Atlético

ATLÉTICO

Presidente do Atlético diz que vai pedir a exclusão do Flamengo do Campeonato Brasileiro

Segundo o dirigente atleticano, clube carioca fez uso indireto da Justiça comum para tentar adiar partida contra o Palmeiras, o que é proibido pelo regulamento

postado em 28/09/2020 08:24 / atualizado em 28/09/2020 09:19

(Foto: Alexandre Guzanshe / EM DA PRESS)
O presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara, disse que vai entrar com um procedimento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pedindo a exclusão do Flamengo do Campeonato Brasileiro por fazer uso indireto da Justiça comum, o que é vedado em regulamento. 

“A lei vale para todos. O Flamengo se utilizou da Justiça comum para descumprir o protocolo da CBF e desrespeitar todos os outros 19 clubes da Série A, em mais um exemplo de soberba. Isso é passível de banimento. Tem de ser rebaixado automaticamente. O Atlético vai entrar com um pedido à Procuradoria do STJD para a exclusão do Flamengo do Brasileiro. Deve ser realmente banido do campeonato”, declarou Sette Câmara, em entrevista ao site Terra.

“O campeonato vai prosseguir. Só não sabemos se com ou sem o Flamengo. Temos acompanhado as dificuldades da CBF na organização do Brasileiro num momento tão grave, tão difícil. Era hora de todos darem as mãos para ajudar a confederação e o futebol brasileiro. Mas o Flamengo quer tomar o próprio caminho, se acha o melhor e se acha independente. Tem de pagar pelos seu erros.”, completou o presidente do Galo.

O clube carioca tentou se valer de medidas na Justiça por meio de ação do Sindeclubes, sindicato de funcionários de clubes do Rio de Janeiro, para não enfrentar o Palmeiras no domingo.

No sábado (26), o TRT-RJ (Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro) suspendeu a partida entre Palmeiras e Flamengo. A Justiça entendeu que o novo coronavírus (COVID-19) estava potencialmente ativo entre jogadores do clube carioca, com risco de contágio generalizado. 

O Flamengo tem 19 jogadores, além de integrantes da comissão técnica com a doença.

O Tribunal Superior do Trabalho cassou a liminar que suspendia a partida no domingo. O ministro Vieira de Mello Filho alegou ainda que o TRT da 1ª Região, sediado no Rio de Janeiro, excedeu os limites da competência territorial, pois não poderia determinar a suspensão de uma partida de futebol a ser realizada em outro estado da Federação, em São Paulo. A decisão saiu há poucos minutos antes do início do jogo.

Palmeiras e Flamengo entraram em campo com vinte minutos de atraso. O jogo ficou no 1 a 1, em São Paulo.

Críticas


A Federação Paulista de Futebol criticou o Flamengo. "A Federação Paulista de Futebol vem a público manifestar repúdio à tentativa de suspensão da partida de hoje, entre Palmeiras e Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro. A competição possui um protocolo de saúde, aprovado pelas autoridades públicas e por todos os clubes participantes, que deve ser respeitado. Causa repulsa a antiga e retrógrada prática do uso de um sindicato para defender interesses individuais e casuísticos. É obrigação de todos respeitar a vontade da grande maioria dos clubes. Assim, a FPF endossa e apoia a postura da Sociedade Esportiva Palmeiras, de todos os demais clubes e da CBF diante desta articulação arrogante, que apenas prejudica o futebol."

Presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, detonou o clube carioca em seu Twitter. "O maior problema do futebol é quando um clube só pensa nele e em mais nada. Suspender um jogo é suspender o protocolo que todos toparam. Melhor paralisar o campeonato inteiro então".