Atlético

ATLÉTICO

Presidente do Atlético revela detalhes e valores da venda de Róger Guedes

Atacante de 21 anos deixou o Galo para defender o Shandong Luneng-CHN

postado em 12/07/2018 19:14 / atualizado em 12/07/2018 21:47

Edesio Ferreira/EM/D.A. Press

Presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara deu detalhes sobre a negociação que definiu a venda de Róger Guedes ao Shandong Luneng, da China. O atacante de 21 anos, que tinha contrato por empréstimo com o clube alvinegro até o final de 2018, foi vendido por um valor total de cerca de 9,5 milhões de euros (R$ 43 milhões na cotação atual).

A quantia foi dividida entre Palmeiras (que detinha 25% dos direitos econômicos do atleta), Criciúma (ex-dono dos outros 75%) e Atlético. A princípio, o clube alvinegro receberia apenas 5% sobre os 25% dos paulistas. A negociação, entretanto, caminhou de forma a fazer com que o Galo ficasse com 27% do total. Ou seja: 2,5 milhões de euros (cerca de R$ 11,3 milhões).

“Ontem (quarta-feira) à noite, fui contatado pelo Palmeiras, dizendo que eles tinham essa proposta de 9 milhões de euros pelo atleta. No contrato de empréstimo que foi feito pelo Palmeiras com o Atlético, havia uma cláusula em que o Atlético teria a preferência na aquisição do atleta caso o Palmeiras recebesse qualquer proposta. Essa preferência poderia ser exercida pelo clube em 72 horas. Obviamente, se eles notificassem da proposta do Shandong, eu teria o direito de só responder a eles 72 horas depois de receber a notificação. A menos que eu antecipasse essa resposta, abrindo mão do jogador para que ele fosse negociado para outro clube. Obviamente, nós jogamos com isso. Eu coloquei para eles que eu só anteciparia minha concordância com essa venda para o Shandong e não exerceria nosso direito de preferência na aquisição do atleta caso nós tivéssemos uma compensação financeira de 2,5 milhões de euros”, explicou o presidente em entrevista à rádio Itatiaia.

Inicialmente, Palmeiras e Criciúma recusaram a condição apresentada pelo Atlético. A urgência para que a negociação fosse concretizada se deveu ao curto prazo do Shandong Luneng. A data final na China para regularização de atletas é esta sexta-feira (13). Dessa forma, o clube alvinegro teve mais elementos para negociar.

“Na hora, obviamente, eles não aceitaram, fizeram uma proposta de 1 milhão de euros (compensação ao Atlético). E aí, no decorrer do dia de hoje, fomos discutindo e só batemos o martelo quando eles chegaram ao valor que nós impusemos para poder fazer a liberação do jogador. Se fosse levar em consideração valores do contrato com o Shandong, sendo vendido por 9 milhões de euros (9,5 milhões, na verdade), os 5% em cima desses 25% do Palmeiras significariam alguma coisa, hoje, em torno de 110, 115 mil euros”, continuou.

Segundo Sette Câmara, o Atlético receberá os 2,5 milhões de euros até o dia 10 de agosto. Além do valor da negociação, o clube mineiro receberá de volta metade da comissão paga a Paulo Pitombeira, agente de Róger Guedes, no início do ano, pela contratação do jogador.

“Também um fato inédito é que nós exigimos que o procurador do jogador devolvesse metade da comissão que ele recebeu no início do ano, quando ele trouxe o jogador e, obviamente, recebeu uma comissão pelo período total de contrato, que deveria terminar em dezembro. E que agora, infelizmente, veio a ser interrompido”, completou.

Leia, na íntegra, a entrevista de Sérgio Sette Câmara
Leandro Couri/EM/D.A. Press

A negociação

“O jogador Róger Guedes pertence ao Palmeiras, estava emprestado ao Atlético. Nós fizemos de tudo para manter o jogador aqui durante o restante deste ano, tentamos também adquirir o passe do jogador junto ao Palmeiras, conseguimos um investidor. Mas, infelizmente, o Palmeiras não quis vender o jogador para o Atlético. Não há interesse do Palmeiras em vender o jogador para o mercado brasileiro. Nós, então, recebemos diversas sondagens e diversas ligações do procurador e do jogador, dizendo que não queria mais permanecer no Atlético, que tinha propostas do mercado europeu, ‘Mundo Árabe’ e China, como acabou acontecendo. Valores estratosféricos envolvidos. Evidentemente, chegou um momento em que a gente não tinha mais como segurar. O que nós pudemos fazer foi, obviamente, defender os interesses do Clube Atlético Mineiro e impor que o clube tivesse uma compensação financeira muito melhor até do que aquela prevista no contrato de empréstimo com o Palmeiras, que era de 5% de vitrine em cima dos 25% que o Palmeiras detém do passe do jogador. Na verdade, o jogador está sendo negociado para o Shandong por algo em torno de 9 milhões de euros. Desse valor aí, o Atlético vai receber, praticamente à vista, até o dia 10 de agosto, algo em torno de 2,5 milhões de euros. Também um fato inédito é que nós exigimos que o procurador do jogador devolvesse metade da comissão que ele recebeu no início do ano, quando ele trouxe o jogador e, obviamente, recebeu uma comissão pelo período total de contrato, que deveria terminar em dezembro. E que agora, infelizmente, veio a ser interrompido. Não tínhamos outra solução senão pelo menos exigir uma compensação financeira. É realmente uma perda muito grande, o jogador vinha bem, encaixado no nosso sistema de jogo, artilheiro do campeonato, mas, infelizmente, não tivemos como segurar.”

Detalhes

“A questão da negociação envolvendo esse valor de 2,5 milhões de euros, na verdade, aconteceu da seguinte forma. Ontem à noite, fui contatado pelo Palmeiras, dizendo que eles tinham essa proposta de 9 milhões de euros pelo atleta. No contrato de empréstimo que foi feito pelo Palmeiras com o Atlético, havia uma cláusula em que o Atlético teria a preferência na aquisição do atleta caso o Palmeiras recebesse qualquer proposta. Essa preferência poderia ser exercida pelo clube em 72 horas. Obviamente, se eles notificassem da proposta do Shandong, eu teria o direito de só responder a eles 72 horas depois de receber a notificação. A menos que eu antecipasse essa resposta, abrindo mão do jogador para que ele fosse negociado para outro clube. Obviamente, nós jogamos com isso. Eu coloquei para eles que eu só anteciparia minha concordância com essa venda para o Shandong e não exerceria nosso direito de preferência na aquisição do atleta caso nós tivéssemos uma compensação financeira de 2,5 milhões de euros. Na hora, obviamente, eles não aceitaram, fizeram uma proposta de 1 milhão de euros. E aí, no decorrer do dia de hoje, fomos discutindo e só batemos o martelo quando eles chegaram ao valor que nós impusemos para poder fazer a liberação do jogador. Foi isso que aconteceu. Não houve mudança nenhuma de percentuais. O nosso percentual, na verdade, era de 5% em cima dos 25% do Palmeiras, porque, obviamente, o contrato de empréstimo era só entre Palmeiras e Atlético. O Palmeiras não poderia negociar participação em cima de um percentual que pertence ao Criciúma. Se fosse levar em consideração valores do contrato com o Shandong, sendo vendido por 9 milhões de euros, os 5% em cima desses 25% do Palmeiras significariam alguma coisa, hoje, em torno de 110, 115 mil euros. Então, por isso é que eu acho que a negociação acabou sendo fantástica para o Atlético, porque nós saímos desses cento e pouco mil euros para 2,5 milhões de euros, o que eu considero um valor muito significativo, que com certeza vai ajudar muito o clube no seu dia a dia.”




Tags: roger guedes mercadobola galo seriea futnacional interiormg atleticomg