UAI


Alonso busca feito raro para gringos e ainda não se considera ídolo do Galo

Pelo Atlético, zagueiro paraguaio pode ser o quinto estrangeiro a ser capitão de um time campeão brasileiro na história: 'Orgulho'

25/11/2021 15:59
compartilhe
Alonso destacou profissionalismo desde que assinou contrato com o Atlético, em 2020
foto: Pedro Souza/Atlético

Alonso destacou profissionalismo desde que assinou contrato com o Atlético, em 2020

Há menos de um ano e meio no Brasil, o paraguaio Junior Alonso está perto de entrar de vez na história do futebol nacional. O defensor do Atlético pode se tornar o quinto estrangeiro a ser capitão de um time campeão brasileiro.

"Orgulho. Você sempre trabalha para fazer as coisas bem. Quando o Atlético colocou a confiança plena em mim, eu já sabia da responsabilidade que tinha com o clube. Desde que cheguei aqui, trabalhei sempre da mesma maneira, sendo profissional dentro e fora do campo e cuidando do meu corpo ao máximo para poder render", disse.

Jogadores do Atlético que já foram campeões nacionais



O primeiro estrangeiro a ser capitão de um time campeão brasileiro foi o zagueiro chileno Elías Figueroa, que vestiu a braçadeira do Internacional nas campanhas de 1975 e 1976. Depois dele, foram mais de duas décadas sem um 'gringo' ter essa honra.

Em 1998, um compatriota de Alonso ergueu a taça para o Corinthians: o também zagueiro Carlos Gamarra. No ano seguinte, o capitão do bicampeonato consecutivo alvinegro foi o volante colombiano Freddy Rincón.

A última vez de um estrangeiro como capitão de um título da Série A foi o atacante argentino Carlos Tevez, novamente pelo Corinthians, em 2005. Nesta temporada, Alonso pode passar a integrar essa lista. Mas não é exatamente com isso que ele está preocupado.

"Se a gente tem a possibilidade de coroar isso com mais um título brasileiro, que todo mundo está esperando, eu me sentirei muito orgulhoso. Depois, se eu levantar a taça ou outro jogador levantar a taça, isso para mim é secundário. O mais importante é que o clube possa conseguir esse título e todos juntos comemoremos", completou.

Ídolo?


Contratado em julho de 2020, Alonso chegou como titular do time então comandado por Jorge Sampaoli. Nesta temporada, manteve-se como presença indiscutível nos 11 iniciais, agora dirigido por Cuca.

O bom desempenho e a liderança exercida sobre o elenco o fizeram conquistar rapidamente a torcida alvinegra. Junior Alonso, porém, ainda não se considera ídolo do Atlético.

"Não, ídolo não. Pessoalmente, eu não quero ser ídolo. Só trabalho da melhor maneira possível para eu poder sair de casa, caminhar tranquilo pela rua, ir jantar tranquilo, que as pessoas venham falar comigo... Isso para mim é o máximo. Eu trabalho para isso, o clube me contratou para fazer isso. Receber o carinho dos torcedores é muito bom para mim, mas ídolo ainda não", avaliou.

Considere-se ou não, Alonso está perto de se tornar um dos grandes nomes da história alvinegra. Afinal, o time tem tudo para conquistar o bicampeonato nacional e encerrar a fila de 50 anos. E com o paraguaio como capitão.

Meio-campistas da Série A com mais gols na temporada



Compartilhe