Cruzeiro

CRUZEIRO

Abel compreende sentimento de torcedores que invadiram a Toca e promete entrega para livrar Cruzeiro de rebaixamento à Série B

Treinador celeste fez pronunciamento depois do treino desta terça-feira

postado em 01/10/2019 18:31 / atualizado em 01/10/2019 20:56

<i>(Foto: Cruzeiro/Reprodução)</i>
O técnico Abel Braga compreendeu o sentimento de paixão dos torcedores do Cruzeiro que invadiram a Toca da Raposa II nesta terça-feira, durante o treinamento da equipe, para protestar contra a campanha ruim no Campeonato Brasileiro e o consequente risco de rebaixamento à Série B.



A invasão ocorreu por volta das 16h, quando os atletas se preparavam para entrar em campo. Cerca de 20 integrantes da organizada Máfia Azul arrombaram o portão da Toca situado na esquina das ruas Adolfo Lippi Fonseca e Carlos Lacerda, no Bairro Trevo.

Os torcedores entraram no gramado e cobraram explicações de atletas como Thiago Neves, Edilson, Egídio e Fred. Abel Braga interveio na situação. Pouco depois, sete viaturas da Polícia Militar foram acionadas para prestar segurança no local. À imprensa, o técnico lamentou a interrupção do treinamento, mas frisou que a conversa ocorreu em tom pacífico e sem intercorrências.


“Não estamos aqui para contestar nada, conversamos de forma educada, e eles, claro, no auge da emoção, expuseram a mim e aos atletas aquilo que tinha vontade, sem ofender e nem agredir. Falei para eles que não é a melhor maneira, que a melhor maneira é combinando alguma coisa para fazer. Tivemos que parar treinamento, isso não é bom, como não é bom brigar com a torcida”.

De acordo com o comandante, os cruzeirenses que reclamaram no CT concordaram com a opinião de que o time fez boa partida na derrota por 1 a 0 para o Goiás, nessa segunda-feira, no Serra Dourada, em Goiânia.

“Vocês sabem que é complicado jogar em Goiânia por causa da umidade. Mas eles correram, vi o semblante de cada um no vestiário. No treinamento tático de domingo, a assimilação foi incrível. Posso falar aqui que os torcedores gostaram do que viram ontem, pediram que isso continue e eu prometi a eles que vai continuar, mas com um pouco mais de sorte e felicidade. Ontem foi acaso, o cara foi chutar a bola no gol, errou o chute, e o Ruschel entrou do outro lado”.

No fim de suas declarações, Abel assegurou que, com ou sem protesto, não faltará “alma e entrega” ao Cruzeiro na luta pela permanência na primeira divisão. “Para nós, não vai interferir em nada, porque, independentemente de como aconteceu ou se não tivesse acontecido, em cada metro de campo que o Cruzeiro entrar, não vai faltar alma, entrega e dedicação de entrar no limite”.

Na 17ª posição do Brasileiro, com 19 pontos, o Cruzeiro enfrentará o Internacional, sábado, às 21h, no Mineirão, pela 23ª rodada. 

Íntegra do pronunciamento do técnico Abel Braga


“Futebol tem duas coisas envolvidas que jamais vão deixar de existir. E a razão de qualquer clube de futebol do Brasil principalmente é a sua torcida. O dono de clube de futebol no Brasil é a torcida.

Nós temos que entender uma série de coisas que ocorrem, que às vezes poderiam ser resolvidas de forma diferente, mas não podemos nos esquecer da soberania do treinador e o que a envolve, que é a paixão e o sentimento.

Entendemos perfeitamente o momento que o Cruzeiro está passando. Meu sentimento - até por ter quebrado um paradigma em relação à minha forma de agir, de não pegar trabalho no meio - é de que eu peguei por haver um sentimento.

Hoje ocorreu nada mais que paixão. Uma paixão por um clube que, se não sairmos desse momento, vamos criar um fato inédito que é ver o Cruzeiro na segunda divisão. Mas o sentimento que tive ontem me trouxe uma convicção muito grande, muito real. Sei como os jogadores se sentiram, sei da maneira como se portaram.

Vocês sabem que é complicado jogar em Goiânia por causa da umidade. Mas eles correram, vi o semblante de cada um no vestiário. No treinamento tático de domingo, a assimilação foi incrível. Posso falar aqui que os torcedores gostaram do que viram ontem, pediram que isso continue e eu prometi a eles que vai continuar, mas com um pouco mais de sorte e felicidade. Ontem foi acaso, o cara foi chutar a bola no gol, errou o chute, e o Ruschel entrou do outro lado.

Não estamos aqui para contestar nada, conversamos de forma educada, e eles, claro, no auge da emoção, expuseram a mim e aos atletas aquilo que tinha vontade, sem ofender e nem agredir. Falei para eles que não é a melhor maneira, que a melhor maneira é combinando alguma coisa para fazer. Tivemos que parar treinamento, isso não é bom, como não é bom brigar com a torcida.

A torcida é azul, todos nós estamos vestidos de azul. Amanhã, qualquer ação diferente no jogo, você pode perder mando de campo. Nós podemos trazer coisas positivas por esse caminho, mas a partir do momento em que não deixamos extrapolar tanta emoção.

O que eles (torcedores) gostam dessa camisa e dessa cor, os jogadores também gostam, senão não tinham conquistados o que conquistaram aqui. Foi muito boa a participação dos atletas que conversaram com os torcedores. E se encerra.

Para nós, não vai interferir em nada, porque, independentemente de como aconteceu ou se não tivesse acontecido, em cada metro de campo que o Cruzeiro entrar, não vai faltar alma, entrega e dedicação de entrar no limite.

Ontem todos foram ao limite. Claro que saíram chateados com a derrota, porque sei o quanto fizeram para ganhar o jogo. O VAR, não estou questionando a anulação do gol, mas vocês viram a comemoração como foi, deu uma gelada ali.

Mas está todo mundo em pé. Queremos esse apoio e vamos guerrear com qualquer adversário para procurar o melhor para o Cruzeiro”.

Tags: Abel Braga futnacional interiormg seriea cruzeiro