Cruzeiro

CRUZEIRO

Áudios expõem clima áspero após Zezé Perrella afastar Giovanni Baroni de Conselho Gestor do Cruzeiro

Conselheiros trocaram farpas nesse fim de semana em grupo de WhatsApp

postado em 20/10/2019 07:00 / atualizado em 20/10/2019 11:55

<i>(Foto: Juarez Rodrigues/EM D.A Press)</i>
Se dentro de campo o Cruzeiro conseguiu um respiro no Campeonato Brasileiro ao vencer consecutivamente São Paulo e Corinthians, fora das quatro linhas o momento político ainda é de muita turbulência. Gestor de futebol e presidente do Conselho Deliberativo do clube, Zezé Perrella afastou Giovanni Baroni do Conselho Gestor, criado na última quinta-feira para auxiliar na busca por soluções dos problemas financeiros e administrativos da Raposa. O detalhe é que esse grupo nem sequer fez a primeira reunião oficial, marcada inicialmente para esta segunda-feira, às 17h, na sede administrativa do Barro Preto.

A decisão de Perrella de afastar Baroni gerou um clima hostil entre os dois. O Superesportes obteve cinco áudios enviados por eles a um grupo de conselheiros no WhatsApp, nesse fim de semana. O conteúdo transmite uma acalorada discussão.

Em um primeiro momento, Zezé direciona a mensagem a todos os participantes do grupo, garantindo que não sofreu nenhuma pressão de integrantes da Família União, ala favorável ao presidente Wagner Pires de Sá e ao ex-vice de futebol Itair Machado, para retirar Baroni. A decisão, conforme Perrella, seria em função de uma entrevista do conselheiro ao Globoesporte.com, na sexta-feira.

No mesmo grupo, Baroni rebate Zezé e assegura que seu afastamento se deu por causa de cobranças de conselheiros do grupo União. Na sequência, os dois voltam a mencionar a matéria do Globoesporte.com, com cada um defendendo a própria versão sobre os fatos. O diálogo ao qual o Superesportes teve acesso pode ser conferido tanto por escrito quanto em áudio (caso não consiga acessar, clique aqui):


Zezé Perrella: Para ficar claro para vocês, eu não sofri pressão nenhuma de ninguém e a indicação vai ser minha. Não é Wagner que vai indicar não. Eu não estou preocupado se Conselho lá vai aceitar, se não vai. Eu não estou preocupado com isso. Aliás, eu não sou candidato a nada, entendeu? Eu só retirei o nome do Giovanni pela entrevista que ele deu. Não é hora disso não. Eu peço a vocês, vamos ter paz, caramba. E quem é Wagner para me pressionar, ou quem é que seja para me pressionar. Eu sou imune a isso, até porque não tenho interesse nenhum no Cruzeiro a não ser ajudar o clube. A hora que eu achar que não estou ajudando, sou o primeiro a me retirar. Agora, vou fazer um apelo a vocês: vamos parar com essas frescuras no grupo. Vocês ficam com esses comentários que não soma nada. O Cruzeiro é muito maior do que todos nós, vamos remar juntos para frente, poxa.

Giovanni Baroni: Você foi pressionado, Zezé. Fizeram até abaixo assinado. Inclusive, você apagou o áudio que você me enviou ontem à noite, você disse assim: 'os caras estão putos porque você escreveu isso'. Por que você apagou o áudio, então, Zezé?

ZZP: Você, Giovanni, já que quer bater boca no grupo, fui claro para você que a decisão de tirar você foi minha pela entrevista que você deu. Você é incendiário, rapaz. Ajuda o clube.

GB: Foi não, Zezé. Você sabe que não foi por causa dessas declarações. Se você for na matéria toda... Você colocou um twitter (tweet) que pode ser de qualquer lugar. Você cortou não foi por isso não. Eu fiz uma declaração lá no Globoesporte, quem quiser pode entrar lá e ver se falei alguma coisa mal do Zezé, você recuou porque foi pressionado. Hoje, o Serginho (Sérgio Nonato, ex-diretor-geral) estava lá com o Gaúcho (Alexandre Comoretto, diretor social do Cruzeiro e principal articulador político da corrente União) fazendo abaixo assinado. Você não vai suportar essa pressão, irmão. É isso. Pode falar que é isso aí. Não tem problema não. Todo mundo sabe que é isso. Fica em paz, não precisa ficar falando que é isso e aquilo não. Vai lá e pega a matéria, todo o contexto. Se quiser, te mando a matéria. Você vai ver que não falo mal de você, muito pelo contrário. Eu só falo que aceitei a questão por confiar em você. Você está sendo vendido na história ou então está se fazendo vender. Inclusive, Zezé, os áudios que trocamos ontem, não sei porque você apagou. Por que você apagou os áudios que me mandou ontem, no nosso histórico de troca de mensagens do WhatsApp? Não entendi por que você apagou não. Quer fazer o que com isso? Não quer que eu mostre para as pessoas o áudio que você trocou comigo? Eu não vou trocar não. Não sou esse tipo de homem não, de ficar mandando mensagens suas para os outros. Só fiz isso para te defender, as vezes que fiz. Pode ficar tranquilo.

ZZP: Você, na sua entrevista, disse que eu falei para você que fui pressionado. Seja homem, rapaz. Deixa de ser moleque.

Numa das respostas ao Globoesporte.com, Giovanni Baroni afirmou que “não sabia de acordo entre Zezé e Wagner” para, cada um, designar três nomes ao Conselho Gestor. Ele disse ainda que tomou ciência de sua indicação para o grupo administrativo no mesmo momento em que seus correligionários da corrente Pró-Transparência. Tal fato, segundo apurou o Superesportes, gerou descontentamento em Perrella, já que Baroni teria, sim, conhecimento prévio de que participaria da gestão e do acerto firmado com o presidente.

Por outro lado, algumas lideranças do Pró-Transparência duvidaram das explicações de Giovanni Baroni, que, há pouco tempo, encabeçou movimentos contra a atual administração e era um dos apoiadores da reunião para votar o afastamento de Wagner Pires de Sá e dos dois vices-presidentes, Hermínio Francisco Lemos e Ronaldo Granata. Inicialmente marcado para esta segunda-feira, 21 de outubro, o encontro que discutiria uma eventual saída do presidente foi cancelado por Zezé Perrella na última quinta (17).

Protesto

Na sexta-feira, o associado Celton de Oliveira direcionou mensagem a Zezé Franelli, outro integrante do Conselho Gestor, porém nomeado por Wagner, afirmando que membros da corrente União não aceitariam a indicação de Giovanni Baroni. Ele garantiu, ainda, ter apoio de 163 conselheiros (ouça):


Procurado pela reportagem na ocasião para comentar uma possível saída de Giovanni Baroni, Perrella minimizou o protesto de Celton. “É um conselheiro absolutamente inexpressivo, sem nenhuma força. Não vale nem a pena responder um cara desses. Qualquer ação dele, ele que talvez tenha de sair”, disse, na sexta-feira, antes da publicação da matéria do Globoesporte.com.

Também ao Superesportes, Baroni negou que tenha orquestrado o ataque citado por Celton no áudio espalhado. Naquela oportunidade, conselheiros do clube foram intimidados por torcedores em um restaurante no Barro Preto.

Ainda não há informação sobre quem será o substituto de Giovanni Baroni. Os outros cinco integrantes do grupo são Célio Elias, Zezé Franelli, Hermínio Lemos, Darci Martins Fraga e Jarbas Matias dos Reis. Clique neste link para conhecer um pouco mais das trajetórias desses conselheiros.

<i>(Foto: Leandro Couri/EM D.A Press)</i>