Atlético

ATLÉTICO

Sociedade entre Atlético e BWA nunca registrou lucro na exploração do Independência

Desde 2012, quando a parceria começou, Galo nunca recebeu repasses

postado em 01/06/2020 06:00 / atualizado em 01/06/2020 09:22

(Foto: Bruno Cantini/Atlético)
A parceria entre Atlético e BWA/LuArenas não obteve resultado financeiro positivo em mais um ano de contrato de exploração do Independência. Desde 2012, quando a sociedade começou, não foi registrado repasse para o Galo.

O balanço do clube deste ano diz que "o Atlético é sócio participante da SCP Arena Independência, cabendo-lhe 50% dos resultados líquidos obtidos na referida SCP - Sociedade em Conta de Participação. Em 2018 e 2019, não foram apurados resultados positivos".

A Sociedade em Conta de Participação (SCP) é quando duas ou mais empresas se reúnem, sem firma social, para lucro comum em uma determinada operação. A BWA/LuArenas é o chamado sócio ostensivo, que exerce a administração plena da sociedade. 

O Galo receberia repasse caso houvesse lucro na operação. Contudo, a administração do Independência tem registrado déficit ano a ano, como explica Helber Gurgel, gerente de operações e segurança da Arena Independência.

"Nós temos um contrato de sociedade com o Atlético, no qual o clube é o conteúdo, o que leva o espectador para dentro do estádio. Em tese, o que aconteceria: no final do balanço do estádio, o lucro, tirando o que deveria pagar para o governo e para o América, seria uma parte para o Atlético. Como não há lucro, o Atlético não apurou lucro. O balanço da Arena Independência também foi negativo", disse Gurgel, em contato com o Superesportes. "Nós não conseguimos fechar no azul porque não há evento suficiente para aumentar o faturamento", acrescentou. 

Administradora da Arena Independência, a BWA/LuArenas tem enfrentado dificuldade de fechar o balanço com resultado positivo mesmo contando com jogos do Atlético. O clube alvinegro, contudo, está construindo a Arena MRV e prende se mudar para a casa nova em 2022. Isso pode dificultar ainda mais a gestão do Horto. 

"A gente tem que buscar uma saída para tornar o equipamento viável. Primeiro, a gente tem que esperar para ver onde os clubes vão mandar os jogos. Com a mudança do Atlético para seu novo estádio, a gente deve ficar só com o América com jogos no ano todo. Dessa forma, sobra tempo para outros tipos de eventos", afirmou Gurgel.

O Independência, contudo, está longe de ser considerado local ideal para grande eventos, como concertos de música e exposições. O estádio fica em um bairro residencial, com casas bem ao lado e ruas estreitas, tem estacionamento reduzido e não dispõe da mesma estrutura, por exemplo, que o Mineirão, que recebe shows na esplanada, além de contar com espaço comercial, com bares e loja. 

Dívidas


Segundo apurou a reportagem, a BWA/LuArenas ainda mantém dívidas com o governo de Minas Gerais e o América. 

Como prevê o contrato de licitação, a administradora do estádio, BWA/LuArenas, deve repassar ao governo de Minas os 10,58% de sua receita bruta mensal. O América tem direito à metade desse percentual, mas esse valor não vem sendo pago ao clube. 

Em dezembro do ano passado, o presidente do América, Marcos Salum, revelou que a empresa devia ao clube R$ 6 milhões.

“Nós estamos com mais ou menos R$ 6 milhões para receber de repasse do Independência. Como o contrato é feito com o Governo do Estado e não com a Arena, a Arena tem que pagar o Estado e o Estado nos pagar. Como a Arena não está pagando o Estado, e existe um imbróglio jurídico disso, nós notificamos o Estado mais de uma vez, três vezes já, cobrando do Estado esse repasse, porque nós não temos como cobrar da Arena efetivamente", afirmou Salum, no fim do ano passado.

Contrato


No dia 18 de janeiro de 2012, Atlético e a BWA firmaram contrato de parceria para exploração comercial do Estádio Independência. A empresa foi a vencedora da licitação aberta em 2011 pelo governo de Minas Gerais, responsável pela reconstrução do estádio do Horto.

Como a participação de clubes ou dirigentes na administração do estádio está proibida no edital, o tema gerou grande polêmica, principalmente com os rivais América e Cruzeiro.

O Atlético tem direito a 45% do lucro, assim como a BWA. O América, antigo administrador do estádio, ficaria com 5%, mesma porcentagem que teria direito o governo de Minas, que investiu na reconstrução do Independência e tem o controle sobre o local por 20 anos.

Então presidente do Atlético e hoje prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, disse naquela ocasião que o Galo investiria no estádio. "O Atlético vai colocar por baixo R$ 8 milhões de investimento no estádio, é o mínimo que pode exigir, porque vai jogar com a torcida engolida no canto, porque o América é o detentor e tem seus direitos preservados. O Atlético está botando dinheiro lá, é um negócio", afirmou o ex-dirigente, em 2012.

Kalil acreditava que o contrato deixaria o Atlético mais rico. "O que o Atlético fez foi simplesmente tornar viável o futebol. O Atlético é detentor de 45% de toda a renda do Independência, em qualquer jogo, exceto o do América, que tem seu contrato particular com o governo. O Atlético trabalhou duro e certo, consultando os órgãos todos. A BWA estava na praça e quem não quis agarrar é porque não pensou lá na frente. Já somos o time mais rico de Minas Gerais e vamos ficar mais ainda", disse, em 2012.

Tags: galo independência balanço horto bwa atleticomg