Atlético

Bruno passa a noite na cadeia, após confusão

postado em 13/09/2005 12:37 / atualizado em 24/02/2017 13:32

A semana não é das melhores para o goleiro Bruno. Em campo, o camisa 1 do Galo viu seu time tropeçar de novo no Brasileirão 2005, diante do Botafogo, no domingo. Na noite desta segunda-feira, o problema foi fora das quatro linhas e acabou na delegacia. O jovem atleta alvinegro, de 20 anos, se envolveu numa confusão em frente à Escola Estadual Pedro Alcântara de Nogueira, em Ribeirão das Neves, e passou a noite detido na 10ª Delegacia Seccional do município da Região Metropolitana de Belo Horizonte.


Bruno foi acusado de agressão pelo estudante Paulo Henrique da Silva, de 18 anos. Segundo o jovem, que torce para o Cruzeiro, o goleiro atleticano deu dois tapas em seu rosto, após ouvir e não gostar de uma crítica. Paulo garantiu, em entrevista à Rádio Itatiaia, que falava mal dos goleiros celestes e não do arqueiro alvinegro. “Estava falando de outro goleiro, o Maizena e o André que catavam no Cruzeiro, e ele chegou me agredindo. Violência não leva à nada", disse.


Bruno foi à escola para visitar um primo, que afirmou que o goleiro não cometeu a agressão. “Se teve agressão não foi do Bruno não e partiu de mim. Fali com ele para relevar, pois ele teria muitos problemas, e tomei as dores dele”, disse Sérgio Rosa Sales.


Bruno se defende


O goleiro atleticano afirmou que agiu em legítima defesa. “Fui buscar um primo no colégio e fui abordado por alguns trocedores do Cruzeiro. Eles acabaram me agredindo. Eu simplesmente tentei me proteger saindo deles. Consegui segurar um deles, foi quando ele falou que eu o agredi”, contou.


Bruno ainda disse que sofre constantes ameaças na cidade. “Já sofro ameças  aqui em Ribeirão das Neves. Pensam que eu já estou ganhando dinheiro, mas estou começando agora”, completou. (UAI)