Futebol Internacional

BRILHO

Ex-Atlético e América, Renan Oliveira vive expectativa de ser bicampeão nacional na Lituânia

Armador de 30 anos rapidamente se adaptou ao país e se tornou um dos ídolos do FK Süduva

postado em 31/10/2020 16:23 / atualizado em 09/11/2020 17:56

(Foto: Divulgação/FK Süduva)

Bem longe dos holofotes dos clubes do país, um jogador mineiro muito conhecido pelas torcidas do Atlético e do América atinge gradativamente o brilho no futebol da Lituânia. Depois de rodar por dezenas de equipes no Brasil, sem o êxito esperado, o armador Renan Oliveira vive exatamente o contrário no desconhecido FK Süduva, do país do leste europeu. Em sua segunda temporada, o jogador de 30 anos é ídolo da torcida e pode obter o bicampeonato nacional. Pelas ruas do país, é sempre exaltado.
 
No Brasil, o jogador revelado pelo Galo atuou também por Vitória, Coritiba, Goiás, Sport, América, Avaí, Náutico, CRB e Botafogo-SP, sempre com passagens curtas e sem muito brilho. Na primeira experiência na Europa, porém, o panorama começou a mudar, com jogos de destaque, gols e títulos.

Em 2019, com poucos meses de clube, ele venceu o Campeonato Lituano e a Copa da Lituânia. Agora, na atual temporada, vive a expectativa de repetir a façanha e entrar definitivamente para o rol dos grandes jogadores do clube, um dos mais populares do país, fundado em 1968.  “Sempre tive o sonho de jogar na Europa desde garoto. Quando a oportunidade apareceu, achei que poderia ser uma porta de entrada por aqui. Encarei como um desafio, para tentar crescer no futebol europeu. Em 2019, tive um ano muito bacana por aqui, onde pude conquistar algumas coisas. Estou trilhando um caminho para que esse sucesso possa ocorrer", afirma o jogador, nascido em Itabira, no Leste de Minas.

Pelo FK Süduva, o jogador por pouco teve a chance de realizar o sonho de disputar a Liga dos Campeões. Por duas vezes, sua equipe foi eliminada na última fase antes da etapa de grupos. "Cheguei aqui quando a equipe estava nas eliminatórias da Liga dos Campeões e a Liga Europa. Fomos eliminados na última fase. Este ano foi a mesma coisa. Mas é uma competição muito bacana, com grandes times do cenário europeus e jogos complicados. Foi uma experiência nova. Gostaríamos de classificar para a fase de grupo, mas a experiência foi válida".

Em sua primeira temporada na Lituânia, o mineiro balançou as redes 10 vezes e deu sete assistências para os companheiros em 17 jogos. Rapidamente, se tornou uma das peças-chaves da equipe e ídolo da torcida. Desde que a atual temporada começou, foram três gols e duas assistências em sete partidas. Depois do fim da quarentena, o calendário de jogos no país reiniciou em julho.

Renan considera que se preparou para atuar no mercado alternativo e, por isso, vem colhendo os bons frutos: "Achei que teria dificuldades, por causa do idioma e da cultura. Mas nosso time está bem no campeonato, o que facilita muito nosso trabalho. E todos aqui gostam de brasileiros, sobretudo a torcida. Logicamente, a língua é difícil, mas a maioria dos jogadores e o treinador falam inglês. Desde que eu cheguei aqui, comecei a estudar inglês. Hoje, consigo me comunicar bem. Outra dificuldade foi o frio, principalmente nos meses de outubro e novembro".

O vínculo atual expira em dezembro, mas ele pensa em continuar mais um tempo no país. E principalmente levar a esposa Juliana e o filho Cauã, de 4 anos, para viver no leste europeu - ambos continuaram no Brasil até hoje. Portanto, voltar a jogar em solo nacional, por enquanto, não faz parte dos planos iniciais. "Estou muito feliz aqui. Quando cheguei, não sabia que teria essa recepção do presidente, dos diretores e da torcida. Eles me ofereceram para renovar e estou pensando seriamente em continuar por um bom tempo", afirma o jogador.  

Pandemia


No período de pandemia, Renan foi liberado, ao lado dos outros estrangeiros, para voltar ao país de origem. Segundo ele, as autoridades de saúde rapidamente decretaram o isolamento social, iniciativa que ajudou a diminuir o consideravelmente número de casos e mortes. Em oito meses de pandemia do coronavírus, a Lituânia teve 101 óbitos e 6,5 mil infectados (a população atual é de 2,8 milhões).

"Aqui eles fecharam muito rápido os aeroportos, começaram a quarentena bem cedo. Quando voltei, depois de muito tempo no Brasil, tudo já havia voltado ao normal. Nem máscara as pessoas eram obrigadas a usar. Tudo estava normal. Quase não há casos. Está sendo seguro", afirma o jogador, que acredita que a COVID-19 o impediu de ter uma segunda temporada melhor: "Tivemos muitos jogos cancelados em virtude da pandemia. Fizemos a pré-temporada no Chipre, jogamos apenas uma partida e fomos liberados para voltar. Eu fiquei três meses no Brasil. Depois, voltei para a Lituânia. Mas acredito que tem sido muito válida essa passagem por aqui".  
 
 

QUEM É ELE?

 

Renan Henrique Oliveira Vieira

 

Nascimento: 29/12/1989, em Itabira

Posição: armador e ponta-direita

Clubes: Atlético (2008-2010), Vitória (2011), Atlético (2011); Coritiba (2012); Goiás (2012); Sport (2014); América (2014); Avaí (2015); Náutico (2016); América (2017-2018); CRB (2018); Botafogo (2019); FK Süduva (2019)

Títulos: Campeonato Mineiro (2010); Campeonato Paranaense (2012); Série B do Brasileiro (2012); Campeonato Goiano (2012); Campeonato Pernambucano (2014); Série B do Brasileiro (2017); Copa da Lituânia (2019); Campeonato Lituano (2019) 

Tags: América Atlético futinternacional Suduva