América

NÁUTICO

Bom passador, chutes de fora, lesões e anos em baixa: conheça Ruy, o novo meia do Náutico

Armador de 31 anos vem de temporadas ruins atuando nos últimos anos por América-MG e Vitória, além de poucos jogos em 2020 pelo Coritiba

postado em 27/09/2020 16:00 / atualizado em 25/09/2020 21:05

(Foto: Mourão Panda/América)
Revelado pelo Coritiba e com boa bagagem pela Série B do futebol nacional, o meia Ruy foi anunciado pelo Náutico na última segunda-feira após longo namoro entre o clube e o jogador, que estava no Coxa, mas sem estar nos planos do técnico Jorginho. O nome do atleta de 31 anos vem chancelado pelo técnico Gilson Kleina, que o comandou pelo time paranaense em 2016. 

Apesar da reconhecida qualidade técnica, o meia chega ao futebol pernambucano em um momento de baixa na carreira, após duas temporadas de desempenho abaixo do esperado por América-MG e Vitória. Assim, o Diario de Pernambuco conversou com os jornalistas Vítor Villar (Bahia) e Roger Dias (Minas Gerais) para traçar um raio-x do jogador que chega para ser a sombra de Jean Carlos no meio-campo do Timbu. 

“Em 2018, o Vitória tinha contratado o lateral Fabiano e ele foi muito mal. No início do ano seguinte, o Coritiba se interessou pelo Fabiano e o Vitória escolheu o Ruy entre os nomes disponíveis para o negócio. Ele começou como o cara de referência do meio, importante com Chamusca, mas se demonstrou um cara muito lento, com o jogo muito cadenciado e problemas de lesão. Por isso, perdeu o espaço na Série B."
 
"É um cara muito técnico, chuta bem de fora, tem bons passes e boas enfiadas. Porém, sofreu muito com lesões. Terminou o ano sem ser utilizado. Sofreu muito com lesões. Tanto que quando Geninho chegou ele já tava fora dos planos”, explicou Villar. 

Antes da passagem pelo Vitória, em duas temporadas pelo América-MG, o armador viveu momentos distintos. Na campanha da Série B 2017, Ruy foi um dos destaques do time que venceu o torneio batendo o favorito, Internacional. Porém, no ano seguinte, sofreu com as lesões que prejudicaram seu desempenho também no Vitória.

“Foram duas passagens pelo América-MG, no ano do título da Série B (2017) e depois na elite (2018). E foram duas trajetórias distintas. Na primeira, como um autêntico meia de ligação, foi decisivo na reta final da Segunda Divisão para que o Coelho superasse o Internacional, então candidato ao título.”

“Canhoto, ele tem como bons fundamentos a batida na bola, o bom passe e a visão de jogo. Na segunda, além do péssimo momento da equipe, ele chegou do Coritiba cercado de lesões e não conseguiu ajudar o time a se salvar do rebaixamento”, completou Roger.

Concorrência com Jean Carlos

Comparando o camisa 10 do Timbu com o novo contratado, Villar coloca que Jean Carlos se encontra em um patamar acima do que se viu de Ruy no último ano pelo Vitória. “Acredito que ele não seja uma peça que chega para ameaçar o status de titular do Jean Carlos. Apesar da qualidade técnica, do passe e da bola parada serem pontos fortes dos dois, o Jean tem muito mais dinâmica, velocidade e energia”, apontou o jornalista. 

Números de Ruy nos últimos anos

2020
Coritiba 
6 jogos
3 gols marcados

2019
Vitória 
22 jogos
1 gol marcado

2018
América-MG 
25 jogos 
1 gol marcado

Coritiba 
4 jogos 
Nenhum gol marcado

2017 
América-MG 
24 jogos
6 gols marcados

Coritiba 
6 jogos 
Nenhum gol