Cruzeiro
1

CRUZEIRO

Henrique comenta crítica de Tostão e pede 'discurso e prática' alinhados para Cruzeiro vencer Avaí

Volante afirmou que está bastante incomodado com sequência ruim

postado em 09/08/2019 18:45 / atualizado em 09/08/2019 21:49

<i>(Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro)</i>
Às vésperas de cada jogo do Cruzeiro, os atletas sempre afirmam que “chegou o momento de ganhar”. Dentro de campo, porém, já são oito partidas sem vitória. Na opinião do volante Henrique, é preciso alinhar discurso e prática para acabar com a má fase. O time celeste enfrentará o Avaí, às 16h de domingo, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis-SC, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“É claro que a gente fica muito em cima dos resultados. Quando perde, a gente acha que está tudo errado. Às vezes nos expressamos verbalmente, mas nas atitudes não fazemos aquilo que expressamos. Temos que conciliar as coisas. Falou? Temos que fazer, colocar em prática. É assim que vamos sair dessa situação, desse momento. É com atitude e foco no trabalho, porque só assim vamos conseguir. É colocar alma e coração. Continuo com os mesmos pensamentos e as mesmas convicções que sempre tive na vida. É isso que nos trouxe a sair dos momentos difíceis e chegar às conquistas. É dessa forma que temos que encontrar as atitudes para que as coisas fluam da forma que a gente queira”.

Na edição da última quarta-feira de sua coluna na Folha de S. Paulo, o ex-jogador Tostão, maior artilheiro da história do Cruzeiro, com 242 gols, considerou o estilo da equipe “burocrático” e “previsível”. Ele chamou a atenção para o fato de Henrique e Ariel Cabral “desarmarem e tocarem para o lado”. Na opinião de Tostão, falta ao time alguém que “jogue de uma intermediária à outra”, casos de Edenilson, do Internacional, e Bruno Guimarães, do Athletico-PR.



Henrique considerou válido o comentário de Tostão, porém atrelou os percalços da equipe também às dificuldades impostas pelos adversários. “Respeito todas as opiniões, ainda mais de um grande ídolo da história do Cruzeiro. Sempre é muito válido ouvir esses comentários. Mas, é como falei, a gente faz uma coisa para usar no jogo, mas às vezes não sai da mesma maneira que pensamos e trabalhamos. Tem um adversário que induz você a mudar, que tem qualidade. Mas a gente sempre está a melhorar, a evoluir. É claro que quando você perde e continua perdendo, começa a achar muitas coisas. Temos de achar soluções. Vamos trabalhar, já temos conversado para ver essa mudança e essa melhora. Dessa forma chegaremos onde queremos”.

Incômodo


Nos últimos 18 jogos, o Cruzeiro venceu apenas um, além de oito empates e nove derrotas. Os maus resultados foram determinantes para a saída do técnico Mano Menezes. A diretoria busca um substituto. Dorival Júnior está na lista, assim como Rogério Ceni, do Fortaleza, e Adilson Batista, sem clube. Contra o Avaí, Ricardo Resende será treinador interino. O adversário de domingo está em momento bem pior, já que não ganha há 16 partidas (sete empates e nove derrotas).

“Já tem algum tempo que eles não vencem no campeonato. São duas equipes que vivem esse mau momento, nós com dificuldades, eles com dificuldades, nós querendo vencer, eles querendo vencer. Então será um jogo de muita disputa, muito difícil, com ambos os times querendo vencer. Não há jogo fácil, independentemente da situação das equipes. Temos de saber usar isso a nosso favor, pois eles estarão em casa, e buscar a vitória, único resultado que interessa”, frisou Henrique, reforçando o seu incômodo com a sequência ruim do time.

“Sempre incomoda. Ninguém gosta de conviver com derrotas. Acaba o jogo? Derrota. Acaba o jogo? Empate. Isso incomoda. Quem não se incomoda, não sabe qual a dimensão de vestir a camisa do Cruzeiro. A história do Cruzeiro sempre foi vencedora, e quem está aqui tem que ter espírito de vencedor, se revoltar com as derrotas, porque só assim voltaremos às vitórias”.

Treino


Ricardo Resende comandou treino sem a presença da imprensa nesta sexta-feira. Em entrevista na quinta, ele havia ressaltado o desejo de escalar um time ofensivo, elogiando o atacante Pedro Rocha e Marquinhos Gabriel. “É um grupo com muita qualidade, de atletas maduros, então a expectativa é manter uma equipe equilibrada, com o DNA do Cruzeiro de time ofensivo. Esperamos fazer um grande jogo para conquistar a vitória e elevar a autoestima para continuar fortes nos objetivos do Cruzeiro”. Diante do Avaí, o Cruzeiro não contará com Thiago Neves e Fred, suspensos. A Raposa está na zona de rebaixamento da Série A, em 18º lugar, com dez pontos em 13 jogos.

Tags: henrique seriea copadobrasil cruzeiro