Atlético

COPA LIBERTADORES

Galo faz jogo histórico no Independência, passa por Newell's nos pênaltis e vai à final

Victor volta a ser decisivo: defendeu último pênalti dos argentinos, cobrado por Maxi

postado em 11/07/2013 00:21 / atualizado em 04/06/2015 16:33

Rodrigo Clemente/EM/D.A Press

Só coração não bastava. Só qualidade técnica também não. O Atlético uniu os dois ingredientes para vencer o Newell's por 2 a 0 no “tempo normal”, nesta quarta-feira, e levar a decisão da semifinal da Copa Libertadores para os pênaltis. O Independência, tomado pela emoção dos alvinegros, viu a classificação inédita do Galo para a decisão sair por 3 a 2 nas cobranças finais.

O triunfo histórico alvinegro faz o clube disputar a sua primeira final de Copa Libertadores. O adversário será o Olímpia, do Paraguai, que passou pelo Independiente Santa Fe, da Colômbia, na outra semifinal.

O Atlético foi melhor no primeiro tempo. Abriu o placar logo no começo do jogo, como a estratégia traçada por Cuca mandava. Bernard balançou as redes de Guzmán. Depois, o Galo perdeu chances de aumentar o placar. A arbitragem de Roberto Silvera não agradou os alvinegros, que pediram dois pênaltis, em Jô e Diego Tardelli.

Com uma defesa sólida, o Newell's conseguiu esfriar o segundo tempo. Até que o Galo se reorganizou ao ter tempo para conversar, com uma queda de energia que houve no Independência. Eis que a estrela de Guilherme brilhou. O meia-atacante, que foi acionado nos minutos finais, marcou o gol que levou a decisão do confronto para os pênaltis.

VEJA COMO FOI O TEMPO REAL DA PARTIDA NO INDEPENDÊNCIA

Primeiro tempo

A estratégia do Atlético passava por abrir o placar nos primeiros minutos do jogo, como revelou o atacante Jô em entrevista na véspera do jogo. Por isso, a equipe alvinegra mostrou uma intensidade ofensiva grande. A marcação pressão na saída de bola do Newell's surtiu efeito.

Sidney Lopes/EM/D.A Press
Após Tardelli recuperar a bola com passe errado de Vergini, logo aos 3 minutos, Ronaldinho e Bernard protagonizaram lance muito parecido com um gol que não se concretizou em Rosário. Desta vez, deu certo. O camisa 10 deu passe em profundidade para o avanço de Bernard, que não hesitou em finalizar de primeira, batendo o goleiro Guzmán: 1 a 0.

O Independência explodiu, com o início do roteiro planejado pelo Galo. Após a abertura do placar, as forças começaram a se equilibrar. Jô e Marcos Rocha tentaram marcar em chutes longos. O Newell's respondeu com Figueroa e Maxi Rodriguez, que obrigaram Victor a trabalhar.

Mas foi o Atlético que teve as melhores oportunidades. Bernard e Diego Tardelli mostravam ótima movimentação. Ambos tabelaram aos 34 minutos e criaram um lance de muito perigo. Tardelli, em velocidade, no canto da área, cruzou por cima do goleiro Guzmán, que se arriscou na saída do gol. Mas o volante Mateo salvou o cruzamento, de cabeça, mandando a bola para escanteio.

O goleiro Guzmán se machucou no lance e precisou ser atendido. Depois, ele salvou o Newell's de sofrer o segundo gol. Josué tabelou com Tardelli dentro da área e finalizou. Mas o camisa 1 argentino defendeu.

No fim da etapa inicial, o Atlético pediu pênalti em lance que o árbitro não marcou nada. Jô avançou dentro da área e caiu em disputa com o zagueiro Lopez. “Eu já tinha driblado o jogador, o cara me deu um tranco por trás, mas o importante foi marcar um gol no início. Temos agora que ficar tranqüilos, que o segundo jogo vai sair”, afirmou Jô na saída para o intervalo.

“Fácil não está, mas fizemos o primeiro gol, que era o nosso objetivo. Mas já tem gente complicando a situação. Ele não me dá um pênalti desse (SIC), e dentro de casa ainda... Eu não falo mais nada contra a arbitragem. Uma arbitragem dessa é brincadeira!”, reclamou o meia Bernard.

Segundo tempo

O Atlético teve boa chance de marcar no início da segunda etapa. Ronaldinho bateu falta cruzada na área. Guzmán dividiu a bola com Jô e conseguiu afastar o perigo. Neste lance, Tardelli caiu após ser segurado por Mateo. A arbitragem não marcou nada.

Um contra-ataque assustou a torcida alvinegra aos 9 minutos. O Newell's teve superioridade numérica para chegar ao empate, mas construiu mal a jogada e não aproveitou.

A intensidade do jogo caiu no segundo tempo. O Newell's, recuado, conseguiu impedir os avanços alvinegros mais contundentes. Os argentinos queriam encaixar um contra-ataque, mas também não tinham sucesso.

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
Aos 32 minutos, alguns refletores do campo de defesa do Galo se apagaram. O árbitro paralisou o jogo. O técnico Cuca aproveitou para orientar o time e considerou a parada como positiva. Enquanto isso, nas arquibancadas, a torcida gritava “eu acredito”. Após 11 minutos, o duelo recomeçou.

A estratégia era só uma: atacar, atacar e atacar, em busca do segundo gol. Guilherme e Alecsandro foram acionados no lugar de Tardelli e Bernard.

Guilherme finalizou com perigo, mas a bola foi para fora. Após um cruzamento rasteiro de Luan.

Depois, Guilherme teve outra oportunidade. E quem já teve tantos momentos de desconfiança no clube, foi presenteado com um gol muito importante. Mateo rebateu bola de dentro da área, que caiu nos pés do camisa 17. O meia-atacante bateu no cantinho de Guzmán: 2 a 0.

Inflamado, o Independência empurrou o Galo nos minutos finais. O resultado de 2 a 0 levou a decisão do confronto para os pênaltis.

Disputa de pênaltis

Atlético:
Alecsandro: batida alta, convertida
Guilherme: cobrança no ângulo direito de Guzmán, convertida
Jô: batida rasteira, para fora
Richarlyson: batida forte e alta, para longe do gol argentino
Ronaldinho: cobrança no canto esquerdo de Guzmán, convertida

Newell's:
Scocco: cobrança de “cavadinha”, no meio do gol, convertida
Vergini: batida baixa, no centro do gol, convertida
Casco: cobrança alta, que bateu no travessão e foi para fora
Cruzado: batida como a de Richarlyson, alta, forte e para fora
Maxi Rodríguez: cobrança no canto esquerdo de Victor, que defendeu e classificou o Atlético

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press


ATLÉTICO 2 X 0 NEWELL'S (3 X 2 nos pênaltis)


Atlético
Victor, Marcos Rocha, Gilberto Silva, Leonardo Silva e Richarlyson; Pierre (Luan, 33min/2ºT) e Josué; Diego Tardelli (Alecsandro, 46min/2ºT), Ronaldinho e Bernard (Guilherme, 46min/2ºT); Jô.
Técnico: Cuca

Newell's
Nahuel Guzmán; Marcos Cáceres (Orzán, 54min/2ºT), Santiago Vergini, Gabriel Heinze (Victor Lopez, 26min/1ºT) e Milton Casco; Lucas Bernardi, Diego Mateo e Rinaldo Cruzado; Víctor Figueroa (Martin Tonso, 27min/2ºT), Ignacio Scocco e Maxi Rodríguez.
Técnico: Gerardo Martino

Gols: Bernard, 3min/1ºT, Guilherme, 50min/2ºT
Cartões amarelos: Pierre, Bernard (ATL); Cáceres, Casco, Tonso (NOB)
Cartão vermelho: não houve

Motivo: segundo jogo da semifinal da Copa Libertadores
Data: 10/07/2013, quarta-feira, às 21h50
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Roberto Silvera (URU)
Assistentes: Miguel A. Nievas (URU) e Carlos Pastorino (URU)

Tags: gc