Cruzeiro

CRUZEIRO

De volta, Dedé fala sobre Seleção, maturidade, abatimento, e elogia Manoel: 'Melhor do Brasil'

Zagueiro treinou entre os titulares nessa quinta e pode ser novidade contra o Figueirense; ele falou pela primeira vez sobre o abatimento da perda da Libertadores

postado em 25/07/2014 07:58 / atualizado em 24/07/2014 19:27

Paulo Galvão /Estado de Minas

Rodrigo Clemente/EM/D.APress

O “Mito” está de volta. Sem disputar uma partida oficial desde 17 de maio devido a lesão em ligamento do joelho direito, o zagueiro Dedé voltou a treinar entre os titulares na tarde dessa quinta-feira, na Toca da Raposa II, e deverá ser a novidade do Cruzeiro para encarar o Figueirense, neste sábado, no Mineirão, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O jogador garante estar completamente recuperado e agradece ao técnico Marcelo Oliveira pela confiança que o permitiu ter paciência para se recuperar da forma adequada. “O Marcelo Oliveira é um cara muito bom para você conversar. Ele passa confiança para todos, pede para você se dedicar, pois a chances vão surgir. Voltei dos EUA ainda com um pouquinho de dor e ele me disse para não me apavorar, cuidar da lesão, trabalhar com tranquilidade e voltar quando estivesse 100%. Fiz isso e estou me sentindo muito bem”, declarou o camisa 26, mostrando muita tranquilidade.

Além de ter feito tratamento e aprimorado a forma física e técnica, ele aproveitou para cuidar também da mente. Pela primeira vez, Dedé admitiu ter se abatido com todos os acontecimentos do primeiro semestre, como a eliminação da equipe celeste nas quartas de final da Copa Libertadores e a não convocação para a Copa do Mundo de 2014, fatos já superados depois de muita reflexão.

“Comecei bem 2014, com o título estadual, mas fiquei baqueado com eliminação na Libertadores e isso atrapalhou um pouco. Meu rendimento caiu, mas isso me fez trabalhar ainda mais”, afirmou o defensor, que também conta com o apoio de familiares para voltar a jogar seu melhor futebol. “Minha família está aqui (em Belo Horizonte), minha noiva está morando comigo, tudo isso me ajudou bastante, me deixou mais maduro.”

Ainda aguardando a confirmação de que voltará a ser titular contra a equipe catarinense, ele acredita estar pronto caso seja escolhido por Marcelo Oliveira. “Treinei com o time considerado titular e fico feliz, pois venho pensando muito na minha carreira, no meu ápice no futebol. Venho trabalhando forte, sem dor, com força, e se tudo der certo vou estar pronto para jogar no sábado”, disse.

Apesar da possibilidade de voltar ao time, Dedé ressalta que a concorrência é grande no Cruzeiro e não poupa elogios aos demais zagueiros. “Os dois que vinham jogando (Leo e o recém-contratado Manoel) podem ser titulares em qualquer time do mundo. Não estou exagerando. Aproveitei a intertemporada nos EUA para aprender bastante com eles, conversamos bastante”, argumentou o jogador, que também avaliou Manoel como melhor zagueiro do Brasil no ano passado. Ambos fizeram parte da seleção dos melhores do Brasileirão. "O Manoel não vinha só bem, vinha muito bem. Ele estava voando. Foi o melhor do Brasil no último campeonato. Gosto de ver jogadores com seriedade que Manoel e Leo têm".

Sem mágoa

Quanto à Seleção Brasileira, o zagueiro se divide entre tentar entender o que ocorreu na goleada para Alemanha e o sonho de voltar a ser convocado agora que Dunga substituiu Luiz Felipe Scolari como treinador. “Fui convocado cinco vezes pelo Felipão, mas acabei ficando fora da Copa. Deu para ver que o time estava nervoso em certos momentos, mas, analisando friamente, foi mesmo um apagão o que ocorreu contra a Alemanha. Não houve como reagir e os alemães foram maduros e aproveitaram o baque do Brasil para fazer mais gols”, declarou ele. “O Dunga foi muito bem como técnico do Brasil, ganhou tudo que disputou, menos a Copa de 2010. É qualificado, merecia a segunda chance e tomara que ele dê tudo certo para ele, que ele dê felicidade para o Brasil. A mim resta trabalhar bastante e o Cruzeiro pode me ajudar muito a ser convocado novamente.”

Tags: seriea dedé manoel entrevista