Atlético

ATLÉTICO

Atlético não via obrigação de consultar Goiás sobre venda de Léo Sena

Alvinegro informou em nota oficial que repassará 20% do valor total da negociação com o Spezia, da Itália, para o clube esmeraldino

postado em 11/06/2021 18:28 / atualizado em 11/06/2021 18:42

(Foto: Divulgação/Spezia)

O Atlético rebateu o Goiás sobre a cobrança de manutenção do percentual de Léo Sena, que foi vendido pelo alvinegro para o Spezia, da Itália. O clube esmeraldino diz que queria manter os 20% dos direitos econômicos do volante. O alvinegro, em nota oficial, afirma que tem obrigação apenas de repassar aos goianos o valor correspondente da quantia total líquida a ser recebida.

“O Atlético tem a obrigação de pagar ao Goiás apenas o valor correspondente ao percentual de 20% da quantia total líquida a ser recebida junto à agremiação italiana”, diz parte da nota. 
 
Diferentemente do que pensa o Atlético, o Goiás entende que o seu percentual não deveria ter sido negociado com o clube italiano, como aconteceu na venda de Léo Sena. 

“O Atlético negociou o Léo Sena sem comunicar nada ao Goiás. A gente não queria essa negociação, a gente queria a manutenção de nossos 20%. O contrato foi quebrado pelo Atlético e isso a gente não aceita. Já comunicamos ao Spezia, já contratamos um advogado e entraremos com ação na Fifa caso esse dano não seja reparado”, disse Paulo Rogério Pinheiro, presidente do clube esmeraldino, ao Superesportes.
 
O Atlético tinha 80% dos direitos de Léo Sena. Na noite do dia 2 de junho, o clube detalhou a negociação do volante com o clube italiano. De acordo com a nota publicada, o alvinegro receberá 1,25 milhão de euros (cerca de R$ 8,1 milhões) pela negociação de 90% dos direitos econômicos do jogador. O Galo ainda permanece com 10% do atleta. 
 
“Em notificação endereçada ao Goiás, o Clube Atlético Mineiro pontuou expressamente que existem limitações legais e regulamentares às demais pretensões aviadas pelo dirigente do clube goiano, a teor dos regulamentos da FIFA”, diz a nota do alvinegro.

 

Veja a nota completa

 
Sobre o questionamento do presidente do Goiás Esporte Clube, em referência a suposto inadimplemento contratual correlato à transferência do atleta Léo Sena, ao Spezia Calcio, o departamento jurídico do Atlético esclarece que:
 
O Atlético tem a obrigação de pagar ao Goiás apenas o valor correspondente ao percentual de 20% da quantia total líquida a ser recebida junto à agremiação italiana.
 
Em notificação endereçada ao Goiás, o Clube Atlético Mineiro pontuou expressamente que existem limitações legais e regulamentares às demais pretensões aviadas pelo dirigente do clube goiano, a teor dos regulamentos da FIFA.
 
Sobre os documentos da FIFA que trazem o referido entendimento, seguem os links:


Manual da FIFA sobre “TPO” e “TPI”: https://img.fifa.com/image/upload/ypkyca98svbpfxu1nawu.pdf

Veja o posicionamento do presidente do Goiás


“O Atlético negociou o Léo Sena sem comunicar nada ao Goiás. A gente não queria essa negociação, a gente queria a manutenção de nossos 20%. O contrato foi quebrado pelo Atlético e isso a gente não aceita. Já comunicamos ao Spezia, já contratamos um advogado e entraremos com ação na Fifa caso esse dano não seja reparado”.

“Eu conversei com o presidente Sérgio Coelho, uma conversa muito amistosa. Ele reconheceu a falha no jurídico do Atlético e pediu até segunda-feira para tentar resolver essa situação. Não queremos esse valor, queremos manter nossa porcentagem. O Goiás assume o risco caso o Léo Sena não seja vendido pelo Spezia”.

“Conversei com pessoas que acompanham de perto e me disseram que o Léo Sena é o terceiro melhor volante do futebol italiano. Acredito que será vendido rapidamente pelo Spezia num negócio muito melhor do que o que foi feito pelo Atlético. Por isso a gente quer a manutenção dos nossos direitos”.

Tags: galo atlético interiormg goiasgo mercadobola