Cruzeiro

CRUZEIRO

Segundo estudo, Cruzeiro levaria 200 anos para quitar sua dívida

Análise foi feita pela Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, atendendo a pedido de deputado que tem intenção de regulamentar clubes-empresas no Brasil

postado em 02/10/2019 16:55 / atualizado em 03/10/2019 09:55

<i>(Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Pr)</i>
Um estudo técnico feito pela Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados concluiu que o Cruzeiro levaria 200 anos para quitar suas dívidas, hoje estimadas em R$ 575 milhões, segundo balanço financeiro de 2018. Esse é apenas um dos resultados das análises feitas em finanças de 19 clubes das Séries A e B.

As conclusões levam em conta não apenas o tamanho das dívidas de cada clube, mas a origem, se os déficits têm sido estancados e como são as gestões de cada instituição. O Atlético, por exemplo, que tem dívida maior que a do Cruzeiro, estimada em R$ 652 milhões, segundo o balanço de 2018, levaria 29 anos para quitar o débito.

O levantamento foi feito pela Consultoria Legislativa a pedido do deputado federal Pedro Paulo (DEM-RJ), autor do Projeto de Lei que cria incentivos para clubes deixarem de ser associações sem fins lucrativos e se tornarem sociedades anônimas ou limitadas. A proposta facilitaria a entrada de sócios investidores, inclusive estrangeiros, no futebol brasileiro.

Outro dado do Cruzeiro que chama a atenção no estudo da Consultoria Legislativa é que o clube é o terceiro do país que mais compromete suas receitas anuais com folha de pagamento: 69%. Apenas Sport (75%) e Chapecoense (74%) gastam mais com salários.

Cruzeiro contesta

O diretor de Controladoria e Finanças do Cruzeiro, Flávio Pena, questionou o resultado do estudo. “Cálculo estático. Não considera novas monetizações do futebol (direito internacional, betting, Cruzeiro Go, novo programa de sócio, ...). Não leva em conta redefinição de perfil da dívida, políticas de austeridade para 2020”, disse.

Pena ainda defendeu a gestão de Wagner Pires de Sá, que assumiu o clube em 2018. “(O estudo) Não faz uma curva de tendência dos últimos anos. Desde janeiro de 2018 pagamos milhões em dívidas, o que comprometeu as despesas operacionais correntes”.

Uma das maiores críticas da oposição do Cruzeiro à gestão do presidente Wagner Pires de Sá foi a elevação dos salários de dirigentes, gerentes e funcionários com cargos de coordenação. Na diretoria, alguns salários superam os R$ 100 mil mensais, sem contar premiações. No Atlético, o gasto com pessoal representa 53% da receita, segundo o estudo.

A análise concluiu ainda que, apesar das dívidas de vários clubes, o mercado brasileiro é promissor para investidores estrangeiros.

O levantamento feito pela Consultoria Legislativa se baseou nos relatórios “Finanças dos clubes brasileiros em 2018”, da Sports Value, e "Análise Econômico Financeira dos Clubes de Futebol em 2018", de autoria do Itaú BBA.

Anos necessários para quitar dívidas:

São Paulo - 2 anos
Grêmio - 2 anos
Palmeiras - 3 anos
Goiás - 3 anos
Flamengo - 3 anos
Vasco - 6 anos
Corinthians - 7 anos
Fluminense - 9 anos
Bahia - 9 anos
Vitória - 10 anos
Sport - 10 anos
Coritiba - 11 anos
Internacional - 11 anos
Athletico-PR - 15 anos
Atlético - 29 anos
Botafogo - 34 anos
Cruzeiro - 200 anos
Santos e Chapecoense - não conseguiriam pagar suas dívidas

Fonte: Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados


Tags: wagner pires de sá 200 anos cruzeiro balanço finanças salários dívidas