Cruzeiro

CRUZEIRO

Casas de dirigentes do Cruzeiro, centros de treinamentos e galpão de organizada são alvos de operação da Polícia Civil

Essa é a sequência da operação que investiga membros da diretoria do clube por falsificação de documentos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

<i>(Foto: José Cândido Júnior/ EM DA PRESS)</i>

 

A Polícia Civil cumpriu, nesta terça-feira, mandados de busca e apreensão nas residências do presidente do clube, Wagner Pires de Sá; do vice-presidente de futebol, Itair Machado; do diretor-geral, Sérgio Nonato; do empresário Cristiano Richard dos Santos Machado, envolvido em negociações com a diretoria celeste; nos centros de treinamentos Tocas da Raposa I e II e no galpão da Máfia Azul, organizada ligada ao clube. A sede da Raposa no Barro Preto também foi alvo de investigação. Houve apreensão de documentos, celulares e computadores.

A operação é denominada de Primeiro Tempo e foi realizada pela Divisão Especializada de Investigação de Fraudes da Polícia Civil, com a participação de cerca de 100 policiais.


Em nota, a corporação deu alguns detalhes da operação Primeiro Tempo. "A Polícia Civil do Estado de Minas Gerais, por meio do Departamento Estadual de Investigação de Fraudes/DEF realizou, nesta data, operação policial “PRIMEIRO TEMPO” visando o cumprimento de 16 mandados de busca e apreensão, tanto em instalações do Cruzeiro quanto em residências e empresas de pessoas ligadas ao clube. Encontra-se em tramitação no DEF um Inquérito Policial que visa apurar a prática de crimes, em tese, cometidos por dirigentes do Cruzeiro, havendo notícia da prática de falsificação de documentos, apropriação indébita e outros delitos, sendo que a operação “PRIMEIRO TEMPO” pretende reunir nos autos mais elementos necessários à investigação policial. Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão foram apreendidos  diversos documentos, computadores, celulares e outros equipamentos de interesse para a investigação. Participaram da operação aproximadamente 100 (cem) policiais civis, dentre delegados, investigadores, escrivães e peritos, além de terem sido utilizadas cerca 30 (trinta) viaturas policiais". 


<i>(Foto: Humberto Martins/ EM DA PRESS)</i>


Essa é a sequência da operação que investiga membros da diretoria do clube por falsificação de documentos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro e acontece na antevéspera do clássico contra o Atlético, marcado para às 20h desta quinta-feira, no Mineirão, pela ida das quartas de final da Copa do Brasil.



A investigação


A cúpula do Cruzeiro também é investigada pelo Ministério Público de Minas Gerais, que instaurou procedimento investigatório criminal para averiguar possíveis irregularidades praticadas por dirigentes do clube.

Os escândalos no clube vieram à tona após matéria exibida no programa Fantástico, da TV Globo, em 26 de maio. À época, foram divulgadas irregularidades em transações e valores superfaturados pagos a empresas prestadoras de serviço. A PCMG já havia ouvido 15 pessoas que mantinham alguma relação com o clube, entre elas funcionários, ex-empregados, dirigentes e agentes esportivos.

A denúncia mais grave era sobre um empréstimo de R$ 2 milhões contraído pelo Cruzeiro com o empresário Cristiano Richard dos Santos Machado, sócio de firmas que atuam na locação de veículos e de equipamentos de proteção.

Como forma de quitação do débito com Cristiano Richard, o clube, segundo inquérito da Polícia Civil, incluiu parte dos direitos de jogadores do profissional, como Raniel (5%), Murilo (7%) - esses dois já foram vendidos pelo clube -, Cacá (20%), David (20%), e de outros que passaram pela base e foram negociados, casos de Gabriel Brazão (20%) e Vitinho (20%). O Cruzeiro ainda inseriu participação em futura venda do promissor Estevão William, de apenas 12 anos, que, pelas leis trabalhistas, só poderá assinar vínculo laboral a partir dos 16.

Outras operações apuradas pela Polícia Civil são os aumentos substanciais nos salários de dirigentes - casos do vice-presidente de futebol Itair Machado e do diretor-geral Sérgio Nonato -, a contratação de conselheiros para prestação de serviços (pessoa física e pessoa jurídica) e o pagamento a torcidas organizadas.

Vale lembrar que o Cruzeiro aumentou a dívida geral de R$ 384 milhões para R$ 520 milhões de 2017 para 2018 e ainda não teve o balanço financeiro aprovado pelo Conselho Fiscal.

Nas últimas semanas, o presidente Wagner Pires de Sá e o diretor jurídico Fabiano de Oliveira Costa prestaram depoimento na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte, no Bairro Gutierrez, Região Oeste do município. A ação fez parte da Operação Escobar, que investiga vazamento de documentos sigilosos da PF.

<i>(Foto: Humberto Martins/ EM DA PRESS)</i>


Márcio Antônio Camillozzi Marra e Paulo de Oliveira Bessa, escrivães da corporação, foram presos no dia 5 de junho, bem como os advogados Carlos Alberto Arges Júnior e Ildeu da Cunha Pereira.

Curiosamente, Márcio Antônio Camillozzi havia sido nomeado por Zezé Perrella para fazer parte da comissão de sindicância que averigua denúncias de corrupção da diretoria do Cruzeiro. Ildeu da Cunha Pereira, por sua vez, já ocupou cargo de superintendente jurídico do clube. Já Carlos Alberto Arges Júnior representou o vice-presidente de futebol.

<i>(Foto: Matheus Adler/ EM DA PRESS)</i>

Versão do Cruzeiro

A diretoria do Cruzeiro se manifestou, por meio de nota, sobre a operação da Polícia Civil.

O clube informou que "entregou às autoridades toda a documentação solicitada para a investigação".

De acordo com a nota, o Cruzeiro "continuará à disposição das autoridades competentes para quaisquer tipos de outros esclarecimentos necessários".

A Raposa, contudo, lamentou que a operação "esteja acontecendo exatamente às vésperas de uma decisão importante na Copa do Brasil".

Cruzeiro e Atlético se enfrentam nesta quinta-feira, às 20h, no Mineirão, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. A partida de volta será realizada no dia 17, às 19h15, no Independência.

Tags: serginho itair wagner dirigente cruzeiroec polícia