Atlético

ATLÉTICO

Atlético: Tardelli diz que Cuca é um 'pai' e revela conversa com Sampaoli

Atacante celebrou a renovação com o Galo: 'Felicidade enorme'

postado em 03/03/2021 10:08 / atualizado em 03/03/2021 14:58

(Foto: Pedro Souza / Atlético)

De contrato renovado, Diego Tardelli celebrou a permanência no Atlético até o dia 31 de maio e destacou ser uma 'felicidade enorme' dar prosseguimento à carreira no clube. O atacante ainda revelou uma conversa que teve com o técnico Jorge Sampaoli no fim do ano passado e elogiou a possível volta de Cuca, a quem considera um pai.

"Para mim, é uma felicidade enorme dar continuidade ao trabalho aqui depois de longo período ausente. Passei por um período muito difícil, ficando sete, oito meses sem atuar, e ontem (terça-feira) fui surpreendido com essa notícia (renovação). Estou muito feliz, gratificante, não poderia sair do jeito que as coisas estavam se encaminhando, tive conversas muito boas com o Rodrigo Caetano durante este período, a gente conversou e resolvemos da melhor maneira possível. O mais importante era voltar a jogar futebol em alto nível, sempre foi a minha meta quando machuquei, trabalhei muito para dar a volta por cima, para estar em campo novamente. Sei que 2020 foi difícil, mas todo meu esforço, meu trabalho e minha dedicação valeu a pena", disse.

"Nada mais justo, acho que eu merecia ter essa alegria, porque eu mais do que ninguém sei do quanto posso ajudar, independente da idade, por ter 35 anos ainda me sinto um garoto, um jovem de 30 anos, principalmente na parte física. Sei que posso ajudar, render muito, ainda mais aqui em casa, onde me sinto à vontade, tenho a maior motivação, maior alegria de estar aqui no Atlético, mesmo que seja período curto sei que será estendido porque sei da minha capacidade, do meu valor", disse o atacante.


Sampaoli


Tardelli disse que estava disponível para atuar desde o dia 25 de dezembro, mas foi opção do treinador argentino não contar com ele em um primeiro momento. Já no fim da temporada, o atacante entrou em três jogos do Campeonato Brasileiro. Tardelli revelou uma conversa que teve com Sampaoli.

"No dia 16 de janeiro, eu tive uma conversa com o Sampaoli. Ele tinha me passado que em um primeiro momento não iria me utilizar e foi me passado o que ele poderia fazer para me ajudar dentro de campo e no dia a dia. E a única coisa que falei é que precisava ganhar ritmo de jogo, precisava entrar em uma lista de relacionados para os jogos. Se fosse me utilizar ou não, as pessoas tinham que ver. A imprensa não acompanha mais o treinamento no CT e muita gente não sabe o que está acontecendo. Pedi para ele me relacionar e, se ele quisesse me utilizar, estaria à disposição. Deixei ele super à vontade, não tenho problema nenhum com ele", disse.

"Para o torcedor entender: quando ele não me colocava, era uma ideia dele, não concordava porque sabia que estava em um momento muito bom, sabia que poderia ajudar de alguma forma. Infelizmente, ele não cumpriu com essa obrigação. Enfim, foi uma decisão dele, respeitei, procurei ficar calado para não expor isso pelo momento que o clube passava - o clube brigava por título e eu não queria expor aquela situação. Trabalhei quieto, fiz a minha parte, estava à disposição dele desde o dia 25 de dezembro, mas não fui aproveitado. Ficou um sentimento um pouco triste da minha parte por não ter ajudado como queria, porque sei que poderia ser importante nesta reta final do Brasileiro, me preparei para isso, mas infelizmente, ele optou por outros atletas", destacou Tardelli.

Cuca


Tardelli elogiou uma possível volta de Cuca ao Atlético. Uma reunião na tarde desta terça-feira encaminhou um acordo entre clube e o técnico. Campeão da Copa Libertadores de 2013, Cuca está perto de voltar à Cidade do Galo após sete anos para liderar um ambicioso projeto esportivo no lugar de Jorge Sampaoli, que assumiu o Olympique de Marseille, da França.

"Tenho só coisas boas para falar do Cuca desde o São Paulo em 2004. Foi o cara que me deu a oportunidade de mudar a minha vida, quando me levou para a China. É um pai que eu tenho. Ao mesmo tempo que a gente é feliz, a gente acabou brigando muitas vezes, discutindo, coisa de pai, de família. O que falo do Cuca são só coisas boas. Se ele vier, tenho certeza de que fará um ótimo trabalho, a gente vai se dar muito bem, é um grande pai, grande amigo, grande treinador que passou em minha carreira", destacou.

Tardelli foi questionado sobre o caso de violência sexual contra pessoa vulnerável pelo qual Cuca foi condenado a 15 meses de prisão, em 1987, na Suíça. O atacante disse que não cabe a ele comentar o assunto.