UAI

2

Atlético pedirá áudio do VAR em possível pênalti na vitória sobre Botafogo

Rodrigo Caetano criticou decisão do árbitro Raphael Klaus em lance envolvendo Ademir e reclamou de 'morosidade' da CBF em solicitações do clube

18/07/2022 11:44 / atualizado em 18/07/2022 13:15
compartilhe
Atlético venceu Botafogo com gol de Zaracho em partida apitada por Raphael Klaus, que deixou de marcar um pênalti, na interpretação do clube
foto: Pedro Souza / Atlético

Atlético venceu Botafogo com gol de Zaracho em partida apitada por Raphael Klaus, que deixou de marcar um pênalti, na interpretação do clube

Apesar da vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, o Atlético saiu na bronca com a arbitragem de Rafael Klaus. Em entrevista após o jogo, o diretor de futebol do Galo, Rodrigo Caetano, reclamou de um pênalti não marcado sobre Ademir, já no fim da partida, em lance que resultou em gol de Keno, que acabou sendo anulado por impedimento. 



O dirigente afirmou que o áudio do VAR será solicitado, mas ressaltou que a Comissão de Arbitragem da CBF, presidida por Wilson Seneme, deve a solicitação ser tratada com 'morosidade' em relação a outros clubes que estavam na mesma situação. 

"A gente faz o rito como é exigido no regulamento. Só não dá para ser velocidade para uns, morosidade para o Galo. Tem acontecido as solicitações do Galo e de outros clubes. Desde o jogo contra o Avaí que a gente pediu o áudio (do VAR),  mas não tivemos resposta. Nos causa estranheza e nos deixa chateados por termos dois pesos e duas medidas. Segundo a comissão de arbitragem, teve erro no jogo entre São Paulo e Palmeiras (pela Copa do Brasil). Na mesma noite, houve a divulgação do áudio do VAR e o afastamento dos árbitros do VAR", disse Caetano. 

Rodrigo Caetano também ressaltou que as constantes reclamações do Atlético sobre arbitragem não afetarão em casos de possíveis manifestações. 

"Se houver a interpretação que o Atlético só reclama, não nos importa. Não irão nos calar por meio dessa pressão. Chance zero.  Toda vez que o Atlético se sentir prejudicado, e principalmente, determinados clubes tiverem suas reclamações atendidas pela comissão de arbitragem, e nós não, iremos falar. Se de repente tivermos que passar uma semana na CBF para ser atendido, não tem problema", declarou. 


Lance no Engenhão


Comentarista de arbitragem dos canais Globo, o ex-árbitro Sandro Meira Ricci afirmou que o Atlético foi prejudicado por Raphael Claus, árbitro brasileiro que vai apitar a Copa do Mundo, durante a vitória sobre o Botafogo, por 1 a 0.

Após cobrança de falta de Hulk no travessão, Ademir pegou o rebote e foi derrubado por Del Piage. A bola sobrou com Keno, que balançou as redes em posição irregular.

Na visão de Sandro Meira Ricci, o lance em Ademir foi faltoso e o pênalti deveria ter sido marcado. Chamado ao VAR, Claus decidiu por não apitar a penalidade.

"A posição do Ademir era legal. Depois, houve uma penalidade no Ademir, penalidade do Del Piage. O gol não vai ser validado, porque o Ademir toca com a panturrilha na bola e a bola sobra para o jogador que estava impedido fazer o gol. Como o Ademir não estava impedido, na minha visão ele sofre a carga, sofre o pênalti. Tem que ser marcado, porque o jogador que faz o gol está em posição adiantada. Como havia o impedimento, mas houve o pênalti prévio, o pênalti tem que ser marcado. O pênalti é claro", disse Sandro.

Outras manifestações


No dia 11 deste mês, o Atlético solicitou à CBF a liberação do áudio do VAR da partida contra o São Paulo, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. As decisões do árbitro Anderson Daronco durante o jogo, somadas à forte declaração de Hulk ao fim do jogo, motivaram a reclamação do Galo, que solicitou as gravações. 

Na quarta passada (13), representantes do Atlético se reuniram com diretores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para discutir possíveis erros de arbitragem em jogos da equipe na Série A do Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil. 

 O staff alvinegro apresentou um compilado de lances polêmicos para a entidade. Segundo o clube, o encontro foi bastante cordial e rendeu conversas de 'altíssimo nível'.


Compartilhe