillian Robertson, por decisão unânime, em outubro de 2020, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Foi o segundo revés da mineira em cinco participações nos eventos da franquia. Com a criação do peso mosca, categoria de origem da lutadora, ela disse que se sente mais à vontade e confiante para buscar o embalo e conquistar espaço. 

Em entrevista ao SUPERESPORTES, Poliana Botelho comentou sobre a dificuldade de ter a adversária trocada duas vezes para o evento deste sábado. Ela enfrentaria, primeiro, a sul-coreana Ji Yeon Kim, que acabou se contundido e deixou o card. Depois, a também mineira Mayra Bueno Silva foi escolhida como substituta, mas também se lesionou. O UFC convocou Luana Dread, que soma uma vitória e uma derrota na organização e foi contratada após participar do Contender Series, projeto do presidente Dana White para descobrir novos talentos. 

Além da dificuldade para traçar estratégia diferente em tempo curto diante de uma nova oponente, Poliana foi prejudicada por lesões, tanto dela como das adversárias, o que a impediu de ter uma sequência maior no UFC. Em 2021, ela pretende lutar mais vezes para mostrar serviço, ganhar ritmo e também brigar pelo topo da divisão dos moscas, que tem como campeã a quirguiz Valentina Shevchenko. 



CONFIRA A ENTREVISTA COM POLIANA BOTELHO


Você teve adversária trocada duas vezes durante o camp de preparação. Depois, veio a confirmação da luta contra Luana Dread. Até que ponto isso prejudica?
 
O tempo que a gente tem para treinar especificamente para aquele adversário fica um pouco menor, sim. Eu tive que montar três vezes a minha estratégia - uma diferente da outra, porque cada oponente trazia uma dificuldade diferente. No caso da Luana, eu fiz um mês de camp específico para ela.

Você chegou ao UFC para lutar como peso palha. Nas duas lutas anteriores, atuou pelo peso mosca. Você prefere qual divisão? Pretende investir mesmo na categoria até 57kg?

Na verdade, o peso palha nunca foi minha divisão. Na época que eu entrei no UFC, ainda não existia a divisão peso mosca e eu tive que fazer essa escolha de descer. Mas o peso-mosca é a minha divisão de origem, é onde me sinto bem, é onde fui campeã do XFC.

Você enfrentou uma rival experiente, a Gillian Robertson, e agora terá pela frente a Luana, que veio do Contender Series e não tem muita rodagem no UFC. Isso interfere na luta? 

Olha, eu tento não pensar. O importante é eu sair com o braço levantado no final. Mas penso que se a pessoa chegou no UFC, que é o maior evento do mundo, ela tem capacidade para estar lá. Precisamos respeitar todo mundo por igual, não pelo cartel ou quantidade de lutas. Se ela esta lá, é porque ela merece.



O fato de ter uma adversária com menos tempo de preparação para a luta, como no caso da Luana, pode ser positivo na luta?

Eu não acho que ela esteve parada esse tempo todo. Nós, atletas profissionais, nos mantemos treinando o tempo inteiro porque sempre pode acontecer uma luta em cima da hora. 

Com cinco lutas disputadas no UFC, você já se considera mais experiente e pronta para embalar?

Eu acho que a gente sempre tenta estar sempre preparada, mas é uma adrenalina muito grande. Eu acho que demoro muito pra lutar e isso me prejudica. Quero ter mais lutas com menos tempo de intervalo.

Você sente falta do público nos eventos? Pretende lutar mais vezes este ano, já que os fãs voltarão aos poucos? 

Eu quero fazer mais lutas, eu tenho condição física de fazer mais lutas. Eu quero lutar mais mesmo, no mínimo três vezes no ano. Sei que meu corpo super suporta. A adrenalina de ver o evento de sábado foi incrível. É uma emoção diferente ver o público gritando.

(Foto: UFC/Divulgação)


Você acha que o domínio de Valentina Shevchenko no peso mosca vai durar muito? Ou já vê alguma oponente em vista para ser a futura campeã?

Eu acho que ainda dura muito tempo. A categoria é muito nova, muito carente de atletas. Ela está crescendo, mas eu acho que ainda demora um tempo. A Valentina é uma atleta diferenciada.

Na sua opinião, o que falta para você soltar mais o jogo no octógono? Você acha que as lutas estão mais disputadas e isso dificulta? As lutadoras se estudam muito, e isso deixa as lutas mais estratégicas?

Parece que eu só pego lutadora de chão e a gente não consegue soltar o jogo em pé. Acabo me travando com a quantidade mínima de golpes.

Você se considera totalmente adaptada ao ritmo de vida no Rio de Janeiro? Como foi deixar Muriaé para buscar a sorte no UFC? Em tempos de pandemia, como é o contato com a família e amigos?

No início foi bem complicado porque são totalmente diferentes: Minas e Rio. Cidade pequena, cidade grande. Muitos amigos, viver só com os amigos do trabalho. São realidades totalmente opostas. Mas hoje em dia eu sinto que eu moro no Rio, é meu lugar, minha vida é ali. Muriaé é a minha cidade do coração e eu tenho orgulho gigante de representar e ser de lá, mas minha vida é no Rio.

Quando estou em camp, quase não encontro com eles mesmo por conta da distância. Mas quando posso, vou para a casa da minha irmã em Belo Horizonte ou minha mãe em Muriaé. Nossa família é muito unida. 



UFC Vegas 25: Reyes x Prochazka


Sábado, 1º de maio
Local: UFC Apex, em Las Vegas (EUA)
Horário (de Brasília): card preliminar (20h); card principal (23h)
Transmissão: Canal Combate (na íntegra)

CARD PRINCIPAL

Dominick Reyes x Jiri Prochazka
Cub Swanson x Giga Chikadze
Ion Cutelaba x Dustin Jacoby
Sean Strickland x Krzystof Jotko
Merab Dvalishvili x Cody Stamann
Poliana Botelho x Luana Dread

CARD PRELIMINAR

Luana Pinheiro x Randa Markos
Gabriel Benitez x Jonathan Pearce
Kai Kamaka III x T.J. Brown
Loma Lookboonmee x Sam Hughes
Felipe Cabocão x Luke Sanders
Andreas Michailidis x KB Bhullar

Tags: muriaé las vegas UFC peso mosca Poliana Botelho Luana Dread