Atlético

ATLÉTICO

Entenda como a líder política Eva Perón foi fundamental na ascensão do Colón, rival do Atlético

Clube se firmou no cenário nacional com ajuda da atriz, que é símbolo da Argentina

postado em 18/09/2019 06:30 / atualizado em 17/09/2019 19:20

<i>(Foto: Reprodução/El Litoral)</i>
Na tarde de 7 de dezembro de 1947, Eva Perón colocava fim à ansiedade de jogadores do Colón-ARG pela disputa do aguardado clássico de Santa Fé contra o Unión-ARG. A atriz e líder política, principal responsável pela lei que garantiu às mulheres argentinas o direito de votar, deu o pontapé inicial no estádio para o qual ‘emprestaria’ o nome anos mais tarde. Mas as ligações de Evita com o adversário do Atlético na semifinal da Copa Sul-Americana não param por aí.

A relação com o peronismo - movimento baseado nas ideias do ex-presidente Juan Domingo Perón, com quem Eva foi casada - data de tempos antes. O Colón-ARG, fundado em 1905, lutava nos bastidores para conseguir se filiar à Associação de Futebol Argentino (AFA) e disputar torneios em âmbito nacional. Para isso, os dirigentes do clube recorreram a líderes governistas.

“As barreiras das equipes de Buenos Aires, da própria Liga Santafesina e do jornalismo tornaram a situação muito difícil. Por isso, através de Waldino Suárez, então governador de Santa Fé, os dirigentes conseguiram se reunir com representantes do governo. Em 30 de maio de 1947, a AFA aceitou o pedido, e o Colón-ARG foi habilitado a participar da Segunda Divisão”, conta ao Superesportes o jornalista Diego Meloni, da Equipe de Investigação Histórica do Colón-ARG, que não tem vínculo oficial com o clube.

Aparece, então, a figura de Eva Perón, que já havia apoiado a filiação do clube à AFA. A atriz e então primeira-dama deixou a capital Buenos Aires e viajou mais de 400 quilômetros rumo a Santa Fé. Lá, cumpriu extensa agenda de compromissos políticos antes de ser recebida como heroína no estádio do Colón-ARG, inaugurado oficialmente em 9 de julho de 1946.

<i>(Foto: Reprodução/El Litoral)</i>

Rodeada de jogadores e árbitros, Eva era a protagonista de um espaço que historicamente excluiu mulheres. Com ela nas tribunas, Colón-ARG e Unión-ARG disputaram um clássico que nunca terminou. Por falta de iluminação artificial no estádio, a partida precisou ser interrompida. “Naquele dia, Eva trouxe subsídio de 150 mil pesos para que o clube pudesse pagar por iluminação artificial, inaugurada em 1949. As torres permaneceram até a remodelação do estádio em 2001”, relembra Meloni.

Estádio Eva Perón


A relação dos torcedores do Colón-ARG com Eva Perón se estreitou nos primeiros anos da década de 1950. Com raízes populares, a torcida ‘sabalera’ se via, de algum modo, representada por Evita, que passou parte da vida com projetos dedicados a ajudar os mais pobres.

“Eva Perón, como figura feminina, foi muito carismática e muito importante, porém o peronismo, em geral, não reconhece toda a trajetória socialista, anarquista, radical anterior. Eva Perón era uma mulher absolutamente carismática, com uma energia muito forte, com uma implícita, eu diria implícita, reivindicação de classe, por pertencimento próprio”, disse a filósofa feminista argentina María Luisa Femenías, em entrevista às pesquisadoras brasileiras Carmen Sílvia Moraes Rial e Miriam Pillar Grossi.

Quando se aproximava da morte, Eva foi homenageada por torcedores do Colón-ARG. “Em 1952, nas tribunas do clube se organizaram missas para rezar pela saúde dela. Depois da morte, em 26 de julho daquele ano, a diretoria decidiu perpetuar seu nome, e o estádio foi chamado Eva Perón”, conta Meloni.

<i>(Foto: Reprodução/El Litoral)</i>

Nome proibido


Pouco durou o período de homenagem a Eva. Em 1955 - ano em que militares derrubaram Juan Domingo Perón do poder -, todos os nomes que faziam alusão ao peronismo foram proibidos na Argentina. A partir daí, o estádio passou a se chamar Brigadier General Estanislao López, nome que permanece até hoje.

Estanislao López foi um caudilho argentino e governador da província de Santa Fé entre 1818 e 1838. “Em tempos de banimento de tudo o que era vinculado ao peronismo, e que isso poderia ocasionar problemas ao clube, os dirigentes decidiram que o nome de López gerava consenso na sociedade e não receberia nenhum questionamento”, diz Meloni.

Cemitério dos Elefantes?


O estádio, porém, é mais conhecido pelo apelido “Cemitério dos Elefantes”, que faz referência a grandes esquadrões do futebol mundial que foram batidos pelo Colón-ARG no local. Equipes como o Santos de Pelé, a Seleção Argentina, o Peñarol-URU, então campeão mundial, e os poderosos River Plate-ARG e Boca Juniors-ARG sucumbiram diante dos donos da casa.

E é lá onde o Atlético jogará nesta quinta-feira, a partir das 21h30. As equipes fazem o jogo de ida da semifinal da Copa Sul-Americana. A volta será na quinta seguinte, no mesmo horário, no Mineirão. O time que avançar enfrentará o vencedor do duelo entre Corinthians e Independiente Del Valle-EQU.

Transmissão exclusiva do DAZN


Atlético e Colón-ARG se enfrentam nesta quinta-feira, a partir das 21h30, pela partida de ida da semifinal da Copa Sul-Americana. O jogo no Estádio Brigadier General Estanislao López, em Santa Fé, interior da Argentina, terá transmissão exclusiva do DAZN, plataforma de streaming esportivo. Clique aqui para ter acesso!

Novos assinantes terão um mês de acesso grátis, e o cancelamento pode ser feito a qualquer momento. Do segundo mês em diante, o custo mensal é de R$ 37,90, sem contrato de fidelização.

CLIQUE AQUI PARA EXPERIMENTAR O DAZN SEM CUSTO

Tags: atleticomg interiormg futnacional seriea galo sulamericana